A estratégia saúde da família no município de São Luís: avanços e desafios.

Lídia Saldanha Nicolau

Resumo


de saúde a partir da Atenção Básica, com integração das ações programáticas e de demanda espontânea, articulando ações de promoção e vigilância à saúde, prevenção e tratamento de agravos, abordadas de forma interdisciplinar, inseridos em uma rede de
serviços que se configura como a porta de entrada do Sistema de Saúde. Dessa forma, ampliando a possibilidade de obter atendimento com qualidade e resolutividade, o que viabiliza o acesso universal caracterizando a territorialização, espaço onde se concretiza
a interação e intervenção. O objetivo geral deste estudo é analisar a implantação da Estratégia Saúde da Família, no município de São Luís, no período de agosto de 2007 a abril de 2008, segundo os seus princípios. Trata-se de um estudo exploratório descritivo que foi desenvolvido em duas etapas. Na primeira, foi utilizado fonte de dados secundários do Sistema de Informação da Atenção Básica. As informações possibilitaram definir a população do estudo, assim como o número das equipes cadastradas, e a população adscrita a cada equipe. Na segunda etapa, foi realizada a coleta dos dados primários por meio de entrevistas com os profissionais das equipes de Saúde da Família e os gestores das Unidades Básicas de Saúde. O estudo revelou que a
implantação da Estratégia Saúde da Família no município de São Luís foi lenta, se fortalecendo em 2002 a partir do incentivo financeiro do Ministério da Saúde. Ocorreram avanços na distribuição geográfica das equipes de Saúde da Família nos Distritos Sanitários que favoreceram o princípio da equidade. A maioria dos profissionais tinha mais de um ano na equipe, especialização em área afim à Atenção Básica. Chama a atenção o desconhecimento da população adscrita por 24,2% dos
entrevistados. O município de São Luís tem 46% de suas equipes responsáveis por mais de 4.000 habitantes. A interdisciplinaridade no atendimento aos usuários demonstrou que ainda persiste o cuidado individualizado, focado na doença, com atendimento baseado na demanda espontânea, pouca ênfase nas ações educativas e de diagnóstico epidemiológico e no planejamento, comprometendo o princípio da integralidade. O monitoramento sistemático das ações desenvolvidas pelas equipes pode contribuir para que a Estratégia Saúde da Família se consolide realmente como uma proposta de reorientação do modelo de saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v3i2.737



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________