Redução de Danos na Atenção Psicossocial: concepções e vivências de profissionais em um CAPS ad.

Ana Carolina da Costa Araujo, Ronaldo Rodrigues Pires

Resumo


O presente estudo tem por objetivo compreender a percepção de profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Outras Drogas (CAPS ad) acerca da estratégia de Redução de Danos, bem como identificar os principais desafios para a efetivação dessa política no âmbito da Atenção Psicossocial. Caracterizou-se como uma pesquisa de abordagem qualitativa onde foram entrevistados treze profissionais e as falas destes foram analisadas a partir do referencial da Análise de Conteúdo. De maneira geral, a Redução de Danos é percebida como uma estratégia ainda recente, com o papel de ampliar as possibilidades no tratamento do usuário de substâncias psicoativas, tornando-o mais autônomo e participativo em seu processo de cuidado, garantindo maior adesão ao tratamento e maior humanização no cuidado. Percebe-se também alguns desafios com relação à concretização da Redução de Danos, como o conhecimento insuficiente por parte dos profissionais, familiares e dos próprios usuários acerca da política. No entanto, embora ainda não se sintam capacitados para promover esse cuidado diferenciado, os profissionais têm buscado, junto ao usuário, diferentes possibilidades de práticas que se orientam sob este paradigma.

Palavras-chave


Redução de danos; abuso de drogas; Saúde Mental.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Passos EH, Souza TP. Redução de Danos e saúde pública: construções alternativas à política global de “guerra às drogas”. Psicologia & Sociedade. 2011; 23: 154-162.

Lancetti A. Clínica Peripatética. Rio de Janeiro: Hucitec, 2008.

Forteski RF, Jeovane G. Estratégias de Redução de Danos: um exercício de equidade e cidadania na atenção a usuários de drogas. Rev. Saúde Públ. Santa Cat. 2013; 6: 78-91.

Conte M, Mayer RTR, Reverbel C, Sbruzzi C, Menezes CB, Alves GT, Queiroz R, Braga P. Redução de danos e saúde mental na perspectiva da atenção básica. Boletim da Saúde. 2004; 18, 59-77.

Ministério da Saúde (BR). Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – SISNAD; prescreve medidas para prevenção do uso indevido, atenção e reinserção social de usuários e dependentes de drogas; estabelece normas para repressão à produção não autorizada e ao tráfico ilícito de drogas; define crimes e dá outras providências. Diário Oficial da República do Brasil. Poder Executivo. Brasília: 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.197, de 14 de outubro de 2004. Redefine e amplia a atenção integral para usuários de álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências. Brasília: 2004.

Pacheco MAAG. Política de Redução de Danos a usuários de substâncias psicoativas: práticas terapêuticas no Projeto Consultório de Rua em Fortaleza, CE [dissertação]. Fortaleza: Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade da Universidade Estadual do Ceará; 2013.

Queiroz IS. Os programas de Redução de Danos como espaços de exercício da cidadania dos usuários de drogas. Psicol. cienc. prof., 2010; 21, 2-15.

Santos, VE, Soares CB, Campos, CMS. Redução de Danos: análise das concepções que orientam as práticas no Brasil. Physis. 2010; 20: 995-1015.

Petuco DRS. Redução de Danos: das técnicas à ética do cuidado. In: Ramminger T; Silva M (orgs). Mais substâncias para o trabalho em saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014.

Gil, AC. Modelos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

Souza, TP; Carvalho, SR. Reduzindo danos e ampliando a clínica: desafios para a garantia do acesso universal e confrontos com a internação compulsória. IN Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Caderno Humaniza SUS; v. 5 (saúde mental) Brasília, Ministério da Saúde, 2015.548 p.

O´Hare, P. redução de danos: alguns princípios e ação prática In Mesquita, F; Bastos, FI. Drogas e AIDS: estratégias de redução de danos. São Paulo: Hucitec, 1999.

Silveira, PS et al. Social distance toward people with substance dependence: a survey among health professionals. Revista Psicologia em Pesquisa, v. 9, n. 2, 2016.

Moraes M. O modelo de atenção integral à saúde para tratamento de problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas: percepções de usuários, acompanhantes e profissionais. Ciência & Saúde Coletiva. 2008; 13, 121-33.

Quinderé, PHD; Jorge, MSB. A experiência do uso de crack en sua interlocução com a clínica: dispositivos para o cuidado integral do usuário. Fortaleza: EdUECE, 2013.

Mielke FB, Kohlrausch E, Olschowsky A, Schneider JF. A inclusão da família na atenção psicossocial: uma reflexão. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2010; 12, 761-5. 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i3.1982



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________