Além do que se vê: análise da representação social atribuída ao profissional médico por meio de sites de busca disponíveis na Internet

Lucas Alexandre Gonçalves do Nascimento Gomes, Felipe Santana Rodrigues, Gustavo Bacelar Fontenele Araújo, Marny Ryann Rapôso Ferreira, Vanessa Gonçalves Costa, Fábio Solon Tajra, José Ivo dos Santos Pedrosa

Resumo


Imagens podem carregar símbolos com fortes associações. Este tipo de interpretação se aplica a distintas áreas, inclusive a saúde. No caso das imagens que retratam o profissional médico, isso não é diferente. Contudo, tem sido bastante questionado qual o símbolo ou associação relacionada a esta categoria profissional. Atualmente, com o elevado alcance dos sites de busca da Internet e o seu alto número de acessos, certas imagens e símbolos que conotam ou denotam ao médico uma representação podem ser apreendidas a partir de uma simples procura nos sites de busca da internet. Nesta perspectiva, este estudo tem como objetivo analisar a representação social atribuída ao profissional médico por meio de sites de busca, bem como os símbolos que são associados a essa profissão. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo de abordagem quali-quantitativa em que foram pesquisadas imagens em cinco sites de busca disponíveis na web diferentes, a saber: www.google.com, www.ask.com, www.bing.com, www.yahoo.com e www.uol.com. Para isso, foram utilizados descritores como “médico”, “médica” e “profissional médico”. Todas as imagens postadas foram coletadas em um período de 30 dias ininterruptos. Em seguida, as imagens foram agrupadas em categorias. Vale comentar que foram excluídas imagens que meramente retratavam o cotidiano, imagens que indicam personalidades famosas ou históricas e charges. As imagens encontradas nos diferentes provedores foram classificadas em diversas categorias, dentre elas amorosidade, religiosidade, liderança, trabalho em equipe, distanciamento entre médico e paciente, exercício da profissão, polêmicas, tecnologia (estetoscópio),equipamento de proteção individual, símbolo, ambiente hospitalar, registros em saúde e outros. As categorias que apresentaram mais frequência foram exercício da profissão, trabalho em equipe, estetoscópio e registro em saúde. A partir disso, pode-se aferir que o médico é uma figura frequentemente ligada ao trabalho, principalmente, por ser corriqueiramente representado por instrumentos de sua profissão. Quando não representado por esses instrumentos, o médico é muito retratado e lembrado pelo exercício de sua profissão. Apesar de haver controvérsias quanto a figura do profissional médico, costumeiramente é da estigmatização e do constante apelo midiático para passar a ideia de um profissional distante, o médico é visto como alguém que frequentemente conforta ou mantém um contato próximo com o seu paciente.

Palavras-chave


Médicos, Medicina, Signos, Internet, Meios de comunicação de massa.

Texto completo:

PDF

Referências


VILLAS BOAS, LPS. Teoria das representações sociais e o conceito de emoção: diálogos possíveis entre Serge Moscovici e Humberto Maturana. Psicol. Educ., São Paulo , 2004; 19 Disponível em . acessos em 13 set. 2014.

SPINK, MJP. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro ,1993;3. Disponível em: . access on 13 Sept. 2014.

MACHADO, MH., coord. Os médicos no Brasil: um retrato da realidade. [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1997.

FREITAS, Patrícia de. Não basta ser um bom médico: é preciso ser piedoso e católico. Rev. Estud. Fem., Florianópolis. 2006; 1. Disponível em: . access on 15 June 2014.

SEGRE, M, FERRAZ, FC. O conceito de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo1997; 5. Disponível em: . access on 15 June 2014.

BUSS, PM., PELLEGRINI FILHO, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis, Rio de Janeiro, 2007;1. Disponível em: . access on 15 June 2014.

SISSON, MC. Identidades profissionais na implantação de novas práticas assistenciais. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro 2009;33, sppl 1. Disponível em . access on 13 Sept. 2014.

SILVEIRA, MDP. Efeitos da globalização e da sociedade em rede via Internet na formação de identidades contemporâneas. Psicol. cienc. prof., Brasília, n.4 2004; Disponível em: . access on 13 Sept. 2014.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem. n. 70. 2007.

Nunes MF, Ferreira Netto AA, Silva PFP, Nogueira TE, Nunes VN. Imagem do cirurgião-dentista em sites de busca da web. Rev. Eletr. Enf. 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v14i2.13936. Acesso em: 15 set. 2014.

SERASA EXPERIAN. Disponivel em:

Acesso em: 15 set. 2014

Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no Brasil [livro eletrônico]: TIC Domicílios e Empresas 2012 = Survey on the use of information and communication technologies in Brazil: ICT Households and Enterprises 2012 / [coordenação executiva e editorial / executive and editorial coordination, Alexandre F. Barbosa; tradução/translation DB Comunicação (org.)]. -- São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2013.

GARBIN, HBR.; PEREIRA NETO, AF; GUILAM, MCR. A internet, o paciente expert e a prática médica: uma análise bibliográfica. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 12, n. 26, p. 579-588, 2008 . Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2014.

BIRUEL, EP. Websites para diabéticos: uso da Internet como instrumento de Educação em Saúde. 2008. Dissertação (Mestrado em Ensino em Ciências da Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: < http://files.bvs.br/upload/T/unifesp/2008/biruel_websites_diabeticos.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 3, de 20 de junho de 2014. Ministério da Educação. Brasília; 2014. Acesso em: 10 set.2014. Disponível em: http://mecsrv125.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=15874&Itemid=

NUNES, J. M. A abertura da consulta: o fim está no princípio. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, [S.I.], v. 25, n. 2, p. 199-207, 2007. Disponível em:< http://www.rpmgf.pt/ojs/index.php?journal=rpmgf&page=article&op=view&path%5B%5D=10608&path%5B%5D=10344>. Acesso em: 25 ago. 2014.

GASTALDO, E. Goffman e as relações de poder na vida cotidiana. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 23, n. 68, p. 149-153, 2008. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092008000300013>. Acesso em: 26 ago. 2014

BRASIL. Ministério da Saúde. Bases das ações da ESF e ESB. In: ______. Guia prático do Programa de Saúde da Família. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2001. p. 73-74. Disponível em:< http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/guia_pratico_saude_familia_psf2.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2014.

BRASIL, Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Ministério da Saúde. Acesso em 10 de out 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2761_19_11_2013.html

NABARRO, S. W. O médico do século XXI: compromisso social e responsabilidade compartilhada. Arquivos do Conselho Regional de Medicina do Paraná, Curitiba, v. 27, n. 105, p. 1-16, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2014.

YONEKURA, C. L. et al. Impressões de pacientes, médicos e estudantes de medicina quanto a aparência dos médicos. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo, v. 59, n. 5, p. 452-459, out. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2014

AMESTOY, S. C. et al. Liderança dialógica nas instituições hospitalares. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 63, n. 5, p. 844-847, set./out. 2010. Disponível em:. Acesso em: 12 set. 2014.

CROMACK, L. M. F.; BURSZTYN, I.; TURA, L. F. R. O olhar do adolescente sobre saúde: um estudo de representações sociais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 14, n. 2, p. 627-634, abr. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1550



Direitos autorais 2015 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________