A Educação Permanente como ferramenta no trabalho interprofissional na Atenção Primária à Saúde.

Patrícia Feitoza Santos, Kamyla de Arruda Pedrosa, José Reginaldo Pinto

Resumo


Esse trabalho teve o objetivo de descrever os relatos dos profissionais de saúde da atenção básica ao vivenciar a experiência de sessões de Educação Permanente em Saúde no município de Ubajara-Ce. Trata-se de um estudo documental, restrospectivo, descritivo, de natureza qualitativa. Utilizou-se como instrumento de coleta de informações registros das atas das reuniões das oficinas da Atenção Primária à Saúde (APS) com os trabalhadores do município, ocorridas nos anos de 2011 e 2012. A análise desses documentos ocorreu durante os meses de janeiro a fevereiro de 2015. Descreveram-se quatro eixos norteadores abordados nas sessões de educação permanente com os profissionais. A análise do discurso dos participantes arquitetou os achados encontrados nas informações pesquisadas. Revelou-se que houve um redirecionamento das práticas dos serviços executadas em diferentes unidades existentes em Ubajara, após as oficinas. Os profissionais melhoraram sua assistência nas linhas de cuidados à saúde oferecida a diferentes grupos que prestavam atendimentos. Essa experiência demonstrou que a educação permanente implantada proporcionou resultados significativos e de impacto para gestão da saúde de Ubajara.

Palavras-chave


Educação Permanente em Saúde; Estratégia Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Ministério da Saúde. A educação permanente entra na roda: polos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Nicoletto SCS et al. Polos de educação permanente em saúde: uma análise da vivência dos atores sociais no norte do Paraná. Interface (Botucatu). 2009 Sep; 13(30): 209-219.

Stroschein KA, Zocche DAA. Educação permanente nos serviços de saúde: um estudo sobre as experiências realizadas no Brasil. Trab. educ. saúde. 2011 Nov.; 9(3):505-519.

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Chamado à ação de Toronto 2006-2015: Rumo à década de recursos humanos em saúde nas Américas. Brasília: MS, 2006.

Mendonça FF, Nunes EFPA. Necessidades e dificuldades de tutores e facilitadores para implementar a política de educação permanente em saúde em um município de grande porte no estado do Paraná, Brasil. Interface (Botucatu). 2011 Sep; 15(38): 871-882.

Ellery AEL, Bosi MLM, Loiola FA. Integração ensino, pesquisa e serviços em saúde: antecedentes, estratégias e iniciativas. Saude soc. 2013 Mar; 22(1): 187-196.

Oliveira IC, Rocha RM, Cutolo LRA. Algumas palavras sobre o nasf: relatando uma experiência acadêmica. Rev. bras. educ. med. 2012 Dec; 36(4):574-580.

Lino MM et al. Educação permanente dos serviços públicos de saúde de Florianópolis, Santa Catarina. Trab. educ. saúde. 2009 June; 7(1):115-136.

Ramos M. Educação pelo trabalho: possibilidades, limites e perspectivas da formação profissional. Saude soc. 2009 June; 18(Suppl 2): 55-59.

Midwest business group on health. Juran Institute. Reducing the cost of poor-quality health care through responsible purchasing leadership. BMJ, 2002.

Machado MC, Pires CGS, Lobão WM. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciênc. saúde coletiva. 2012 Maio; 17(5): 1357-1363.

Souza FL et al. A política municipal de Educação Permanente em Sobral. Sanare. 2008; 7(2):14-22.

Batista N et al. O enfoque problematizador na formação de profissionais da saúde. Revista de Saúde Pública. 2005; 39(2):231-237.

Viana ASA et al. Recursos humanos na atenção básica, estratégias de qualificação e polos de educação permanente no estado de São Paulo. São Paulo: Centro de Estudos de Cultura Contemporânea/Consórcio Medicina USP, 2008.

Reis DC. Educação em saúde aspectos históricos e conceituais. In: Grazinelli MF, Marques RC. Educação em saúde: teoria, métodos e imaginação. Belo Horizonte: UFMG, 2006. p. 19-24.

Coriolano MWL et al. Educação permanente com agentes comunitários de saúde: uma proposta de cuidado com crianças asmáticas. Trab. educ. saúde. 2012 June; 10(1):37-59.

Pedrosa IL et al. Uso de metodologias ativas na formação técnica do agente comunitário de saúde. Trab. educ. saúde, 2011; 9(2):319-332.

Nepomuceno LB, Carvalho AB. A residência multiprofissional em saúde da família potencializando a transformação através da formação: uma utopia necessária. Sanare, 2008; 7(2):31-37.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1641



Direitos autorais 2016

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________