Saúde na escola: reflexões a partir das vivências dos estudantes de Fisioterapia

Elísio Alves Peireira Neto, Josielma Juvito Ferreira, Kaísa Thomaz Cavalcante e Silva, Mayara Gabriel Lima de Mendonça, Renata Newman Leite Cardoso dos Santos, Kátia Suely Queiroz Silva Ribeiro

Resumo


O Programa Saúde na Escola tem sido uma importante estratégia de prevenção e promoção da saúde na atenção primária. Esse programa consiste na realização de ações de promoção e prevenção em saúde, exige a ação conjugada de setores da saúde e da educação e muitos estudantes da área de saúde não têm a possibilidade de vivenciar esse programa durante a graduação. O objetivo deste texto, portanto, é compartilhar as vivências dos acadêmicos de Fisioterapia da UFPB na atuação na perspectiva do Programa Saúde na Escola e a importância dessa prática na formação profissional. O estudo foi realizado em uma escola da periferia da cidade de João Pessoa – PB. Quatro estagiários do oitavo período do curso de Fisioterapia desenvolveram durante dois meses atividades de educação na escola para aproximadamente 30 crianças. A análise dos discursos dos estagiários apontou que a vivência no programa contribuiu para o crescimento acadêmico e permitiu que eles observassem a importância de uma atuação conjunta com outros setores e também permitiu que percebessem como uma atuação no nível da atenção básica dentro do ambiente escolar pode ser transformadora, não apenas para as crianças que participaram da atuação, mas também de todos ao seu redor, sobretudo por ter sido pautada na educação popular.

Palavras-chave


Saúde Escolar. Fisioterapia. Atenção Primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva AM, Almeida VL, Oliveria F, Franco TLB. Classificação do grau de risco de famílias na estratégia saúde da família. Rev APS. 2014;17(1):111 - 115.

Brasil. Decreto nº 6.286, 5 de Dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, DF, 6 de Dezembro de 2007.

Floss M, Miranda Júnior AD, Teixeira TP. Liga de educação em saúde : reflexões a partir das vivências dos estudantes de medicina. Rev APS. 2014;17(1):116 - 119.

Cidac OH. Sistematização de Experiências: aprender a dialogar com os processos. Rio de Janeiro: Creative Commons; 2005. p. 1-74.

Alvin NAT, Ferreira MA. Perspectiva problematizadora da educação popular em saúde e a enfermagem. Revista Texto & Contexto Enfermagem. 2007;16(2):315-319.

Garcia MAA. Saber, agir e educar: o ensino-aprendizagem em serviços de Saúde. Interface - Comunic, Saúde, Educ. 2001;5(8):89-100.

Oliveira HM, Gonçalves MJF. Educação em saúde: uma experiência transformadora. Revista Bras Enferm. 2004;57(6):16-3.

Liberal EF. Acidentes e danos com escolares: incidência, causas e consequências. Jornal de Pediatria . 2005;81(5):155-163.

Diaz ALA. História de las Deficiências. Madrid: Escuela Libre Editorial, 1995.

Bartholo R. Alteridade e Preconceito. São Carlos: EDUFSCAR, 2007.

Ribeiro KSQ. A atuação da fisioterapia na atenção primária à saúde. Fisiot Brasil. 2002;3(5):311-318.

BARROS, Fabio Batalha M. (Org.). O fisioterapeuta na saúde da população: atuação transformadora. Rio de Janeiro: Fisiobrasil, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1620



Direitos autorais 2016 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________