Desenvolvimento da Vigilância Epidemiológica de Fronteira no contexto da Globalização: conceitos e marcos teóricos.

Robson Bruniera-Oliveira Bruniera-Oliveira, Marco Aurelio Pereira Pereira Horta, Vinícius Silva Silva Belo, Eduardo Hage CARMO, José Fernando Souza Verani

Resumo


Objetivo. Apresentar e analisar as ações desenvolvidas para a implementação e desenvolvimento de Vigilância Epidemiológica de Fronteiras, nos Blocos Econômicos Multinacionais, particularmente na América do Sul e Brasil. Metodologia. Foi realizado um estudo de revisão narrativa incluindo artigos científicos, documentos técnicos, diretrizes, normas, manuais, pautas de reuniões ou qualquer outro documento que fosse relacionado ao desenvolvimento e implementação de ações e programas de Vigilância Epidemiológica em Fronteiras. O estudo foi baseado nos sites das instituições/organizações multinacionais e nas bases MedLine, PubMed, Scielo e Scopus. Resultados. Foram identificados a criação de órgãos e ações no intuito de implementar e desenvolver a vigilância epidemiológica de fronteiras para os seguintes blocos: União Europeia (Health Security Committee, European Center for Disease Prevention and Control, Sistema de alerta rápido e resposta, General Rapid Alert System e Rede de Monitoramento Ad Hoc); Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Border Infectious Disease Surveillance, “Projeto de Vigilância e Alerta Rápido de Doenças Infeciosas”) ; Mercado Comum do Sul ( Reunião de Ministros da Saúde do Mercosul, Subgrupo de Trabalho 11 Saúde e Subcomissão Controle Sanitário de Portos, Aeroportos, Terminais e Passos Fronteiriços Terrestres); e União de Nações Sul-Americanas. Conclusões. Os programas e politicas desenvolvidos até o momento refletem o reconhecimento da importância do assunto por parte dos Estados Membros da OMS. Uma maior integração, com troca de informações, incluindo fluxos, frameworks, planos de preparação e o fortalecimento de áreas estratégicas como de energia e transporte deve ser incentivada intra e inter blocos.

Texto completo:

PDF

Referências


- Gadelha CAG, Costa L. Integração de fronteiras: a saúde no contexto de uma política nacional de desenvolvimento. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2007, 23 (2):214-226.

- Institute of Medicine. Infectious disease movement in a borderless world. Washington, DC: The National Academies Press. 2010.

- Rodrigues-Júnior, AL. Epidemias na faixa de fronteira brasileira. VII Encontro Nacional de Estudos Estratégicos, Brasília-DF, 2007.

- Peiter P, Machado O, Iñiguez RL. Doenças transmissíveis na Faixa de Fronteira Amazônica: o caso da malária.In: Miranda AC, BarcellosC, MoreiraJC,MonkenM. Território, ambiente e saúde.Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2008,p.257-272.

- Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de vigilância epidemiológica da febre amarela. Brasília, 1999.

- Castillo-Salgado C. Trends and Directions of Global Public Health Surveillance. Epidemiol Rev. 2010, 32(1):93-109.

- Hardiman M, Wilder-Smith A. The revised international health regulations and their relevance to travel medicine. J Travel Med14(3) : 141–144, 2007.

- União Europeia. [Internet].[acesso em 28/06/2010]. Disponível em: http://europa.eu/index_pt.htm.

- European Commission. Commission Staff Working Paper Impact Assessment. Accompanying the document Decision of the European Parliament and of the Council on serious cross-border threats to health. 2011. ].[acesso em 29/06/2010]Disponível em: http://europa.eu/index_pt.htm.

- Comissão Europeia. Proposta de decisão do parlamento europeu e do conselho relativa a ameaças sanitárias transfronteiriças graves, 2011. ].[acesso em 29/06/2010] Disponível em: http://europa.eu/index_pt.htm.

- Comissão Europeia – Comunicado de Imprensa Saúde Pública: A Comissão propõe medidas eficazes para proteger melhor os cidadãos contra uma vasta gama de ameaças sanitárias transfronteiriças, 2010. ].[acesso em 28/06/2010] Disponível em: http://ec.europa.eu/health/preparedness_response/policy/index_pt.htm

- European Commission. Commission Staff Working Document. Health Security in the European Union and Internationally, 2009. ].[acesso em 30/06/2010] Disponível em: http://europa.eu/index_pt.htm.

- European Commission. Proposal for a decision of the european parliament and of the council on serious cross-border threats to health. 2011. Disponível em: http://europa.eu/index_pt.htm.

- North American Free Trade Agreement. NAFTA [Internet], [acesso em 28/06/2010]. Disponível em : http://www.nafta-sec-alena.org

- Weinberg M, Waterman S, Lucas CA, et al. The U.S.--Mexico Border Infectious Disease Surveillance project: establishing bi-national border surveillance. Emerg Infect Dis 2003;9:97--102.

- Centers for Disease Control and Prevention. DGMQ Stories: Building Cross-Border Public Health Partnerships, 2011. [acesso em 28/06/2012].Disponível em: www.cdc.gov/migrationhealth

- Machado MH, Paula AE, Aguiar FW.O trabalho em saúde no MERCOSUL: uma abordagem brasileira sobre a questão. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2007, 23(2):S292-S301.

- Banco Mundial, World Economic Outlook Database, Outubro de 2007, para o ano de 2006. [Internet], [acesso em 28/06/2013]. Disponível em: http://www.imf.org

- MERCOSUL/GMC/RES Nº 06/05 Pauta Negociadora do SGT n° 11 “Saúde” (Revogação da RES. GMC Nº21/01).[Internet], [acesso em 05/09/2013]. Disponível em: http://www.mercosur.int/msweb/portal%20intermediario/Normas/normas_web/Resoluciones/PT/RES_006-005_PT_

Pauta%20Neg.PDF.

- MERCOSUR/SGT N 11/ACTA N 01/13. XL Reunión ordinaria del subgrupo de trbajo n° 11 “SALUD”.[Internet],[acesso em 15/10/2013]. Disponível em:http://www.mercosur.int/innovaportal/file/5154/1/sgt11_2013_acta01_es.pdf

- MERCOSUL. Pauta negociadora do SGT Nº 11 «Saúde» (revogação da Resolução GMC Nº 06/05). Resolução Nº 13/07 do Grupo do Mercado Comum. [Internet], [acesso em 28/06/2010].

- MERCOSUL/XXVIII SGT N° 11/P.RES. Nº 01/07. Pauta negociadora do SGT Nº 11 “Saúde” (revogação da RES. GMC Nº 06/05). [Internet], [acesso em 05/09/2013]. Disponível em: http://200.214.130.44/mercosulsaude/portugues/sgt/rosgt11/ROSGTXXVIII/ACTA01-07/

ANEXO-IVA/Pauta-PT.pdf

- União das Nações Sul-Americanas (Unasul). Tratado Constitutivo da União de Nações Sul-Americanas. [Internet], [acesso em 08/08/2013]. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/sala-de-imprensa/notas- aimprensa/2008/05/23/tratado-constitutivo-da-uniao- de-nacoessul/?

searchterm=constituição-unasul

- União de Nações Sul-Americanas (Unasul). [Internet], [acesso em 08/08/2013]. Disponível em: http://www.isags-nasursalud.org/Default.asp?lang=1

- Buss, P.M. Cooperacao e integracao regional em saude na America do Sul: A contribuicao da Unasul-Saude Source: Ciência e saúde coletiva 2011, 6(6):2699 -2711.

- União de Nações Sul-Americanas (Unasul). Decisión para el Establecimiento del Consejo de Salud Suramericano de la UNASUR. [Internet], [acesso em 10/09/2013]. Disponível em: http://www.unasursg.org/uploads/ce/cd/cecdfa7cf8540bc4e855e773d1242403/Estatutos-Consejo-de-Salud-Suramericano.pdf

- União de Nações Sul-Americanas (Unasul). Saúde. Plano Quinquenal 2010-2015. [Internet],[acesso em 6/09/2013].Disponível em:http://www.unasursalud.org/images/stories/documentos/plan_quinquenal_ingles.pdf

- Brasil. Decreto nº 7.667, de 11 de janeiro de 2012. Promulga o Tratado Constitutivo da União de Nações Sul-Americanas, firmado em Brasília, em 23 de maio de 2008. acesso em 6/09/2013].Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Decreto/D7667.htm

- Machado LVN, Amin MM. Impacto da febre aftosa na posição competitiva do Brasil no mercado internacional de carne bovina. Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural.XLIV CONGRESSO DA SOBER, Fortaleza-CE, 2006.

- Rodrigues AF, Escobar AL, Souza-Santos R. Análise espacial e determinação de áreas para o controle da malária no Estado de Rondônia. Rev Soc Brasil Med Trop 2008 , 41:55-64.

- Peiter P.C. Condiciones de vida, situación de la salud y disponibilidad de servicios de salud en La frontera de Brasil: un enfoque geográfico. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro 2007, 23(2):237-250.

- Ministério da Saúde do Brasil. Secretaria Executiva. Sistema Integrado de Saúde das Fronteiras SIS-Fronteira. Relatório de Desempenho do Projeto. Dezembro/2008.

- Heffernan R. Syndromic surveillance in public health practice, New York City. Emerg Infect Dis 10:858 (2004)

- Brasil. Portaria nº 2.761, DE 18 de Novembro de 2008. Vigilância epidemiológica e controle de enfermidades priorizadas e surtos entre os estados partes do mercosul. . [Internet], [acesso em 10/08/2013].Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2008/GM/GM-2761.htm

- Henning KJ. What is syndromic surveillance? MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2004;53(Suppl):5-11.

- Begier EM, Sockwell D, Branch LM, et al. The National Capitol Region’s emergency department syndromic surveillance system: do chief complaint and discharge diagnosis yield different results? Emerg Infect Dis 2003;9:393--6.

- Smith RD, Keogh-Brown MR, Barnett T, Tait J. The economy-wide impact of pandemic influenza on the UK: a computable general equilibrium modelling experiment. BMJ. 2009 19;339.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1565



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________