Incorporação e contribuições dos profissionais de educação física ao Sistema Único de Saúde do Brasil.

Flávio Barros da GUARDA, Rafaela Niels da SILVA, José Luiz Araújo JÚNIOR, Paulo Roberto SANTANA, Pedro Miguel dos Santos NETO

Resumo


A evolução da educação física enquanto disciplina acadêmica e como profissão, juntamente com as transformações ocorridas no sistema de saúde brasileiro ao longo das últimas duas décadas, têm contribuído para a incorporação da atividade física como estratégia custo-efetiva de promoção da saúde e controle de diversas doenças. O objetivo deste artigo é analisar as potenciais contribuições dos profissionais de educação física ao Sistema de Único de Saúde, com base em aspectos políticos e legais que fundamentaram sua incorporação ao SUS nos últimos 20 anos. Para tanto, analisou-se a legislação brasileira do campo da saúde, através da Constituição Federal, leis, Portarias Ministeriais e resoluções dos conselhos nacionais de saúde e educação. Observa-se que a incorporação dos profissionais de educação física ao Sistema Único de Saúde vem se evidenciando desde a Constituição Federal de 1988 e que esses podem contribuir para a elaboração de ações de incentivo à prática de atividades físicas, auxílio a estratégias de promoção da saúde, prevenção e controle de DCNTs, bem como na composição de equipes multiprofissionais e contribuir nas estratégias de enfretamento ao sedentarismo e na melhoria da condição de vida dos cidadãos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1573



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________