Educação em Saúde: Relato de Oficinas realizadas com crianças na Atenção Primária à Saúde

Ana Cibelli Nogueira Soares, Daniela Vasconcelos de Azevedo, Karine Moreira de Melo, Patrícia Elisabeth da Silva, Maria Elisa Machado Ferreira Marcelo

Resumo


Na infância ocorrem modificações do ambiente físico, familiar e social em que a criança está inserida, que influenciam o desenvolvimento e a fase adulta. Portanto, merecem atenção dos serviços de saúde. A assistência deve ser integral, buscando atender as necessidades da criança em diferentes períodos de sua vida. Assim, através de ações de educação em saúde é possível melhorar as condições de vida e saúde da criança, ancoradas no conceito de promoção da saúde. Neste estudo, objetiva-se relatar a experiência de educação em saúde oferecida por meio de oficinas educativas para um grupo de crianças na Atenção Primária à Saúde (APS). Foi utilizada metodologia participativa e técnicas lúdicas na realização de seis oficinas, realizadas em uma comunidade do município de Fortaleza, Ceará (CE), sendo desenvolvidas por profissionais de saúde da Residência Integrada em Saúde (RIS), com ênfase em Saúde da Família e Comunidade. A metodologia participativa valorizou o conhecimento prévio dos participantes, quanto a temáticas relacionadas à alimentação, higiene bucal e corporal, dentre outras abordagens. As oficinas despontaram como um espaço de reflexão e debate sobre a adoção de hábitos saudáveis, além de promover a troca de informações, permitindo a identificação de demandas de saúde das crianças e o aumento do vínculo entre os profissionais da APS e usuários, estimulando o cuidado em saúde na comunidade. Deste modo, foi possível aprimorar os conhecimentos da população acerca de saúde, favorecendo a promoção da saúde e proporcionando melhoria da qualidade de vida.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde, Crianças, Educação em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Ariés, P. História social da criança e da família. 2ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; 2011.

Moreira, MEL, Goldani, MZ; A criança é o pai do homem: novos desafios para a área de saúde da criança. Ciência & Saúde Coletiva, 2010; 15 (2).

Brasil, Contagem Populacional. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2010. Disponível em: Acesso em: 10 set. 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 2ed. Cadernos de Atenção Básica, 23. Brasília, DF. 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Nutrição Infantil Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. Caderno de Atenção Básica, nº 23. Brasília, DF. 2009.

SILVA, AM – Competências da enfermeira para a atenção à criança na Rede Básica de Saúde. Tese (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós Graduação em Enfermagem. Porto Alegre. 2012. Disponível em: < http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/55427> Acesso em: 01 out. 2016.

SCALCO, SV; LACERDA, JT, CALVO, MCM. Modelo para avaliação da gestão de recursos humanos em saúde. Caderno de Saúde Pública. 2010; 26 (3): 603-614.

Gattás MLB, Furegato ARF. A interdisciplinaridade na educação. Rev. Rene, Fortaleza. 2007; 8 (1): 85-91.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da Criança: Crescimento e Desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica, 33. Brasília, DF. 2012.

Ferreira, VF. Educação em saúde e cidadania: revisão integrativa. Trab. educ. saúde. 2014 a; 12 (2): 363-378.

Moretto. A importância dos grupos: espaço de reflexão e desenvolvimento. 2016. Disponível em: Acesso em: 20 out. 2016.

Ayres, JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. CEPESC; IMS-UERJ; ABRASCO. Rio de Janeiro. 2009: 282.

ZAMPIERI, MFM. e col. Processo educativo com gestantes e casais grávidos: possibilidade para transformação e reflexão da realidade. Texto & Contexto Enfermagem. 2010; 19 (4): 719-27.

Primo AFC. A contribuição de oficinas lúdicas para a socialização de crianças de 07 a 10 anos na escola Elizete Paulino Teixeira. 2015. Disponível em: < http://www.webartigos.com/artigos/a-contribuicao-de-oficinas-ludicas-para-a-socializacao-de-criancas-de-07-a-10-anos-na-escola-e-e-lizete-paulino teixeira/136910/ > Acesso em: 25 out.2016.

Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Paz e Terra, São Paulo, 2011.

SANTOS, FPA. et al. Estratégias de enfrentamento dos dilemas bioéticos gerados pela violência na escola. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro. 2011; 21 (1): 267-281.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Manual de orientação: alimentação do lactente, alimentação do pré-escolar, alimentação do escolar, alimentação do adolescente, alimentação na escola. Departamento de Nutrologia, São Paulo, 2006.

Pucci, B. Adorno: o Poder Educativo do Pensamento Crítico. Vozes, Petrópolis, Rio de Janeiro, 1999.

Sanchez, CM. Perfil do Conhecimento dos Cuidadores de uma Creche Pública sobre os Hábitos de Higiene Bucal, UNIVAG, Várzea Grande, MT. 2010.

Frota, MA. Educação popular em saúde no cuidado à criança desnutrida. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis. 2007; 16 (2): 246-253. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2016.

Jara, HO. Para sistematizar experiências. MMA, nova estratégia de racionalização das ações e serviços em saúde no Brasil. 2ed. Brasília, DF. 2006.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Policy Statement. Organizational principles to guide and define the child health care system and/or improve the health of all children. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

Costa, LCF.; Vasconcelos, FAG.; Corso, ACT. Fatores associados ao consumo adequado de frutas e hortaliças em escolares de Santa Catarina. Cad. Saúde Púb; Rio de Janeiro, 2012; 28 (6): 1133-42.

Domingos, PAS.; Ribeiro, DG.; Dinelli, W., Staufackar, CA.; Campos, JADB. Aspectos epidemiológicos da saúde bucal de crianças em município brasileiro. Arq. Odontol. 2010; 45 (2).

Ferreira, ML; Monteiro, MFV; Silva, KVL.; Almeida, VCF.; Oliveira, JD. Uso do brincar no cuidado à criança hospitalizada: Contribuições à enfermagem pediátrica. Ciências Cuid. Saúde. 2014 b; 13 (2): 350-356.

REDE NACIONAL DA PRIMEIRA INFÂNCIA. Ansiedade Infantil. Jun. 2015. Disponível em: < http://primeirainfancia.org.br/ansiedade-infantil/> Acesso em: 07 nov. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2182



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________