Communication in health: the rola of health community agents

Rose Marie Inojosa

Resumo


O propósito deste artigo é refletir sobre o papel dos agentes comunitários de saúde no que diz respeito à comunicação em saúde. Os modelos de família e de equipe estão em transformação na sociedade e requerem novas formas de comunicação capazes de contemplar essa dinâmica, a mobilidade e as interações de papéis sociais. O Programa de Saúde da Família (PSF) busca fazer uma inversão importante na lógica e nas práticas envolvidas no processo de produção da saúde, trabalhando com as famílias e equipes como protagonistas, num plano horizontal. Depara-se, nesse processo, com as armadilhas dos hábitos e práticas típicas das organizações piramidais, com comunicação autoritária, que ergue muros de incompreensão entre os sujeitos da relação e, também, a influência das práticas do marketing na comunicação cotidiana. Porém, carrega um mundo de possibilidades de gerar compreensão, confiança e solidariedade. Algumas, já experimentadas e avaliadas, reiteram a capacidade do modelo do PSF em lidar com a dinâmica da sociedade contemporânea.

Palavras-chave


Comunicação; saúde; agentes comunitários de saúde; programa de saúde da família; transição paradigmática

Texto completo:

PDF




Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________