Apoio matricial em Saúde Mental na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios

Fabiane Aquino Lourenço de Araujo, Mariana Chaves Aveiro

Resumo


O apoio matricial constitui um novo arranjo organizacional e metodologia para a gestão do trabalho em saúde, objetivando a relação horizontal entre distintas especialidades e níveis de atenção. A residência multiprofissional participou de algumas iniciativas por meio dos seus diferentes atores. Este trabalho buscou se aproximar do apoio matricial sob a ótica de profissionais que atuam em cinco serviços de saúde mental no município de Santos - SP. Trata-se de estudo qualitativo, envolvendo entrevistas semi estruturadas junto a profissionais de diferentes especialidades. Os dados obtidos foram analisados com base na metodologia da análise temática e divididos em três categorias. Os resultados evidenciam que a proposta do apoio matricial não foi incorporada com clareza por todos os profissionais, e que a maior dificuldade relatada para sua concretização foi com os profissionais da categoria médica. Foi encontrado também que a parceria entre os serviços, a universidade e a secretaria municipal de saúde é um importante ponto de apoio para a efetivação do matriciamento. Porém ainda são necessários investimentos em uma política no município que possa fortalecer o apoio matricial, além de espaços de educação permanente para os trabalhadores. Para que esse novo arranjo organizacional possa ser efetivado é necessária articulação e trabalho coletivo de todos os atores que buscam a integralidade da atenção. Construir reflexões sobre estas experiências torna-se essencial, problematizando o fazer dos profissionais neste campo e reconhecendo as dificuldades e os avanços.

Palavras-chave


Saúde mental; Atenção Primária à Saúde; Serviços de saúde; Saúde Pública

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Nicácio MFS. Utopia da realidade: contribuições da desinstitucionalização para a invenção de serviços de saúde mental. Campinas. Tese [Doutorado em Saúde Coletiva] - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Morais APP. Saúde Mental na Atenção Básica: o desafio da implementação do apoio matricial. São Paulo. Tese [Doutorado em Saúde Pública] - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2010.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2004. 86p.

Chiaverini DH (org.), Gonçalves DA, Ballester D, Tófoli LF, Chazan LF, Almeida N et al. Guia prático de matriciamento em Saúde Mental. Brasília (DF): Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva; 2011. 236p.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007. 7p. [citado em: 25 de Fev 2017] Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1734.pdf

Domitti ACP. Um possível diálogo com a teoria a partir das práticas de apoio especializado matricial na atenção básica de saúde. Campinas. Tese [Doutorado em Saúde Coletiva] - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas; 2006.

Campos GWS. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 1999 [citado em 20 de Fev 2017]; 4(2): 393-403. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81231999000200013&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81231999000200013.

Amarante PDC. Saúde Mental, desinstitucionalização e novas estratégias de cuidado. In: Giovanella L, Escorel S, Lobato LVC, Noronha JC, Carvalho AI (org.). Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. 2 reimpressão. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2011. p. 735 – 59.

Gonzaga NAN. Os significados dos encaminhamentos feitos aos CAPS III: a visão dos profissionais. Santos. Dissertação [Mestrado em Ciências da Saúde] - Universidade Federal de São Paulo; 2012.

Valadão MM. Policlínicas. In: Campos FCB, Henriques CMP (orgs.) Contra a maré à beira mar: A experiência do SUS em Santos. 2ed. São Paulo: Hucitec; 1997. p.113 – 116.

Campos RO, Gama C. Saúde Mental na atenção básica. In: Campos GWS, Guerreiro AVP (orgs.) Manual de práticas de atenção básica – saúde ampliada e compartilhada. 2ed. São Paulo: Aderaldo & Rothschild; 2010. p. 221 - 246.

Oliveira FRL. A integração das ações no campo da Saúde Mental entre a Estratégia de Saúde da família e o Núcleo de apoio à Saúde da Família: desafios para uma prática interdisciplinar. São Paulo. Dissertação [Mestrado em Psicologia] - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo; 2013.

Minayo MCS (org.), Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 31 ed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Nogueira-Martins MCF; Bógus CM. Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde e Sociedade [Internet]. 2004 Dez [citado em 20 Fev 2017]; 13(3):44-57. Disponível em: Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902004000300006&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000300006.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. 12Ed. São Paulo: Hucitec; 2010. p. 189 - 200.

Moraes R. Análise de conteúdo. Revista Educação [Internet]. 1999 [citado em 23 Fev 2017]; 22

: 7-32. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/90142519/ANALISE-DE-CONTEUDO

Moraes EMR. Residência Multiprofissional e a Saúde Mental: tecendo redes em Santos. Santos. Trabalho de Conclusão de Curso [Pós-graduação em atenção à saúde] - Universidade Federal de São Paulo – Campus Baixada Santista; 2012.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Portaria n. 1802, de 26 de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET – Saúde. 2008.

Maximino VS. Curso de especialização em formação e cuidado em rede. 2013.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [Internet]. 2005 Fev [citado em 20 Fev 2017]; 9(16): 161-178. Disponível em: http://www.escoladesaude.pr.gov.br/arquivos/File/textos%20eps/educacaopermanente.pdf

Vasconcelos ACF, Stedefeldt E, Frutuoso MFP. Uma experiência de intregação ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: com a palavra os profissionais de saúde. Interface (Botucatu) [Internet]. 2016 [citado em 25 Fev 2017]; 20(56):147-58. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=180142937013

Carvalho YM; Ceccim RB. Formação e Educação em Saúde: aprendizados com a Saúde Coletiva. In: Campos GWS, Carvalho YM, Minayo MCS, Drumond JM, Akerman M. Tratado de saúde coletiva. Rio de Janeiro: Hucitec; 2006. p. 149 – 182.

Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor Saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [Internet]. 2000 Fev [citado em 24 Fev 2017]; 4(6): 109- 116. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=180114089009

Franco TB, Junior HMM. Integralidade na assistência à saúde: a organização das linhas do cuidado. In: Merhy EE, Magalhães Júnior HM, Rimoli J, Franco TB, Bueno WS (orgs.). O Trabalho em Saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 2 ed. São Paulo: Hucitec. 2004. p. 125-133.

Ministério da Educação (Brasil). Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. 2014. 14p. [citado em: 25 de Fev 2017]. Disponível em: http://biblioteca.participa.br/jspui/bitstream/11451/949/1/rces003_14.pdf

Figueiredo MD; Campos RO. Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciência e Saúde Coletiva [Internet]. 2009 Fev [citado em 24 Fev 2017]; 14(1):129 – 138. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232009000100018&script=sci_abstract&tlng=pt

Campos GWS; Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2007 Fev [citado em 25 Fev 2017]; 23(2):399-407. Disponível em: http://www.observasmjc.uff.br/psm/uploads/Apoio_matricial_e_equipe_de_refer%C3%AAncia_uma_metodologia_para_gest%C3%A3o_do_trabalho_interdisciplinar_em_sa%C3%BAde.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2259



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________