O cenário da desinstitucionalização em Pernambuco: perfil sociodemográfico e clínico de usuários de hospital psiquiátrico

Anna Carolina de Sena e Vasconcelos, Vera Lúcia Dutra Facundes

Resumo


Objetivo: traçar o perfil sociodemográfico e clínico dos usuários de longa permanência de um hospital psiquiátrico em Pernambuco que se encontra em processo de fechamento. Método: pesquisa descritiva realizada com dados secundários de 49 pacientes, obtidos pela Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES/PE). Os dados foram analisados por estatística descritiva e apresentados em termos de frequência absoluta e porcentagem. Resultados: a população foi caracterizada como predominantemente do sexo masculino (95,9%), analfabeta (34,7%), solteira (71,5%), com rede social ou de suporte limitada à família (42,9%), com escassas informações sobre tipo ou fonte de renda (30,6%), com período de hospitalização em torno de 6 anos, sem saída do hospital após a internação (38,9%). Os principais diagnósticos foram esquizofrenia (49,4%) e retardo mental (36,5%). Conclusão: esta pesquisa visou a contribuir com a construção de políticas e ações voltadas à desinstitucionalização. Sugere-se o acompanhamento de processos como esse até seu desfecho.

Palavras-chave


Desinstitucionalização; Hospitais psiquiátricos; Saúde mental; Serviços de saúde mental

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Batista MDG. Breve história da loucura, movimentos de contestação e reforma psiquiátrica na Itália,na França e no Brasil. Revista de Ciências Sociais 2014; 40: 391-404.

Pitta AMF. Um Balanço da Reforma Psiquiátrica Brasileira: instituições, atores e políticas. Ciênc. saúde colet 2011; 16(12): 4579-4589.

Hirdes A. A reforma psiquiátrica no Brasil: uma (re) visão. Ciênc. saúde colet 2009; 14(1):297-305.

Liberato MDM. Desinstitucionalizar é ultrapassar fronteiras sanitárias: o desafio da intersetorialidade e do trabalho em rede. Cad. Bras. Saúde Mental [CD-ROM] 2009 [acessado 2015 Jul 25]; 1(1): [cerca de 10 p.] Disponível em: http://stat.intraducoes.incubadora.ufsc.br/index.php/cbsm/article/viewFile/1016/1142

Amarante P. Novos Sujeitos, Novos Direitos: O Debate em Torno da Reforma Psiquiátrica. Cad. Saúde Públ. 1995; 11(3): 491-494.

Amarante P. Reforma Psiquiátrica e Epistemologia. Cad. Bras. Saúde Mental [CD-ROM] 2009 [acessado 2015 Ago 8]; 1(1): [cerca de 7 p.] Disponível em: http://stat.ijkem.incubadora.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/998/1107

Facundes VLD, Bastos O, Vasconcelos MGL, Lima Filho IA. Atenção à Saúde Mental em Pernambuco: Perspectiva Histórica e Atual. Neurobiologia 2010; 73(1):183-197.

Melo MCA, Albuquerque SGC, Luz JHS, Quental PTLF, Sampaio AM, Lima AB. Perfil clínico e psicossocial dos moradores em hospitais psiquiátricos no estado do Ceará, Brasil. Ciênc. saúde colet. 2015; 20(2): 343-352.

Delgado PG. Limites para a inovação e pesquisa na reforma psiquiátrica. Physis 2015; 25(1):13-18.

Medeiros T. Psiquiatria e Nordeste: um olhar sobre a história. Rev. Bras. Psiquiatr. [Internet]. 1999 Sep [cited 2016 Sep 04] ; 21(3): 177-177. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44461999000300010&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44461999000300010.

Pereira MO, Jericó MC, Perroca MG, Mukai HA. Long term psychiatric institution: profile of patients and human resource indicators. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. 2013;9(1):33-40.

Santos ARG, Lima CA, Santos ES, Bastos JF, Silva LG, Silveira HF, Ribeiro Junior HL. Perfil clínico dos pacientes com transtornos mentais internados em um hospital de custódia e tratamento – Bahia – Brasil. Rev. Ciênc. Méd. Biol. 2015; 14(2):190-197.

Silva JPL, Coutinho ESF, Amarante PD. Perfil demográfico e sócio-econômico da população de internos dos hospitais psiquiátricos da cidade do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública, 1999; 15(3):505-511.

Rabelo AR, Cardoso E, Melo A. Características sociodemográficas da população psiquiátrica internada nos hospitais do sistema único de saúde do estado da Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, 2005; 29(1):43-56.

Brasil. Lei n.° 8.213 de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União 25 jul 1991; 14809.

Brasil. Lei n.° 8.742 de 7 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União 8 dez 1993; 18769.

Andrade MC, Burali MAM, Vida A, Fransozio MBB, Santos RZ. Loucura e Trabalho no Encontro entre Saúde Mental e Economia Solidária. Psicologia: ciência e profissão, 2013, 33 (1), 174-191.

Frazatto CF, Boarini ML. O "morar" em hospital psiquiátrico: histórias contadas por familiares de ex-"moradores". Psicologia em Estudo, 2013; 18(2):257-267.

Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2a ed. Porto Alegre: Artmed; 2008.

Ramos DKR, Guimarães J, Mesquista SKC. Dificuldades da rede de saúde mental e as reinternações psiquiátricas: problematizando possíveis relações. Cogitare Enferm. 2014; 19(3):553-60.

Souza MLPD. Registro de distúrbios mentais no Sistema de Informação da Atenção Básica do Brasil, 2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2016;25(2):405-410.

Killaspy H et al. Quality of care and its determinants in longer term mental health facilities across Europe; a cross-sectional analysis. BMC Psychiatry, 2016; 16(31):1-9.

Lima VBO, Branco Neto JRC. Reforma psiquiátrica e políticas públicas de saúde mental no Brasil: resgate da cidadania das pessoas portadoras de transtornos mentais. Direito &Política, 2011; 1(1):121-31.

Pitta AMF, Coutinho DM, Rocha CCM. Direitos humanos nos Centros de Atenção Psicossocial do Nordeste do Brasil: um estudo avaliativo, tendo como referência o QualityRights–WHO. CEBES, 2015; 39(106):760-771.

Kunitoh N. From hospital to the community: The influence of deinstitutionalization on discharged long-stay psychiatric patients. Psychiatry and Clinical Neurosciences, 2013; 67: 384–396.

Turton P, Wright C, White S, Killaspy H, DEMoBinc Group. Promoting Recovery in Long-Term Institutional Mental Health Care: An International Delphi Study. Psychiatric Services, 2010; 61(3):293-299.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2434



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________