Percepções e saberes da equipe de saúde e de familiares de crianças menores de dois anos sobre a atenção em saúde bucal infantil na Atenção Primária a Saúde

Caroline Longaray de Oliveira, Maria Lucia Medeiros Lenz, Roberta Garcia, Daniel Demétrio Faustino-Silva

Resumo


A Unidade de Saúde (US) Nossa Senhora Aparecida (NSA) realiza o acompanhamento de Puericultura com consultas individuais e coletivas focando no trabalho multidisciplinar. Sabe-se que a atenção odontológica na primeira infância tem grande relevância, à medida que ocorrem diversas mudanças na cavidade oral nesse período. Sendo assim, orientações referentes aos cuidados com higiene bucal, alimentação saudável e hábitos deletérios são de responsabilidade de toda a equipe. Assim, o objetivo desse estudo foi avaliar a percepção e o conhecimento dos familiares de crianças menores de 2 anos de idade e profissionais de saúde da US NSA sobre a importância da atenção à saúde bucal nesse período. Essa foi uma pesquisa qualitativa do tipo descritiva exploratória, cujas informações foram coletadas em grupos focais, sendo um grupo com os profissionais de saúde da equipe e outro com familiares que compareceram apenas às consultas individuais de puericultura; entrevistas individuais em profundidade foram realizadas com familiares que compareceram às consultas coletivas. Os resultados obtidos nesse estudo sugerem que o conhecimento de pais e responsáveis de crianças menores de 2 anos e profissionais de saúde acerca dos cuidados com a saúde bucal no primeiro ano de vida ainda é bastante empírico e permeado pelas experiências individuais e familiares que ambos vivenciam. Dessa forma, reforça-se a necessidade de realização de ações educativas sistemáticas para os profissionais de saúde e a importância da abordagem familiar ao usuário visando melhor compreensão do seu contexto, hábitos e valores, a fim de promover ações preventivas e educativas com maior efetividade.

Palavras-chave


Saúde da Criança.Saúde bucal. Pesquisa qualitativa. Atenção Primária à Saúde. Saúde Materno-Infantil.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais. Tábua completa de mortalidade para o Brasil. Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil. 2015 [acesso em 10 ago de 2017]. Disponível em:

MACAMBIRA DSC, CHAVES ES, COSTA EC. Conhecimento de pais/cuidadores sobre saúde bucal na infância. Rev Saúde e Pesq. 2017; 10(3): 463 – 472.

CAMPOS RMC et al. Consulta de enfermagem em puericultura: a vivência do enfermeiro na Estratégia de Saúde da Família. Rev. esc. enferm. USP. 2011; 45(3):566-574.

VIDAL VUA. Puericultura e autonomia das mães: uma relação possível? Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011. 115f.

LENZ ML, FLORES R. Atenção à saúde da criança de 0 a 12 anos. 2. ed. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição S.A; 2014.

FAUSTINO-SILVA DD et al. Cuidados em saúde bucal na primeira infância: percepções e conhecimentos de pais ou responsáveis de crianças de um centro de saúde de Porto Alegre, RS. Revista Odonto Ciência. 2008; 23(4): 357 – 379.

FIRMINO LB, GOULART RR, BAVARESCO CS. Conhecimento em Saúde Bucal da criança e sua aplicação na prática de médicos de família. Rev APS. 2017; 290 (4): 587 – 591.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. A Saúde Bucal no Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 350 p. : il.

HANNA LMO, NOGUEIRA AJS, HONDA VYS. Percepção das gestantes sobre a atenção odontológica precoce nos bebês. RGO. 2007; 55 (3): 271 -274.

DOS REIS ML, LUVISON IR, FAUSTINO-SILVA DD. Conhecimentos, práticas e atitudes de medicos e enfermeiros sobre saúde bucal na puericultura na APS.RFO. 2015; 20 (2): 164 – 171.

AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRIC DENTISTRY (AAPD). Guideline on Infant Oral Health Care. nique challenges and treatment options. Pediatric Dentistry. 2014; 35 (6): 137-141.

HUGO FN, ROSING CK, ARAUJO FB. Consenso do Simpósio sobre Riscos e Benefícios de Dentifrícios Fluoretados na Primeira Infância. Rev Fac Odontol. 2012; 53 (3): 41-42.

CURY, J. A. Uso de dentifrício fluoretado na 1ª Infância. JABO. 2013; 146.

OLIVEIRA MJ et al. Estimated fluoride doses from toothpastes should be based on total soluble fluoride. International Journal of Environmental Research and Public Health. 2013; 10 (11): 5726-5736.

BRASIL. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Gerência de Saúde Comunitária. Apoio Técnico em Monitoramento e Avaliação. Sistema de Informações em Saúde do Serviço de Saúde Comunitária (SIS-SSC/GHC). Boletim Informativo Mensal. dez. 2018. mímeo. contato:frui@ghc.com.br

BRASIL. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição. Serviço de Saúde Comunitária. Apoio Técnico em Monitoramento e Avaliação. Atenção à Saúde da Criança de 0 a 12 anos – 3° edição. Hospital Nossa Senhora S.A. 2018.

MELO PSL, ARAÚJO WP.Grupo focal na pesquisa em educação. 2010 [ [aceso em 20 ago de 2017]. Disponível em: http://leg.ufpi.br/subsiteFiles/ppged/arquivos/files/VI.encontro.2010/GT.3/GT_03_10_2010.pdf

BARBOUR R. Grupos Focais. Artmed, Porto Alegre, 2010.

BARDIN L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP). Edições 70. 2011.

GUARIENTI CA, BARRETO VC, FIGUEIREDO MC. Conhecimento dos Pais e Responsáveis Sobre Saúde Bucal na Primeira Infância. Pesq Bras em Odontoped e Clín Integr. 2009; 9 (3): 321 – 325.

CANALLI CSE. Fatores associados à cárie dentária: uma pesquisa qualitativa na bebê-clínica da UNIGRANRIO/RJ. Rev Rede Cuid Saúde. 2010. ISSN-1982-6451

MEDEIROS LF. Porque crianças com menos de 5 anos ainda tem cárie no Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ODONTOPEDIATRIA. 2015. Relatório de Simpósio.

FILHO MDS, CARVALHO GDF, MARTINS MCC. Consumo de alimentos ricos em açúcar e cárie dentária em pré-escolares. Arq em Odontol. 2010; 46 (3): 152 – 159.

CURY JA, TENUTA LMA. A evidence-based recommendation on toothpaste use. Brazilian Oral Res. 2014; 28 (esp): 01 – 07.

DEMARI S et al. Avaliação do conhecimento sobre higiene bucal dos responsáveis por crianças de 0 – 6 anos de idade. FOL. 2016; 26 (1): 11 – 18.

SOARES IMV, SILVA AMRB, MOURA LFAD, LIMA MDM, NETTO OBS, MOURA MS. Conduct of pediatricians in relation to the oral health of children. Rev Odontol Unesp. 2013; 42 (4): 266 - 272.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v13i3.2613



Direitos autorais 2020 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________