Contribuições da equipe de saúde bucal para o acolhimento em uma Unidade de Saúde da Família: Relato de Experiência

Arthur Igor Cruz Lima, Marcos Vinicius de Santana Silva, Juliane Kely Fagundes Silva, Taiana Cristine de Souza Pacheco

Resumo


A Estratégia de Saúde da Família (ESF) tem como objetivo principal reorganizar a Atenção Básica de acordo com os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) visando expandir, qualificar e consolidar a Atenção Primária reorganizando o processo de trabalho, ampliando a resolutividade e causando impacto positivo na saúde de indivíduos e comunidades. No Brasil, o conceito de Acolhimento atende aos requisitos básicos da estratégia em Saúde a partir da implantação da Política Nacional de Humanização (PNH), que repensa o modelo de gestão do SUS. O acolhimento perpassa desde o acesso inicial do usuário no sistema até a resolução das suas questões de saúde. Em Saúde Bucal, o acolhimento é uma ferramenta capaz de direcionar a organização e o planejamento das atividades garantindo o acesso da demanda espontânea, urgências e necessidades cotidianas da população. O objetivo deste trabalho é relatar a experiência das contribuições da equipe de saúde bucal para o acolhimento diário em uma unidade de saúde da família (USF) em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, no estado da Bahia.

Palavras-chave


Saúde bucal; atenção primária à saúde; Acolhimento; sistema único de saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Humaniza SUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

Carvalho CAP, Marsicano JA, Carvalho FS, Sales-Peres A, Bastos JRM, et al. Acolhimento aos usuários: uma revisão sistemática do atendimento no Sistema Único de Saúde. Arq Ciênc Saúde. 2008 Abr/Jun; 15(2):93-95.

Baraldi DC, Souto BGA. A demanda do acolhimento em uma unidade de saúde da família em São Carlos, São Paulo. Arq Bras Cienc Saúde. 2011 Mai; 36(1):10-17.

Ministério da Saúde (BR), Cadernos de Atenção Básica, n. 28, volume 2. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Moimaz SAS, Bordin D, Fadel CD, Santos CB, Garbin CAS, Saliba NA. Qualificação do acolhimento nos serviços de saúde bucal. Cad saúde colet. 2017; 25(1):1-6.

Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 1999; 15(2):345-53.

Silva TF, Romano VF. Sobre o acolhimento: discurso e prática em Unidades Básicas de Saúde do município do Rio de Janeiro. Saúde Debate. 2015; Abr/Jun; 39(105):363-374.

Ministério da Saúde (BR), Cadernos de Atenção Básica, n. 17, Saúde bucal. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Ministério da Saúde (BR), Atenção Básica, Atenção Primária à Saúde, Promoção da Saúde, Acolhimento à demanda espontânea volume 1. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Ministério da Saúde (BR). Atenção Básica, Atenção Primária à Saúde, Vigilância em Saúde, Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Scholze AS. Acolhimento com classificação de risco para a Estratégia Saúde da Família: a prática em uma unidade docente-assistencial. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014; Abr/Jun. 9(31):219-226.

Albuquerque MSV, Lyra TM, Farias SF, Mendes MFM, Martelli PJL. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde Debate. 2014; Out. 38(n. especial):182-194.

Donabedian A. An introduction to quality assurance in health care. New York: Oxford University, 2003.

Arona EC. Implantação do matriciamento nos Serviços de Saúde de Capivari. Saúde e Sociedade. 2009; 18(1):26-36.

Moimaz SAS, Bordin D, Fadel CB, Santos CB, Garbin CAS, Saliba NA. Qualificação do acolhimento nos serviços de saúde bucal. Cad Saúde Colet. 2017; 25(1):1-6.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v13i3.2540



Direitos autorais 2020 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________