Projeto Mais Médicos para o Brasil em Pernambuco: uma abordagem inicial.

Bárbara Pinto Andrade de Souza, Albuquerque Cavalcanti de Paullete

Resumo


Muito se acumulou em pesquisa e conhecimento sobre a o problema em manter a força de trabalho necessária para a consolidação do SUS. Mas a escassez de políticas eficazes para o setor é evidente e, de todas as tentativas realizadas pelos governos brasileiros, talvez o Programa Mais Médicos seja o de maior dimensão e potencialmente mais gerador de impactos, pois tem por objetivo ordenar a formação de médicos garantindo distribuição e perfil, definir critérios para a formação, assim como prover médicos para a Atenção Básica de localidades de difícil provimento através de aperfeiçoamento na modalidade ensino-serviço. Neste estudo, buscamos nos aproximar da situação do Projeto Mais Médicos para o Brasil, eixo integrante do Programa, e das suas primeiras implicações para a Atenção Básica no estado, através do conhecimento da distribuição e do perfil dos seus profissionais, assim como do possível incremento na cobertura da Estratégia de Saúde da Família.

Palavras-chave


Mais Médicos; Provimento; Atenção Primária à Saúde; Gestão do Trabalho e Educação em Saúde;

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, T. W. de F.; FAUSTO, M. C. R.; CUNHA, M. S. Análise da produção bibliográfica sobre atenção primária à saúde no Brasil em quatro periódicos selecionados. Physis, Rio de Janeiro, v.19, n.4, 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. de2014.

BRASIL, Ministério da Saúde. Lei Federal Nº 12.871, de 22 de Outubro de 2013. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, v. , n. , p. , 23 out 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul 2014.

________. Portaria Nº 2.488, de 21 de Outubro de 2011. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2011. Disponível em: Acesso em: 2 jul 2014.

________. Profissionais Ativos. Brasília, 2013. Planilha de Excel.

________. Programa Mais Médicos. Brasília, 2014. Apresentação de

Power Point.

CARVALHO, M. S.; SOUSA, M. F. de. Como o Brasil tem enfrentado o tema provimento de médicos?. Interface, Botucatu, v.17, n.47, p. 913-926, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2014.

CONILL, E. M. Ensaio histórico-conceitual sobre a Atenção Primária à Saúde: desafios para a organização de serviços básicos e da Estratégia Saúde da Família em centros urbanos no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, supl.1, p. S7-S27, 2008.

FORTUNA, C. M. et al . O trabalho de equipe no programa de saúde da família: reflexões a partir de conceitos do processo grupal e de grupos operativos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 13, n. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2014.

GUARDA, F. R. B. Perfil sócio-demográfico e motivação dos médicos que compõem equipes de Saúde da Família na Região Metropolitana do Recife. 2009. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2009.

MACIEL FILHO, R. Estratérias para a distribuição e fixação de médicos em sistemas nacionais de saúde: o caso brasileiro. 2007. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2007.

MATTOS, R. A. de. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, Oct. 2004. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2014.

MENDES, E. V. Atenção Primária à Saúdeno SUS. Fortaleza: Escola de Saúde Públicado Ceará, 2002.

________. As redes de atenção à saúde. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 5, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2014.

MERHY, E.E.; A cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2007.

NERI, M. C; Escassez de médicos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2008. Disponível em: < http://www.cps.fgv.br/ibrecps/medicos/index.htm>. Acesso em: 21 ago. 2014.

PERNAMBUCO. Secretaria Estadual de Saúde. Mapa das Regiões de Saúde. Recife, 2014. Disponível em: < http://portal.saude.pe.gov.br/secretaria-executiva-de-coordenacao-geral/gerencias-regionais-de-saude>. Acesso em: 20 ago. 2014.

PIERANTONI, C. R.; VARELLA, T. C.; FRANÇA, T. Recursos humanos e gestão do trabalho em saúde: da teoria para a prática. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Observatório de Recursos Humanos em Saúde no Brasil: estudos e análises. Brasília, 2004. v. 2.

PIRES, D. Novas formas de organização do trabalho em saúde e enfermagem. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, 2000; v. 13n.1/2 p.83-92, 2000.

PIRES, D. Reestruturação produtiva e conseqüências para o trabalho em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, 2000; v. 53, p. 251-63. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reben/v53n2/v53n2a10.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2014.

RIBEIRO, E. M.; PIRES, D.; BLANK, V. L. G. A teorização sobre processo de trabalho em saúde como instrumental para análise do trabalho no Programa Saúde da Família. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 03 set. 2014.

SCHEFFER, M.; BIANCARELLI, A.; CASSENOTE, A. Pesquisa Demografia Médica no Brasil: dados gerais e descrições de desigualdades. São Paulo: Conselho Regional de Medicina de São Paulo, 2013.

STARFIELD, B. Atenção primária. Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília:Organização das Nações Unidas para a Educação,a Ciência e a Cultura e Ministério da Saúde, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i4.1735



Direitos autorais 2015 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________