Percursos de cuidado: pistas sobre itinerários terapêuticos em saúde mental

Fabiola Ferreira de Souza, Gustavo Zambenedetti

Resumo


O objetivo deste trabalho é compreender como o conceito de itinerário terapêutico vem sendo utilizado no campo da saúde e, mais especificamente, na saúde mental. Foi realizada uma revisão de literatura, utilizando-se a base Scielo e Pepsic para a busca de artigos, sem restrição de ano de publicação. Foram encontrados 40 artigos abordando o itinerário terapêutico em diferentes campos da saúde, sendo 5 artigos relacionados ao campo da saúde mental. A utilização do itinerário terapêutico como conceito-ferramenta de pesquisa demonstra potencialidades, na medida em que considera a experiência das pessoas que passam pelo processo de adoecimento. Os estudos demonstram que é possível, através dos itinerários, localizar falhas e potencialidades das redes formais e informais de cuidado, bem como o atravessamento de aspectos culturais no processo de busca de terapêutica para um adoecimento/sofrimento. Apesar disso, é um conceito ainda pouco empregado em pesquisas em saúde mental, indicando um caminho profícuo para a realização de pesquisas.

Palavras-chave


Acesso aos serviços de saúde, integralidade em saúde, saúde mental.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva DGV, Souza SS, Francioni FF, Matossinho MMS, Coelho MS, Sandoval RCB, Cunha MA, Ferreira N. Pessoas com Diabetes Mellitus: suas escolhas de cuidados e tratamentos. Rev Bras Enferm maio-jun 2006; 59(3): 297-302.

Ferreira J, Santo WE. Os percursos da cura: abordagem antropológica sobre os itinerários terapêuticos dos moradores do complexo de favelas de Manguinhos, Rio de Janeiro. Physis Revista de Saúde Coletiva 2012; 22(1): 179-198.

Siqueira SMC, Jesus VS, Camargo CL. Itinerário terapêutico em situações de urgência e emergência pediátrica em uma comunidade quilombola. Ciência & Saúde Coletiva Jan 2016; 21 (1): 179 - 189.

Reinaldo MAS, Saeki T. Ouvindo outras vozes: relato de familiares sobre o convívio com o paciente psiquiátrico. Rev Esc Enferm USP 2004; 38(4): 396-405.

Gomes MPC, Merhy EE. Pesquisadores IN-MUNDO: um estudo da produção do acesso e barreira em saúde mental. Org Maria Paula Cerqueira Gomes. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014.

Lima EJB. O cuidado em saúde mental e a noção de sujeito: pluralidade e movimento. In: Spink MJP, Figueiredo P, Brasilino J (orgs). Psicologia social e pessoalidade. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; ABRAPSO, 2011, pp. 109- 134.

Amarante PDC. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Brasil. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a rede de atenção psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde: 2011.

Noronha DP, Ferreira SMSP. Revisões de literatura. In: Campello BS, Condón BV, Kremer JM (orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

Vosgerau DSR, Romanowski JP. Estudo de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Rev Diálogo Educ jan-abr 2014; 14 (41): 165-189.

Rios DPG, Malacarne J, Alves LCC, Sant’anna CC, Camacho LAB, Basta PC. Tuberculose em indígenas da Amazônia brasileira: estudo epidemiológico na região do Alto Rio Negro. Rev Panam Salud Publica 2013; 33(1): 22–29.

Merino MFGL, Marcon SS. Concepções de saúde e itinerário terapêutico adotado por adultos de um município de pequeno porte. Rev Bras Enferm nov-dez 2007; 60(6): 651-658.

Lago LM, Martins JJ, Schneider DG, Barra DCC, Nascimento ERP, Albuquerque GL, Erdmann AL. Itinerário terapêutico dos usuários de uma emergência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(Supl.1):1283-1291.

Mattosinho MMS, Silva DMGV. Itinerário terapêutico do adolescente com diabetes mellitus tipo 1 e seus familiares. Rev Latino-am Enfermagem nov-dez 2007; 15(6).

Thaines GHLS, Bellato R, Faria APS, Araújo LFS. A busca por cuidado empreendida por usuário com diabetes mellitus – Um convite à reflexão sobre a integralidade em saúde. Texto Contexto Enferm Jan-Mar 2009; 18(1): 57-66.

Visentin A, Lenardt MH. O itinerário terapêutico: história oral de idosos com câncer. Acta Paul Enferm 2010; 23(4): 486-92.

Foletto EF, Jachisch SE, Dotto ML, Severo C, Pappen E, Valim ARM, Renner JD, Possuelo LG. Itinerário terapêutico de pacientes com câncer colorretal tratados no interior do Rio Grande do Sul. J Coloproctol 2016; 36(2):91–96.

Ferreira DC, Silva GA. Caminhos do cuidado – itinerários de pessoas que convivem com HIV. Ciência & Saúde Coletiva 2012; 17(11): 3087-3098.

Martins PV, Iriart JAB. Itinerários terapêuticos de pacientes com diagnóstico de hanseníase em Salvador, Bahia. Physis Revista de Saúde Coletiva 2014; 24(1): 273-289.

Torchi TS, Araújo ST, Moreira AG, Koeppe GB, Santos BT. Condições clínicas e comportamento de procura de cuidados de saúde pelo paciente renal crônico. Acta Paul Enferm 2014; 27(6): 585-90.

Conill EM et al. The public-private mix and health service utilization: a study of the therapeutic itineraries of Brazilian supplementary care beneficiaries. Ciênc. saúde coletiva [online] 2008; 13(5): 1501-1510.

Oliveira BRG, Collet N, Mello DF, Lima RAG. O itinerário terapêutico de famílias de crianças com doenças respiratórias no sistema público de saúde. Rev Latino-Am Enfermagem maio-jun. 2012; 20(3).

Venturiello MP. Itinerario terapéutico de las personas con discapacidad y mediaciones en el cuidado de la salud: la mirada de los familiares. Physis Revista de Saúde Coletiva 2012; 22(3): 1063-1083.

Neves RF, Nunes MO. Da legitimação a (res)significação: o itinerário terapêutico de trabalhadores com LER/DORT. Ciência & Saúde Coletiva 2010; 15(1): 211-220.

Valdanha-Ornelas ED, Santos MA. O Percurso e seus Percalços: Itinerário Terapêutico nos Transtornos Alimentares. Psicologia: Teoria e Pesquisa Mar 2016; 32(1): 169 - 179.

Favero-Nunes MA, Santos MA. Itinerário Terapêutico Percorrido por Mães de Crianças com Transtorno Autístico. Psicologia: Reflexão e Crítica 2010; 23(2): 208-221.

Pereira MO, Sá MC, Miranda L. Um olhar sobre a atenção psicossocial a adolescentes em crise a partir de seus itinerários terapêuticos. Cad Saúde Pública out 2014; 30(10):2145-2154.

Alves F, Bäckström B. Lidar com a doença mental - a pluralidade desistemas de cuidados e de itinerários terapêuticos: análise comparativa de dois estudos efetuados junto de duas populações residentes em Portugal. Saúde e Sociedade 2012; 21(3): 543-557.

Cardoso MRO, Oliveira PTR, Piani PPF. Práticas de cuidado em saúde mental na voz dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial do estado do Pará. Saúde em Debate abr-jun 2016; 40(109): 86-99.

Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Lei Orgânica da Saúde. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, set. 1990.

Basaglia F. Escritos selecionados em saúde mental e reforma psiquiátrica. Org. Paulo Amarante. Trad. Joana Angélica D´Ávila Melo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

Figueiredo MD, Campos RO. Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado?. Ciênc. saúde coletiva [online] 2009; 14(1): 129-138.

Quindere PHD, Jorge MSB, Franco TB. Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental?. Physis [online] 2014; 24(1): 253-271.

Scisleski ACC, Maraschin C, Silva RN. Manicômio em circuito: os percursos dos jovens e a internação psiquiátrica. Cad. Saúde Pública [online] 2008; 24(2): 342-352.

Naffah Neto A. O estigma da loucura e a perda da autonomia. Rev Bioética 1998; 6(1): 81-87.

Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LCT, 1988.

Thornicroft G, Brohan E, Sartorius N, Leese M. Padrão global de discriminação experimentada e antecipada contra pessoas com esquizofrenia: estudo transversal. Rev Latinoam Psicopat Fund março 2009; 12(1): 141-160.

Budó MLD, Resta DG, Denardin JM, Ressel LB, Borges ZN. Práticas de cuidado em relação à dor – A cultura e as alternativas populares. Rev Enferm mar 2008; 12(1): 90-96.

Costa AB, et al. Construção de uma escala para avaliar a qualidade metodológica de revisões sistemáticas. Ciência & Saúde Coletiva 2015; 20(8): 2441-2452.

Dunker CIL. Estrutura e constituição da clínica psicanalítica. São Paulo: Annablume, 2011.

Finkler AL, Vieira CS, Tacla MT, Toso BRO. O acesso e a dificuldade na resolutividade do cuidado da criança na atenção primária à saúde. Acta Paul Enferm 2014; 27(6): 548-53.

Gálvez AC, Duque JF, Velásquez LE. A doença é outra: itinerário terapêutico de fasciolose bovina em Rionegro (Antioquia). Revista CES Medicina Veterinaria y Zootecnia jan-jun 2012; 7(1).

Leite SN, Vasconcellos MPC. Construindo o Campo da Pesquisa: reflexões sobre a sociabilidade estabelecida entre pesquisador e seus informantes. Saúde Soc São Paulo 2007; 16(3): 169-177.

Lima CS, Mioto RCT. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev Katál 2007; 10(1): 37- 45.

Nunes ED, Castellanos MEP, Barros NF. A experiência com a doença: da entrevista a narrativa. Physis Revista de Saúde Coletiva 2010; 20(4): 1341-1356.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i4.2485



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________