Práticas de monitoramento e avaliação: reflexões e resultados de um processo de cooperação interfederativo.

Autores

  • André Luis Bonifácio de CARVALHO Universidade Federal da Paraíba/DPS/CCM/ Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa/ Ministério da Saúde.
  • Isabel Maria Vilas Boas SENRA Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa / Ministério da Saúde.
  • Kátia Cristina de OLIVEIRA Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa / Ministério da Saúde.
  • Oswaldo Yoshimi TANAKA
  • Eronildo FELISBERTO
  • Cinthia Kalyne de Almeida ALVES
  • Edson Mamoru TAMAKI

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v5i4.1064

Resumo

O presente artigo trata dos desafios de se institucionalizar as práticas de Monitoramento e Avaliação no âmbito da Gestão do Sistema Único de Saúde, tendo como base a construção de processos de cooperação organizado a partir das ações do Gestor Federal, na perspectiva de qualificar o espaço da relação interfederativa. Apresentamos uma breve revisão da literatura, fazemos a contextualizando do espaço estratégico inerente a Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa e o atual processo da gestão do SUS, que tem como base o Pacto pela Saúde, como também aspectos teóricos e operacionais inerentes as práticas do monitoramento e avaliação. A abordagem relacionada ao processo de cooperação tem como destaque a realização de encontros temáticos como dispositivos estratégicos para a identificação de necessidades e o mapeamento de abordagens inerentes as práticas e processos de monitoramento e avaliação no sentido de atender as especificidades nas diferentes esferas de gestão e tendo como base um amplo processo de cooperação envolvendo, além dos gestores, as instituições de ensino e pesquisa e organizações internacionais.

Downloads

Publicado

2011-12-31

Como Citar

CARVALHO, A. L. B. de, SENRA, I. M. V. B., OLIVEIRA, K. C. de, TANAKA, O. Y., FELISBERTO, E., ALVES, C. K. de A., & TAMAKI, E. M. (2011). Práticas de monitoramento e avaliação: reflexões e resultados de um processo de cooperação interfederativo. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 5(4), pg. 167-182. https://doi.org/10.18569/tempus.v5i4.1064

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS