Atuação como apoiadores em saúde: reflexões sobre a formação na residência multiprofissional

Karine Kyomi Beker, Adriana Barbieri Feliciano, Maria Lúcia Teixeira Machado

Resumo


O estudo objetivou compreender as interfaces entre a atuação como apoiadores e a formação vivenciada na residência. Os cenários de aprendizagem bem como as ferramentas da educação permanente favorecem a formação de trabalhadores aptos às ações coletivas, apresentando elementos potencializadores para ambos os apoios. O projeto político pedagógico e o arranjo organizacional da residência foram elaborados de forma a favorecer o aprendizado sobre o apoio matricial. O mesmo não ocorre com relação ao apoio institucional, para o qual algumas lacunas devem ser analisadas. Discute-se a importância da aproximação entre a instituição formadora e a rede de saúde, proporcionando um aprendizado complementar entre a prática e a teoria, favorecendo a formação de trabalhadores ao Sistema Único de Saúde. Pode-se afirmar que há interface entre a formação na residência e a prática de ambos os apoios, com melhor embasamento do apoio matricial.

Palavras-chave


apoio matricial; apoio institucional; residência multiprofissional em saúde; saúde da família; Sistema Único de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BARBAN, E. G.; OLIVEIRA, A. A. O modelo de assistência da equipe matricial de saúde mental no programa saúde da família do município de São José do Rio Preto (Capacitação e educação permanente aos profissionais de saúde na atenção básica). Arq. Ciênc. Saúde, São José do Rio Preto, v. 14, n. 1, p. 52-63, jan.-mar. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde: pólos de educação permanente em saúde. Brasília, 2004.

CAMPOS, G. W. S. Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciênc. & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 393-403, 1999.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de apoio à saúde da família. Brasília, 2014.

MOURA, R. H.; Luzio, C. A. O apoio institucional como uma das faces da função apoio no Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF): para além das diretrizes. Interface, Botucatu, v. 18, supl. I, p. 973-86, 2014.

CAMPOS, G.W.S. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-407, fev. 2007.

_______. Um método para análise e co-gestão de coletivos. São Paulo: Hucitec, 2005.

VASCONCELOS, M.F.F.; MORSCHEL, A. O apoio institucional e a produção de redes: do desassossego dos mapas vigentes na saúde coletiva. Interface, Botucatu, v. 13, n. 1, p. 729-38, 2009.

CECCIM, R.B. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-77, 2005.

_______. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 1400-10, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília, 2006.

OLIVEIRA, M.S. Inserção da residência multiprofissional em saúde da família e comunidade no contexto da graduação dos cursos da área de saúde. In: BRASIL. Residências multiprofissionais em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Manual da residência multiprofissional em saúde da família e comunidade. São Carlos, 2010.

MATTAR, J. A sociedade da informação. In: _______. Metodologia científica na era da informática. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2008. p. 113-156.

MILL, D. Educação à distância e trabalho docente virtual: sobre tecnologia, espaços, tempos, coletividade e relações sociais de sexo na idade mídia. Belo Horizonte, Minas Gerais, 2006. 322 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R.A. Cuidado: as fronteiras da integralidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Hucitec ∕ IMS∕ UERJ – Abrasco, 2005.

BASTOS, E.N.E. et al. O desenvolvimento do papel de apoiadores institucional em Fortaleza-CE. IN: CAMPOS, G.W.S.; GUERRERO, A.V.P. (Orgs). Manual de práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 388-406.

OLIVEIRA, G.N. Apoio institucional: orientações metodológicas para o trabalho do apoiador da política nacional de humanização - material de apoio para egressos dos cursos ofertados pela PHN. Brasília: 2012.

CAMPOS, G. W. S. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec, 2007.

BERBEL, N.A.N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface, Botucatu, v. 2, n. 2, p. 139-154, fev. 1998.

FEUERWERKER, L.C.M. Mudanças na educação médica e residência médica no Brasil. Interface, Botucatu, n. 3, p. 51-71, 1998.

ARAÚJO, M.B.S.; ROCHA, P.M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Cienc. & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.12, n. 2, p. 455-464, 2007.

CRUZ, M.L.S. et al. Reunião de equipe: uma reflexão sobre sua importância enquanto estratégia diferencial na gestão coletiva no programa saúde da família (PSF). Psi. Rev., São Paulo, v.17, n. 1 e n. 2, p. 161-183, 2008.

CYRINO, E.G.; TORALLES- PEREIRA, M.L. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde e problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 780-788, mai.-jun. 2004.

CHIRELLI, M.Q.; MISHIMA S.M. A formação do enfermeiro critico - reflexivo no curso de enfermagem da faculdade de medicina de Marilia- FAMEMA. Rev. latino-am. enf., São Paulo, v. 11, n. 5, p. 574-84, 2003.

CECCIM, R.B.; FEUERWERKER, L.C.M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 41-65, 2004.

NASCIMENTO, D.D.G.; OLIVEIRA, M.A.C. A política de formação de profissionais da saúde para o SUS: considerações sobre a residência multiprofissional em saúde da família. REME- Rev. Min. Enf., local, v. 10, n. 4, p. 435-439, out.∕dez. 2006.

CHIESA, A.M. et al. A formação de profissionais de saúde: aprendizagem significativa à luz da promoção da saúde. Cogitare Enferm., Curitiba, v. 12, n. 2, p. 236-40, abr..∕jun. 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2057



Direitos autorais 2017 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________