Programa Mais Médicos no Estado de Santa Catarina: breve relato de experiências iniciais

Rita de Cássia Gabrielli Souza Lima, Carlos Alberto Severo Garcia, Edilaine Kerkoski, Fabiola Hermes Chesani

Resumo


: No Programa Mais Médicos, a interiorização de faculdades de medicina e a inserção de médicos em áreas brasileiras socialmente vulneráveis, potencializando a aproximação entre formação e realidade da população, isto é, a integração ensino e serviços são duas dimensões priorizadas. O presente estudo objetivou apresentar aspectos históricos da criação do Programa e um breve relato dos movimentos iniciais de uma pesquisa estadual em andamento, na perspectiva de um informante chave. É um estudo social, qualitativo, de caráter exploratório, descritivo e compreensivo. O instrumento eleito para a coleta de dados foi a entrevista narrativa. A análise foi conduzida pela abordagem hermenêutico-dialética. Os resultados apontaram a categoria - Da intenção ao gesto: abraçando os inúmeros Brasis em defesa da garantia do direito universal à saúde. Observou-se que o Programa representa uma franca possibilidade de garantia de realização do direito à saúde em rincões sombrios, marginalizados pela ausência de médicos, bem como um projeto transformador efetivo em defesa de uma formação em medicina para a atenção básica, para o Sistema Único de Saúde de todos os brasileiros: a serviço do Brasil.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Avaliação de Programas e Projetos de Saúde; Direito à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Lima RCGS, Severo DO, Verdi MIM, Da Ros MA. A construção do direito à saúde na Itália e no Brasil na perspectiva da bioética cotidiana. Saude soc. 2009 Jan./Mar. 18(1): 188-30.

Viana ALA, Dal Poz MR. Reforma do Sistema de Saúde no Brasil e o Programa Saúde da Família. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2005 Nov./Dez. 8(2): 11:48.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n 2.488, de 21 de outubro de 2011: aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF, 24 out. 2011; Seção 1, p. 51.

Temporão JG. Saúde da Família, agora mais do que nunca! Ciência & Saúde coletiva. 2009 sept./Oct. 14(supl. 1): 1493:97.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 648/GM, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Política Nacional de Atenção Básica Portaria No 648.

Ney MS, Rodrigues PHA. Fatores críticos para a fixação do médico na Estratégia Saúde da Família. Physis. 2012 Nov./Dez. 22(4): 1293-1311.

Ceccim RB. Onde se lê recursos humanos da saúde, leia-se coletivos organizados de produção da saúde: desafios para a educação. In: Pinheiro R, Mattos R. (Orgs.). Construção social da demanda: direito à saúde, trabalho em equipe, participação e espaços públicos. Cepesc. Rio de Janeiro. 2005. p.161-80.

Carvalho MS, Sousa MF. Como o Brasil tem enfrentado o tema provimento de médicos? Interface (Botucatu). 2013 Out./Dez. 17(47): 913-26.

Campos CVA, Malik AM. Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família. Rev. Adm. Publica. 2008 Mar./Abr. 42(2):347-68.

Capozzolo AA. No olho do furacão: trabalho médico e o Programa de Saúde da Família [Tese]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas; 2003.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Programa Mais Médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Ministério da Saúde (BR). Lei n. 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil. 2013 out. 23; Seção 1, p. 1.

Oliveira FP, Vanni T, Pinto HA, et al. Mais Médicos: um programa brasileiro em uma perspectiva internacional. Interface (Botucatu) [online]. 2015 set. 19(54): 623-34.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Interministerial no 1.369, de 8 de julho de 2013. Dispõe sobre a implementação do Projeto Mais Médicos para o Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2013 jul. 9; Seção 1, p.49‐52.

IBGE. Cidades [dados na Internet] Rio de Janeiro: IBGE [acesso em 27 set. 2015]. Disponível em http://www.ibge.gov.br

Cunha MI. Conta-me agora!: as narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Rev. Fac. Educ. 1997 Jan./Dec. 23(1-2): 185-95.

Ministério da Educação (BR). Secretaria de Educação Superior. Resolução No 1, de 25 de Maio de 2015. Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Bordieu P. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: Edusp; 1996.

Santos M, Silveira ML. O Brasil: Território e Sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Editora Record; 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i4.1741



Direitos autorais 2015 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________