Revendo Caminhos: a Inserção da Residência Multiprofissional no Âmbito Hospitalar

Odemir Pires Cardoso Júnior, Benedita Jales Souza, Maria Edilania Matos Ferreira Furtado, Renata Belizário Diniz, Raissa Rabelo Marques Rebouças, Kamila Maria Maranhão Sidney, Maria Tereza Aguiar Pessoa Morano

Resumo


Objetivo: O presente estudo objetiva descrever a inserção da Residência Integrada em Saúde no âmbito hospitalar, no intuito de compartilhar a experiência de implantação desse fazer. Descrição da experiência: A vivência ocorreu em um hospital de referência em Cardiopneumologia da cidade de Fortaleza, no período de dois anos (2014-2016). A experiência foi atravessada por saberes e fazeres compartilhados e entre os desafios e conquistas foi possível perceber a grandeza do trabalho interprofissional, especialmente no que concerne ao diferencial que essa atuação pode oferecer aos usuários do serviço. Conclusão: Pode-se atribuir à Residência não apenas o aprimoramento técnico-científico dos profissionais, mas sobretudo o ético-pessoal, enriquecido pela troca de conhecimento, tão relevante na promoção de um cuidado integral em saúde.

Palavras-chave


Sistema Único de Saúde. Educação Baseada em Competências. Equipe de Assistência ao Paciente

Texto completo:

PDF PDF (ENGLISH)

Referências


Hartz ZMA, Contandriopoulos AP. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um “sistema sem muros”. Cad. Saúde Pública. 2004;20(Supl 2):331-6.

World Health Organization (WHO). Transforming and scaling up health professional education and training. Geneva: WHO; 2013.

Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de Fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do SUS para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

World Health Organization (WHO).Framework for action on interprofessionaleduation& collaborative practice.Geneva: WHO; 2010.

Batista NA. Educação Interprofissional em Saude: Concepções e Práticas. Caderno FNEPAS. 2012;2:25-8.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional de Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União de 1º de julho de 2005; 2005.

Ministério da Educação. Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Resolução nº 3, de 4 de maio de 2010. Dispõe sobre a duração e a carga horária dos programas de Residência Multiprofissional em Saúde e de Residência em Área Profissional da Saúde e sobre a avaliação e a frequência dos profissionais da saúde residentes. Brasília: Ministério da Educação; 2010.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em Saúde da Família. Saúde e Sociedade. 2010;19(4):814-27.

Aguiar AC, Ribeiro ECO. Conceito e avaliação de habilidades e competência na educação médica: percepções atuais dos especialistas. Rev. bras. educ. med.2010;34(3):371-8.

Basso K. Residência integrada multiprofissional em saúde do Hospital de Clínicas de Porto Alegre: iniciando a jornada. (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização).Porto Alegre: Universidade Federal do Ro Grande do Sul;2010.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface– comunic, saúde, educ. 2005;9(16):161-177.

Merhy EE. A perda da dimensão cuidadora na produção da saúde: uma discussão do modelo assistencial e da intervenção no seu modo de trabalhar a assistência. In Reis AT, Santos AF, Campos CR, Malta DC, Merhy EE, Organizadores. Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte: reescrevendo o público. São Paulo: Xamã; 1998. p.103-20. parte II.

Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enfermagem. 2013;18(3):592-5.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia.Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.

Campos GWS. A clínica do sujeito: por uma clínica reformulada e ampliada. Disponível em: . Acesso em: 12 de fevereiro de 2016. 1996/1997.

Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização (PNH). Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Merhy EE, Franco TB. Trabalho em saúde. Material produzido para a EPJV/FIOCRUZ; 2005.

Reis VM, David HMSL. O fluxograma analisador nos estudos sobre o processo de trabalho em saúde: uma revisão crítica. Revista de Atenção Primária a Saúde. 2010;13(1):118-25.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2058



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________