A formação médica na produção de redes de cuidado e de educação em saúde: Reflexões a partir da Experiência da Saúde Coletiva do Curso de Medicina da UFFS/PF

Autores

Palavras-chave:

formação médica, produção de redes, saúde coletiva.

Resumo

Este artigo busca compartilhar a experiência de produção de Redes de Cuidado e de Educação em/na saúde a partir da criação e implantação do Curso de Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul no contexto integrado ao Programa Mais Médicos para o Brasil em especial, da Saúde Coletiva e refletir sobre as potencialidades e os desafios presentes nesse processo de construção destas redes. Essas experiências em curso foram analisadas com base em documentos, tais como relatórios, atas de reuniões e demais registros de avaliações e planejamentos realizados durante a implantação, entre julho de 2013 agosto de 2015. Os resultados indicam que o processo de implantação do Curso de Medicina, no Plano de Expansão das Escolas Médicas pautada nas Novas Diretrizes Nacionais Curriculares vem produzindo redes de cuidado e de educação em/na saúde nos estados do Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Biografia do Autor

Vanderléia Laodete Pulga, Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Passo Fundo RS

Curso de Medicina UFFS/PF Docente de Saúde Coletiva

Felipe Silveira da Costa, Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Passo Fundo RS

Curso de Medicina Universidade Federal da Fronteira Sul Docente de Saúde Coletiva, médico de Família e Comunidade e Tutor do Programa Mais Médicos da UFFS

Ardigò Martinó, Universidade de Bolonha - UNIBO

Pesquisador na Universidade de Bolonha (Universitá di Bologna) e professor convidado da UFFS no curso de Medicina UFFS/PF

Alexandre Amorim, Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Passo Fundo RS

Curso de Medicina Universidade Federal da Fronteira Sul-PF, Docente de Saúde Coletiva,Médico de Família e Comunidade, Tutor do Programa Mais Médicos pela UFFS

Alessandra Charney, Universidade Federal da Fronteira Sul

Médica de Família e Comunidade e Tutora do Programa Mais Médicos da UFFS/PF

Júlio Cesar Stobbe, Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Passo Fundo RS

Curso de Medicina Universidade Federal da Fronteira Sul, Médico, mestre e doutor, Coordenador do Curso de Medicina da UFFS/PF e do Programa Mais Médicos da UFFS.

Referências

Arroyo M. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de estudantes e mestres. Petrópolis: Vozes;2004.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Gráfica do Senado; 1988.

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 1996 dez. 23.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.607, de 10 de dezembro de 2004. Aprova o Plano Nacional de Saúde/PNS – Um Pacto pela Saúde no Brasil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2004 dez. 10.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório final da 1ª Conferência Mundial sobre o Desenvolvimento de Sistemas Universais de Seguridade Social. Brasília; 2012.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Superior. Portaria nº 109, de 05 de junho de 2012. Dispõe sobre a expansão de vagas em cursos de Medicina e criação de novos cursos de Medicina nas Universidades Federais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2012 jun. 8.

Brasil. Presidência da República, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2013 out. 23.

Brasil. Conselho Nacional de Educação, Camara Nacional de Educação. Resolução 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2014 jun. 23.

Boff L. Ética da vida. Brasília: Letraviva; 1999.

Boff L. Saber cuidar: ética do humano. Petrópolis: Vozes; 1999.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu). 2005; 9(16): 161-77.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: descentralização e disseminação de capacidade pedagógica na saúde. Ciência e Saúde Coletiva. 2005; 10(4): 975-86.

Ceccim RB, Carvalho YM. Formação e educação em saúde: aprendizados com a saúde coletiva. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond M Jr, Carvalho YM, organizadores. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006.

Ceccim RB, Ferla AA. Educação permanente em saúde. In: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, organizadora. Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; 2006.

Ceccim RB, Feuerwerker LCM. O quadrilátero da formação para a área da saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva. 2004; 14(1): 41-65.

Ferla AA. Clínica em movimento: cartografia do cuidado em saúde. Caxias do Sul: EDUCS; 2007.

Ferla AA et al. Pesquisando no cotidiano do trabalho na saúde: aspectos metodológicos e de formatação para elaboração de projetos de informação científica e tecnológica em saúde. Porto Alegre: Grupo Hospitalar Conceição, 2008.

Freire P. Reflexão crítica sobre as virtudes da educadora ou do educador. Buenos Aires (Argentina): CEAAL; 1966.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1985.

Freire P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra; 1992.

Freire P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho d’Água; 1995.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Freire P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP; 2000.

Gramsci A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 1982.

Marx K. Manuscritos econômico-filosóficos. Lisboa (Portugal): Edições 70; 1975.

Marx K. Contribuición a la economia política. San Ángel (México): Siglo Veintiuno; 1986.

Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor saúde. Interface (Botucatu). 2000; 4(6): 109-16.

Merhy EE. Saúde: cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2002.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes; 1994.

Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de odontologia e a interação com o SUS. São Paulo: Abeno; 2001.

Stotz EN. Enfoques sobre educação e saúde. In: Valla VV, Stotz EN, organizadores. Participação popular, educação e saúde: teoria e prática. Rio de Janeiro: Relume Dumará; 1993.

Stotz EN. Os desafios para o SUS e a educação popular: uma análise baseada na dialética da satisfação das necessidades de saúde. In: Rocha CMF, Santos L, Bilibio LFS, Ceccim RB, Feuerwerker HAP, organizadores. Ver-SUS Brasil: cadernos de Textos. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Stotz EN, Valla VV, organizadores. Participação popular, educação e saúde: teoria e prática. Rio de Janeiro: Relume-Dumará; 1993.

Stotz EN, David HMSL, Boldsntein VJ. Educação Popular em Saúde. In: Martins CM, organizadora. Educação & Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2007.

Valla VV. Saúde e Educação. Rio de Janeiro: DP&A; 2000.

Valla VV. Procurando compreender a fala das classes populares. In: Valla VV, organizador. Saúde e Educação. Rio de Janeiro: DP&A; 2000.

Valla VV, organizador. Classes populares no Brasil: exercícios de compreensão. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2011.

Vasconcelos EM. A saúde nas palavras e nos gestos: reflexões da rede educação popular e saúde. São Paulo: Hucitec; 2001.

Vasconcelos EM, Cruz PJSC. Educação Popular na Formação Universitária: reflexões com base em uma experiência. São Paulo: Hucitec; 2011.

Downloads

Publicado

2015-12-31