Terapia Ocupacional em Saúde da Mulher: Impacto dos sintomas do climatério na atividade profissional

Emanuelle Comparim Cardoso, Maria José Gugelmin de Camargo

Resumo


O climatério é um processo natural na vida das mulheres, no qual muitas passam sem queixas, outras apresentam sintomas que variam em sua intensidade e diversidade. Sabe-se, também que os distúrbios do comportamento presentes neste processo são influenciados pelas características sociais e pessoais de cada mulher1-2. Além das alterações biopsicossociais presentes no climatério há ainda as exigências relacionadas a atividade de trabalho, a qual é foco deste estudo, cujo objetivo é compreender quais os impactos do período do climatério no desempenho da atividade profissional. Esta pesquisa caracteriza-se como um estudo qualitativo do tipo descritivo. O estudo qualitativo permite que as participantes da pesquisa falem por si, levando o pesquisador a compreender o significado do fenômeno estudado3, ou seja, a relação entre o climatério, seus sinais e sintomas, e o desempenho na atividade profissional, na perspectiva de funcionárias da maternidade de um hospital universitário. Participaram da pesquisa nove funcionárias de diferentes setores da maternidade, com idade entre 45 a 59 anos. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados um roteiro de entrevista semiestruturado elaborado pela própria pesquisadora. Para análise de informações foi utilizada a técnica de análise de conteúdo de Bardin (2009)4, da qual obteve-se duas categorias principais denominadas: "Compreensão do climatério" e "Impactos na atividade de trabalho". Pode-se compreender através dos relatos que há impacto decorrente dos sintomas do climatério na atividade de trabalho, e que modificações nesta atividade beneficiariam as participantes.

Palavras-chave


Climatério; Saúde da Mulher; Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2008.

Zampieri MFM, Tavares CMA, Hames MLC, Falcon GS, Silva AL, Gonçalves LT. O processo de viver e ser saudável de mulheres no climatério. Revista de Enfermagem. 2009; 13: 305-312.

Moreira H. As perspectivas da pesquisa qualitativa para as políticas públicas. 2002; 10: 235-246.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal. 2009.

Instituto brasileiro de geografia e estatística - IBGE. Censo demográfico 2010: primeiros resultados da amostra. Disponível em: Acesso em: 23 de jun. de 2015.

Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Climatério - FEBRASGO. Manual de orientação. São Paulo (SP). 2004.

Cardoso MR, Camargo MJG. Percepções sobre as mudanças nas atividades cotidianas e nos papéis ocupacionais de mulheres no climatério. Caderno de Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos. 2015; 23: 553-569.

Aota. Occupational therapy practice framework: domain and process (3rd ed.) American JournalofOccupationalTherapy, 68 (suppl1.). Traduzido para o português por Cavalcanti A (UFTM), Dutra FCM (UFTM) e CarliElui VM (UFTM-USP); autorizada para publicação em português, acesso aberto na Revista de Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo.2015; 26: 6-22.

Rosa DS, Brançam GS. A intervenção grupal como recurso da Terapia Ocupacional: Uma experiência com mulheres climatéricas. Caderno de Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos. 2013; 21: 423-428.

Lorenzi DRS, Catan LB, Moreira K, Ártico GR. Assistência à mulher climatérica: Novos paradigmas. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009;62:287-293.

Câmara RH. Analise de conteúdo: da teoria a prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia. 2013;6:179-191.

Fernandes LA, Gomes JMM. Relatórios de pesquisas nas ciências sociais: características e modalidades de investigação. ConTexto, Porto Alegre. 2003;3:1-23.

Valença CN, Azevêdo LMN, Malveira FAS, Germano RM. Conhecendo a si mesma: olhares femininos sobre menopausa e climatério. Revista deEnfermagem – UFPE. 2010;4:792-801.

Vigeta SMG, Brêtas ACP. A experiência da perimenopausa e pós-menopausa com mulheres que fazem uso ou não da reposição hormonal. Cad Saúde Púb[periódico na internet]. 2004; 20:1682-89.

Barra AA, Albergaria DA, Mariano FM, Dantas JB, Pinto KMC, Resende NM. Terapias alternativas no climatério. Femina. 2014;42:27-31.

Botero JP. Efeitos de um programa de treinamento de força sobre variáveis da composição corporal, concentrações plasmáticas de leptina e resistina e qualidade de vida em mulheres pós menopáusicas. [dissertação]. Universidade Federal de São Carlos. 2010.

Senço NM, Venezian JA, Abduch M, Cordeiro Q, Gouvêa ES. A saúde mental dos profissionais de saúde. Rev. Trabalho e Saúde Mental dos Profissioanis da Saúde. 2016; 143-155




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2273



Direitos autorais 2017 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________