Do imaginário ao real: mitos e medos acerca do parto normal.

Autores

  • Denismar Borges Miranda Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica
  • Juliana Reis Mendonça
  • Priscila da Matta Santos Vieira
  • Maria Eliane Liégio Liégio Matão

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1566

Resumo

Objetivo: conhecer mitos e medos relacionados ao parto normal segundo primigestas ao término da gestação, e a confirmação ou não destes mitos e/ou medos durante o puerpério tardio. Método: trata-se de pesquisa descritiva com abordagem qualitativa utilizando a técnica de entrevista aberta em profundidade e aplicação de questionários em dois momentos distintos: inicialmente na condição de gestante e posteriormente como puérperas. Os dados foram levantados em uma maternidade pública na cidade de Goiânia após aprovação do comitê de ética em pesquisa (0004.0.168.000-08); análise de conteúdo foi estabelecida para identificação das categorias temáticas. Resultados: emergiram três categorias: A chegada de um bebê, O verdadeiro significado do parto normal e Mitos e medos que permeiam o nascimento. Conclusão: a dor foi identificada como principal fator cultural que interfere na escolha pelo tipo de parto em primigestas. E o parto normal esteve associado à desmistificação acerca do nascimento pelas puérperas.

Biografia do Autor

Denismar Borges Miranda, Coordenação Editorial - Editora Executiva - Editora Associada Tecnologia da Informação, Educação e Comunicação em Saúde - Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Publica

Professora adjunta do Departamento de Saúde Coletiva, da Universidade de Brasília (UnB). Possui doutorado em Ciência da Informação pela UnB, mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Administração da Comunicação Empresarial e graduação em Jornalismo e Relações Públicas. Atualmente é coordenadora do Centro de Tecnologias Educacionais Interativas em Saúde, da Faculdade de Ciências da Saúde (CENTEIAS/FS) e pesquisadora colaboradora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública da UnB (NESP/CEAM/UnB), onde coordena a Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Informação em Comunicação em Saúde Coletiva (CNPq-Brasil). Foi consultora em projetos de inclusão digital para o Ministério das Comunicações. Tem experiência nas áreas das Ciências da Informação e da Comunicação com ênfase em Comunicação da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: informação e comunicação em saude, tecnologias da informação e comunicação em saúde, inclusão digital, alfabetização em informação e em comunicação, redes sociais e ensino a distância.

Referências

Miranda DB, Bortolon FCS, Matão MEL, Campos PHF. Parto normal e cesária: representações de mulheres que vivenciaram as duas experiências. Rev eletrônica enferm [Internet]. 2008 [cited 2013 Jan 13;10(2):337-46. Available from: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/8032/5811.

Tedesco RP, Maia Filho NL, Mathias L, Benez AL, Castro VCL, Bourroul GM et al. Fatores determinantes para as expectativas de primigestas acerca da via de parto. Rev bras ginecol obstet [Internet]. 2004 [cited 2013 Jan 23];26(10):791-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v26n10/22906.pdf.

Almeida NAM, Martins CA, Vasconcelos KL, Rios CHA, Lucas EA, Machado EA et al. A humanização do cuidado à parturição. Rev eletrônica enferm [Internet]. 2005 [cited 2012 Dec 20];7(3):355-9. Available from: https://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/892/1077.

Monteiro MAA, Tavares TJL. A prática do grupo de gestantes na efetivação da humanização do parto. Rev RENE [Internet]. 2004 [cited 2012 Oct 22];5(2):73-8. Available from: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/926/pdf.

Martins CA, Almeida NAM, Souza MA, Cande TA, Siqueira KM, Barbosa MA. Casas de parto: sua importância na humanização da assistência ao parto e nascimento. Rev eletrônica de enferm [Internet]. 2005 [cited 2013 feb 03];7(3):360-5. Available from: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/891/1075.

Vaucher ALI, Durman S. Amamentação: crenças e mitos. Rev eletrônica enferm [Internet]. 2005 [cited 2013 Jan 03];7(2):207-14. Available from: http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/881/1055.

Brasil. Resolução no 466, de 12 de dezembro e 2012 [Internet]. Brasil; 2012 [cited 2013 jul 10]. Available from: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Beck CLC. Gonzales RMB. Leopardi MT. Detalhamento da fenomenologia. In: Leopardi MT. Metodologia da pesquisa na saúde. Santa Maria: Pallotti; 2001:187-209.

Bardin l. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Casagraf, 2007.

Hotimsky SN, Rattner D, Venancio SI, Bógus CM, Miranda MM. O parto como eu vejo...ou como eu o desejo? Expectativas de gestantes, usuárias do SUS, acerca do parto e da assistência obstétrica. Cad saúde pública [Internet]. 2002 [cited 2014 jan 05];18(5):1303-11. Available from:http://www.scielo.br/pdf/csp/v18n5/11003.pdf.

Mota EM, Oliveira MF, Victor JF, Pinheiro AKB. Sentimentos e expectativas vivenciados pelas primigestas adolescentes com relação ao parto. Rev rene [Internet]. 2011 [cited 2013 ago 15];12(4)692-8. Available from: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/284/pdf.

Gurgel AH, Cruz NL. Fenômeno da dor no trabalho de parto: depoimentos de parturientes.Rev baiana enferm. 1997;10(1/2):71-94.

Osava RH, Mamede MV. A assistência ao parto ontem e hoje: a representação social do parto. J bras ginecol. 1995;105(1/2):3-9.

Mandarino NR, Chein MBC, Monteiro Júnior FC, Brito LMO, Lamy ZC, Nina VJS et al. Aspectos relacionados à escolha do tipo de parto: um estudo comparativo entre uma maternidade pública e oputra privada, em São Luís, Maranhão, Brasil. Cad saúde pública [Internet]. 2009 [cited 2013 feb 20];25(7):1587-96. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n7/17.pdf.

Capra F. O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix, 1982. 135p.

Rattner D. Sobre a hipótese de estabilização das taxas de cesárea do Estado de São Paulo, Brasil. Rev saúde pública [Internet]. 1996 [cited 2013 jan 27];30(1):19-33. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v30n1/5039.pdf.

Heymans H, Winter ST. Fears during pregnancy and interview study of 200 postpsrtum

women. Israel j medical sciences.1975;11(11):1102-5.

Azevedo KR, Arrais AR. O mito da mãe exclusiva e seu impacto na depressão pós-parto. Psicologia: reflexão e crítica. 2006;19(2):269-76.

Camara MFB, Medeiros M, Barbosa MA. Fatores sócio-culturais que influenciam a alta incidência de cesáreas e os vazios da assistência de enfermagem. Rev. Eletr. Enf. [Internet] 2000;2(1). [cited 2013 july 22]. Available from:http://www.fen.ufg.br/revista/revista2_1/Cesarea.html.

Ferreira AGN, Ribeiro MM, Dias LKS, Ferreira JGN, Ribeiro MA, Ximenes Neto FRG. Humanização do parto e nascimento: acolher a parturiente na perspectiva dialógica de Paulo Freire.Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2013 [cited 2013 Jun 02];7(5):1398-405. Available from:http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/3721/pdf_2531.

Downloads

Publicado

2014-12-24

Como Citar

Miranda, D. B., Mendonça, J. R., Vieira, P. da M. S., & Matão, M. E. L. L. (2014). Do imaginário ao real: mitos e medos acerca do parto normal. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 8(3), Pág. 95-108. https://doi.org/10.18569/tempus.v8i3.1566

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS