A SAÚDE DO CAMPO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE RESIDENTES: ENCONTROS E DESENCONTROS

Camille Correia Santos, Kátia Rejane de Medeiros, Idê Gomes Dantas Gurgel

Resumo


A Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas (PNSIPCFA) tem como um de seus eixos repensar a formação dos profissionais de saúde por meio da educação permanente e popular em saúde e umas dessas estratégias de formação são os Programas de Residência em Área Profissional da Saúde voltado para educação em serviço. Assim, o objetivo é analisar o conteúdo de saúde no campo desenvolvido nos programas de residência no campo da saúde coletiva em Pernambuco. É um estudo qualitativo com desenho exploratório descritivo realizado a partir de análise documental. Analisou-se propostas dos projetos pedagógicos das residências referente ao conteúdo de saúde do campo. Evidenciou-se que só um programa apresenta conteúdo específico e articulação com a saúde do campo e a maioria dos programas apresentam projeto pedagógico baseado no modelo hegemônico médico-assistencial privatista e assistencial sanitarista concentrados na zona urbana. A partir da vivência dos residentes e da experiência do VerSUS no campo foi marcado a necessidade de ampliar a formação em saúde, mobilizando propostas que consolide o SUS junto a realidade no campo. Assim, essas experiências necessitam serem visibilizadas, viabilizadas e ampliadas, tornando-se em estratégias permanentes de formação para os profissionais de saúde.

Palavras-chave


Saúde do campo; Residência em Saúde; Educação em saúde; SUS

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. 1. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Carneiro FF. et al. Teias de um Observatório para a saúde das populações do campo, da floresta e das águas no Brasil. Tempus, Actas de Saúde Colet. 2014:8(2): 275-293.

Santos JCB, Hennington EA. Aqui ninguém domina ninguém: sentidos do trabalho e produção de saúde para trabalhadores de assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Rev. Cad. Saúde Pública. 2013:29(8):1595-1604.

Carneiro FF, Búrigo AC, Dias AP In: Caldart RS et al (org). Dicionário da educação do campo.2ª.ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Expressão Popular, 2012. 691-697.

Wanderley MB. Meio rural: um lugar de vida e de trabalho: Desafios do mundo rural brasileiro. In: Fórum DRS, do IICA, 2014. [Acesso em: 01 de maio de 2016]. Disponível em: .

Soares RAS. Caracterização da População do Campo, Floresta e Águas: Quem São, Como Vivem e de Quê Adoecem. Relatório. Universidade De Brasília. Centro De Estudos Avançados Multidisciplinares. Departamento De Saúde Coletiva. Núcleo De Estudos Em Saúde Pública. 2014. [Acesso em:01 de maio de 2016]. Disponível em: < http://www.saudecampofloresta.unb.br/wpcontent/uploads/2015/03/Relato%CC%81rio-Dados-secund%C3%A1rios-final1.pdf >.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Seminário Nacional sobre Escassez, Provimento e Fixação de Profissionais de Saúde em Áreas Remotas de Maior Vulnerabilidade, 2012.

Ceccim R, Feuerwerker LCM. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva.2004:14(1): 41-65.

Brasil. Lei 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem. Casa civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2005.

Brasil. Portaria MEC/MS nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde e a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, 2009.

Dallegrave D, Ceccim RB. Residências em Saúde: o que há nas produções de teses e dissertações? Interface (Botucatu). 2013:17(47):759-76.

Sarmento L. F. Residência Multiprofissional em Saúde: análise da oferta de programas financiados pelo Ministério da Saúde de 2009 a 2015. Dissertação. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social. Rio de Janeiro, 2016. 143p.

Secretaria Estadual de Saúde. Secretaria-Executiva de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde. 2015. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em < http://portal.saude.pe.gov.br/programa/secretaria-executiva-de-gestao-do-trabalho-e-educacao-em-saude/programas-de-residencias >.

Silva, LRC. et al. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. [IX Congresso Nacional de Educação/III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 2009; PUCPR].

Bardin, L. Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa: LDA, 2009.

¬¬¬¬ Shiroma EO. et al. Subsídios teóricos para construção de uma metodologia para análise de documentos de Política Educacional. In. Dossiê: uma metodologia para análise conceitual de documentos sobre política educacional, 2004.

Carneiro FF. et al (org). Análise das políticas públicas em interface com a política nacional de saúde integral das populações do campo e da floresta (PNSIPCF). Relatório de matriciamento versão final. Fortaleza/Ceará Maio/2014b. Disponível em: . Acesso em: 29 de abril de 2016.

Behring,ER, Boschetti, I. Keynesianismo-fordismo e a generalização da política social. In: Behring,ER, Boschetti, I. Política Social-fundamentos e história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 201, 82-111.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Relatório do II Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo e da Floresta, 2014.

Teixeira CF, Paim JS, Vilasbôas AL. Sus, modelos assistenciais e vigilância da saúde. Inf. Epidemiol.1998:7(2).

Foucault M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1985.

Brasil. Portaria MS/MEC Nº. 1077 de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em área profissional em Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para residências multiprofissionais e em área profissional em Saúde e a comissão nacional Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da União, 2009, Seção I, p.7.

Rocha A. Para discutir a saúde de forma integral, é necessário romper com a lógica da doença: Saúde é a capacidade de lutar contra tudo que nos oprime. Entrevista concedida a Juana Tavares. Jornal Sem Terra, 2010: 1, 4-5. [ Acesso em: Abril de 2016]. Disponível: .

Ramos, M. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: Ed UFRJ/ EPSJV, 2010.

Vasconcelos EM. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface - Comunic, Saúde, Educ, Botucatu, 2001.

Termo de assinatura VerSuS. Secretaria Executiva do VER-SUS Brasil. 2015. [ Acesso em: Abril de 2016]. Disponível:< file:///C:/Users/camille/Downloads/Termo%20de%20Referencia%20%20-%20VER-SUS%20SAUDE%20NO%20CAMPO%20CARUARU.pdf>.

Freire P. Extensão ou comunicação? 7. ed. Rio de Janeiro: Ed Paz e Terra, 1983.

Löwy, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. São Paulo: Busca Vida, 5ª ed., 1987.

Movimento dos trabalhadores rurais sem terra- MST. Cartilha de saúde Nº 5, 2000. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em:

Dantas ACMTV, Falcão IV. Formação integral nas residências multiprofissionais em saúde: uma experiência junto ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Rev. Ed. Popular. 2014/:13(2),10-24.

I Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas, 2015, Brasília. Manifesto De Saúde Das Populações Do Campo, Da Floresta E Das Águas: “Cuidar, promover, preservar: a saúde se conquista com luta popular!” [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em: .

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Saúde e ambiente para as populações do campo, floresta e das águas, 2015.

Albuquerque PC. et al. A educação popular em saúde na experiência de construção da residência multiprofissional em saúde da família com ênfase na saúde da população do campo. In: 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, 2015, Goiânia. Resumo...Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2015. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em: .




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2032



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________