A percepção de residentes multiprofissionais da área da saúde sobre o processo de morte

Juliana Oliveira Perez, Dayane Regina dos Santos, Maribel Pelaez Dóro

Resumo


A morte e o processo de morrer estão constantemente na rotina dos profissionais de saúde, porém, estes nem sempre estão preparados para lidar com estas questões. O objetivo do estudo é verificar a percepção dos profissionais residentes da área da saúde sobre a morte. Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória de abordagem quantitativa, realizada com 129 residentes em um hospital terciário, e contemplou nove profissões, com predominância feminina e idade média de 25 anos. Foi aplicada a Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes Acerca da Morte (EAPAM). A maioria dos participantes apresentou aceitação neutra em relação à morte, seguido de aceitação religiosa. Em terceiro lugar está o medo da morte. Por último, o evitamento e a aceitação de escape tiveram resultado similar. O perfil de atitude do profissional em relação à morte pode contribuir com o desenvolvimento da Síndrome de Burnout, prejudicando sua saúde e qualidade do serviço prestado.

Palavras-chave


Morte, Educação em relação à morte, Profissionais da saúde, Regulação emocional.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Campelos ICSF. A ansiedade e o medo da morte nos profissionais de saúde [Monografia] [Internet]. Porto: Universidade Fernando Pessoa; 2006. [acesso em 2017 jan 15]. Disponível em:

http://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/1012/2/Monografia.pdf

Santos FS. Conceituando Morte. In: Santos FS. Cuidados paliativos – Discutindo a vida, a morte e o morrer. São Paulo: Atheneu; 2009. p. 301-318.

Pinto SFS. A influência das atitudes e da ansiedade face à morte na imortalidade simbólica em estudantes. [Dissertação de Mestrado] [Internet]. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2011. [acesso em 2017 jan 15]. Disponível em:

http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/1692/Tese%20Final.pdf?sequence=1

Caputo RF. O homem e suas representações sobre a morte e o morrer: um percurso histórico. Rev. Multidisciplinar da Uniesp. [Internet]. 2008 [acesso em 2017 jan 15]; Dez (6): 73-80. Disponível em: http://www.uniesp.provisorio.ws/revista/revista6/pdf/8.pdf

Serra SSS. Morrer na presença de quem cuida: Atitudes do enfermeiro de cuidados diferenciados face à morte e aos cuidados ao doente em fim de vida [Tese de Mestrado] [Internet]. Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; 2012. [acesso em 2017 jan 15]. Disponível em:

https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/72951/2/80751.pdf

Silva Junior FJG, Santos LCS, Moura PVS, Melo BMS, Monteiro CFS. Processo de morte e morrer: evidências da literatura científica de enfermagem. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2011 [acesso em 2017 jan 15]; 64(6): 1122-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000600020

Aquino TAA, Serafim TDB, da Silva HDM, Barbosa, EL, Cirne, AA, Ferreira, FR, Dantas, PRS. Visões de morte, ansiedade e sentido de vida: um estudo correlacional. Psicologia Argumento [Internet]. 2010. [acesso em 2017 jan 15]; 28(63): 289-302. Disponível em www2.pucpr.br/reol/index.php/PA?dd1=3919&dd99=pdf.

Andrade TAM. Atitudes perante a morte e sentido da vida em profissionais de saúde [Tese de Doutorado] [Internet]. Lisboa: Universidade de Lisboa; 2007. [acesso em 2017 jan 15]. Disponível em:

http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/975/1/16424_Tese_Teresa_Andrade_versfinal.pdf

Combinato DS, Queiroz MS. Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia [Internet]. 2006 [acesso em 2017 jan 15]; 11(2): 209-216. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2006000200010

Medeiros LA, Lustosa MA. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Rev. SBPH [Internet]. 2011 [acesso em 2017 nov 15]; 14(2): 203-227. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1516-08582011000200013&script=sci_arttext

Gutierrez BAO, Ciampone MHT. O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. Revista Escola Enfermagem USP [Internet]. 2007 [acesso em 2017 jan 15]; 41(4): 660-667. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342007000400017.

Bulhões I. Riscos do trabalho de enfermagem. 2ª ed. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Ed. Folha Carioca; 1994.

Santos MA, Aoki FCOS, Oliveira-Cardoso, EA. Significado da morte para médicos frente à situação de terminalidade de pacientes submetidos ao Transplante de Medula Óssea. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2013. [acesso em 2017 jan 15]; 18 (9): 2625-2634. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000900017

Alencar SCS, Lacerda MR, Centa ML. Finitude humana e enfermagem: reflexões sobre o (des)cuidado integral e humanizado ao paciente e seus familiares durante o processo de morrer. Fam. Saúde Desenv. [Internet]. 2005 [acesso em 2017 jan 15]; 7(2):171-180. Disponível em:

http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/refased/article/viewFile/8045/5668

American Occupational Therapy Association (AOTA). Occupational therapy practice framework: Domain and process. American Journal of Occupational Therapy [Internet]. 2014 [acesso em 2017 jan 15]; 68 (Suppl.1): S1-S48. Disponível em: http://www.terapia-ocupacional.org.ar/wp-content/uploads/2014/05/3%C2%AA-Edicion-Marco-de-Trabajo-2013.pdf

Loureiro LMJ. Tradução e adaptação da versão revista da Escala de Avaliação do Perfil de Atitudes Acerca da Morte (EAPAM) [Artigo de Investigação]. Revista de Enfermagem Referência [Internet]. 2010 [acesso em 2017 jan 15]; 3(1): 101-108. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12707/RII1012

Wong P, Reker G, Gesser G. Death attitude profile revised: a multidimensional measure of attitude toward death. In: Neimeyer R. Death anxiety handbook: research, instrumentation, and application. Washington: Taylor & Francis ed. lit; 1994. p. 121-148.

Lopes TPAV. Atitudes perante a morte e ansiedade e depressão em cuidadores profissionais de Cuidados Paliativos [Tese de Mestrado] [Internet]. Lisboa: Universidade de Lisboa; 2010. [acesso em 2017 jan 15]. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/2638/1/ulfp037455_tm.pdf

American Psychiatric Association (APA). DSM-V: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. [Nascimento MIC et al, Trad.]. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Borges MS, Mendes N. Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Revista Brasileira de Enfermagem [Internet]. 2012 [acesso em 2017 jan 15]; 65(2): 324-331. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000200019.

Oliveira ECN. O psicólogo na UTI: Reflexões sobre a saúde, vida e morte nossa de cada dia. Psicologia: Ciência e Profissão [Internet]. 2002 [acesso em 2017 jan 15]; 22(2): 30-41. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932002000200005

Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer: o que o doente têm a ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e a seus próprios parentes [Menezes P, Trad]. 7ª ed. São Paulo, Brasil: Martins Fontes; 1996.

Guido LA, Silva RM, Goulart CT, Bolzan MEO, Lopes LFD. Síndrome de Burnout em residentes multiprofissionais de uma universidade pública. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012 [acesso em 2017 jan 15]; 46(6): 1477-83. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600027




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i2.1997



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________