NO MICROCOSMO DE UM GRANDE HOSPITAL, ENTRE NORMAS E BRECHAS: os caminhos trilhados por um terapeuta ocupacional residente

Andre Eduardo Mei, Lucia da Rocha Uchôa-Figueiredo, Virginia Junqueira, Gisele Paiva

Resumo


O programa nacional de Residência Multiprofissional em Saúde surge no país como mais uma estratégia para melhorar a qualificação da formação profissional, reforçando o processo de trabalho orientado pela integralidade e interprofissionalidade. Este artigo tem como objetivo apresentar a pesquisa de trabalho de conclusão de residência, em que analisou-se a construção do processo de trabalho de um terapeuta ocupacional residente do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde (PRMAS) da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista (UNIFESP-BS), durante estágio realizado em enfermaria na Irmandade Santa Casa da Misericórdia de Santos (ISCMS). Trata-se de um estudo qualitativo, realizado a partir da análise dos diários de campo do residente de Terapia Ocupacional. Foram percebidas balizas para o trabalho em saúde que aludem à lógica de produção do cuidado de caráter mais fragmentado. Contudo, o terapeuta ocupacional residente pôde, através de atuação criativa nas brechas nos elementos instituídos, contribuir para a mudança em seu microcosmo. Apesar de a mudança não estar dada, o microcosmo do aqui e agora nos serviços não é infértil, desde que haja abertura para a criatividade, ampliação da clínica e para as tecnologias leves. Dessa forma, o residente de Terapia Ocupacional pôde aprimorar o cuidado prestado e sua formação, aproximando-se dos objetivos pedagógicos e assistenciais preconizados pelo programa.

Palavras-chave


Internato e Residência; Terapia Ocupacional; Assistência Hospitalar; Integralidade em saúde; Educação Continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar ZN. Antecedentes históricos do Sistema Único de Saúde – Breve história da política de saúde no Brasil. In: Aguiar, Z. N. (org.) SUS – Sistema Único de Saúde: antecedentes, percurso, perspectivas e desafios. São Paulo: Martinari; 2011:17-40.

Neto FCB, Barbosa PR, Santos IS, Oliveira CMF. Atenção Hospitalar: Evolução Histórica e Tendências. In: Giovanella, L. (org.) Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2012:577-608.

Resolução COFFITO no 429/2013. Reconhece e disciplina a especialidade de Terapia Ocupacional em Contextos Hospitalares, define as áreas de atuação e as competências do terapeuta ocupacional especialista em Contextos Hospitalares e da outras providências. [Acesso em 10/12/2016]. Disponível em: http://www.crefito2.gov.br/legislacao/resolucoes-coffito/resolucao-429--de-08-de-julho-de-2013-1670.html.

De Carlo MMRP, Bartalotti CC. Caminhos da Terapia Ocupacional. In: De Carlo MMRP, Bartalotti CC (orgs.). Terapia Ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus; 2001:19-40.

Prieto GB, De Carlo MMRP. Promoção da saúde e humanização da assistência a pacientes de traumato-ortopedia na perspectiva da Terapia Ocupacional hospitalar. In: Uchôa-Figueiredo, L. R.; Negrini, S. B. M. Terapia Ocupacional: diferentes práticas em hospital geral (orgs.). Ribeirão Preto: Legis Summa; 2009:225-234.

Giardinetto ARSB, Martini EC, Cruz JA, Moni LO, Ruiz LM, Rodrigues P, et al. A importância da atuação da terapia ocupacional com a população infantil hospitalizada: a visão de profissionais da área da saúde. Cadernos de Terapia Ocupacional da Ufscar. 2009;17(1):63-69.

Rosa SD, Lopes RE. Residência Multiprofissional em Saúde e Pós-Graduação Lato Senso no Brasil: Apontamentos Históricos. Trabalho, Educação & Saúde. 2009;7(3):479-498.

Campos FC, Aguiar RAT, Belisario SA. A Formação Superior dos Profissionais da Saúde. In: Giovanella, L. (org.) Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2012:885-910.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento da Gestão da Educação da Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 414p.

Universidade Federal De São Paulo (UNIFESP). Programa de Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde. Santos, 2010, 58p. Projeto Político-Pedagógico.

Peduzzi M, Schraiber LB. Processo de Trabalho em Saúde. In: Fundação Oswaldo Cruz. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. [Acesso em 03/08/2013]. Disponível em : http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbetes/protrasau.html.

Lima MS, Rodrigues T. O Trabalho da equipe multiprofissional de residentes no Território sob o olhar da equipe do Centro de Saúde Martins Fontes em Santos/SP. 2013, 32p. Monografia de Conclusão de curso (Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, Campus Baixada Santista, Santos.

Santos DO, Silva CRC. Preceptoria em um programa de residência multiprofissional: uma função para a (trans)formação? 2012, 24p. Monografia de Conclusão de curso (Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, Campus Baixada Santista, Santos.

Santorum JÁ, Figueiredo P, Rodrigues S. Problematização da realidade e organização do processo de trabalho: relato de experiência a partir da residência multiprofissional em saúde da família. 2012, 71p. Monografia de Conclusão de curso (Residência Multiprofissional em Saúde da Família) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande.

Forti MC, Ortiz MCM. O Processo de Formação em Residência Multiprofissional em Saúde: A Experiência dos Residentes de Santos. 2013, 38p. Monografia de Conclusão de curso (Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde) – Universidade Federal de São Paulo, Campus Baixada Santista, Santos.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M.Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas; 2003. 310p.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução: Daniel Grassi – 2ª Ed. Porto Alegre: Bookman; 2001. 205p.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 12a ed. São Paulo: Hucitec, 2010. 407 p.

Irmandade Da Santa Casa Da Misericórdia De Santos (ISCMS). História da Santa Casa. [Acessado em 05/02/2014]. Disponível em:http://www.scms.org.br/noticia.asp?codigo=42&COD_MENU=24.

Brito J, Muniz HP, Santorum K, Ramminger T. O Trabalho nos Serviços Públicos de Saúde: entre a inflação e a ausência de normas. In: Assunção, A. A.; Brito, J. (Orgs.) Trabalhar na Saúde: experiências cotidianas e desafios para a gestão do trabalho e do emprego. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2011:23-44.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: A micropolítica do trabalho vivo em ato,em saúde. In: Franco, TB, Merhy EE (orgs). Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. 1ª edição. São Paulo: Hucitec; 2013:19-67.

Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de C. E. F. da Silva e J. Sawaya. Revisão técnica de E. de Assis. 4ª edição. São Paulo: Cortez; Brasilia DF: UNESCO, 2001. 204p.

Deleuze G, Guattari F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia – volume 3. Tradução de A. G. Neto, A, L. de Oliveira, L. C. Leão e S. Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 1996. 120p. (coleção trans).

Campos GWS. Clínica e Saúde Coletiva Compartilhadas: teoria paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Campos GWS et. al. (orgs). Tratado de Saúde Coletiva. 2ª edição revista e aumentada. São Paulo: Hucitec, 2012:39-78.

Ferriotti ML. Construção de identidade(s) em Terapia Ocupacional no contexto das transformações paradigmáticas da saúde e da ciência. In: Ferriotti ML, Pádua EMM. (orgs.). Terapia Ocupacional e complexidade: práticas multidimensionais. Curitiba: CRV, 2013:43-72.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 46ª edição. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2013. 143p.

Deleuze G. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002. 144p.

Franco TB. Produção do cuidado e produção pedagógica: integração de cenários do sistema de saúde no Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2007;11(23):427-38.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2116



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________