O atendimento terapêutico às vitimas de violência sexual no município de São José dos Pinhais: Experiência de implantação do ambulatório sentinela.

Soeli Andrea Guralh Friedrich

Resumo


As reflexões do presente artigo tratam de uma importante demanda de saúde pública na atualidade, o atendimento e acompanhamento às vitimas de violência sexual. Objetiva discorrer sobre a implantação do Ambulatório Sentinela, no Município de São José dos Pinhais, como alternativa de atendimento terapêutico às vitimas de violência sexual, bem como, dos agravos decorrentes desta violência. O estudo parte da contextualização dos indicadores da proporção de casos, dos conceitos necessários à compreensão da temática, articulada às diretrizes de atendimento presentes na legislação recente. Na sequencia, é apresentada uma caracterização do Ambulatório, elencando também as alternativas e desafios que se colocam aos profissionais que realizam os atendimentos. Na esfera dos procedimentos metodológicos fez-se uso de pesquisa bibliográfica, estudo de fontes documentais e observação da dinâmica institucional. A principal constatação evidenciada pela pesquisa é de que a implantação de um serviço específico de atendimento às pessoas em situação de violência sexual promove a agilidade das ações de saúde ao centralizá-las em um único espaço, maior vinculação dos pacientes ao serviço, reduzindo a exposição e o constrangimento, além de servir de referência aos demais equipamentos da rede.

Palavras-chave


Saúde Pública. Violência Sexual. Políticas Públicas

Texto completo:

PDF

Referências


MINAYO, M.C.S e SOUZA, E.R. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da Saúde Pública. Ciência e Saúde Coletiva. 4(1): 7-32, 1999.

KRUG. E.G.et.al. World Report on Violence and Health. Geneva. Word Hearth Organization, 2002.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Caderno temático de vigilância de violências e acidentes no Paraná. – Curitiba: SESA/SVS, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção integral para mulheres e adolescentes em situação de violência doméstica e sexual: matriz pedagógica para a formação de redes. 1. Ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Plano de Ação - 2013. Disponível em: http://conselhos.sjp.pr.gov.br/. Acesso em 29.jul.2015.

AGÊNCIA BRASIL. Medo de represália leva profissionais de saúde a deixar de denunciar casos suspeitos de violência contra crianças. Disponível em: http://www.ebc.com.br/noticias/saude/2013/03/medo-de-represalia-leva-profissionais-de-saude-a-deixar-de-denunciar-casos. Acesso em 05.ago.2015

LIMA, T.C.S e MIOTO, R.C.T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, vol.10. Florianópolis, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12015 de 7 de agosto de 2009. Altera o titulo VI da parte Especial do decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, e o art.1º da Lei nº8072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal e revoga a Lei nº 2.252, de 1º de julho de 1954, que trata da corrupção de menores. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L12015.htm. Acesso em: 25 jul. 2015

MALLAK, l.S. e VASCONCELOS, M G.(ORG).Compreendendo a violência sexual em uma perspectiva multidisciplinar- São Paulo: fundação Orsa Criança e vida, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. 2. Ed. Brasília: editora do Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida nos serviços de saúde públicos ou privados. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10778.htm Acesso em 29.jul.2015.

CURITIBA. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo da Rede Proteção a Criança e ao Adolescente em situação de risco para a violência. 3 Ed. ver. E atual- Curitiba, 2008.

BRASIL. LEI 8069, de 13 de Julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm. Acesso em 02 ago.2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 936, de 19 de maio de 2004. Dispõe sobre a estruturação da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde e a Implantação e Implementação de Núcleos de Prevenção à Violência em Estados e Municípios. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2004/prt0936_19_05_2004.html. Acesso em 29.jul.2015.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7958, de 13 de março de 2013. Estabelece diretrizes para o atendimento às vítimas de violência sexual pelos profissionais de segurança pública e da rede de atendimento do Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/DECRETO/D7958.htm. Acesso em: 22 jul. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 12.845, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L12845.htm. Acesso em: 22 jul. 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 485, de 1º de abril de 2014. Redefine o funcionamento do Serviço de Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0485_01_04_2014.html.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2. Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO PRIMRIA E ESPECIALIZADA À SAÚDE. Diretrizes de atendimento. Documento impresso. Secretaria Municipal de Saúde, São José dos Pinhais, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Aspectos jurídicos do atendimento às vitimas de violência sexual: perguntas e respostas para profissionais de saúde. 2. Ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011. 48p.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Violência e abuso sexual na família. Revista Psicologia em Estudo. Maringá, v.7, n 02 jul./dez. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1825



Direitos autorais 2016 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________