Saúde e Sustentabilidade: desafios conceituais e alternativas metodológicas para a análise de sistemas locais de Segurança Alimentar e Nutricional.
PDF

Palavras-chave

Sustentabilidade
Segurança Alimentar e Nutricional e Desenvolvimento

Como Citar

Burlandy, L., Maluf, R., Magalhães, R., Reis, M., Mafra, L., & Frozi, D. (2015). Saúde e Sustentabilidade: desafios conceituais e alternativas metodológicas para a análise de sistemas locais de Segurança Alimentar e Nutricional. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(3), Pág. 55-70. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1786

Resumo

Processos de desenvolvimento sustentáveis envolvem estratégias cooperativas, diálogo interdisciplinar e articulação intersetorial. O foco exclusivo em setores ou aspectos isolados da dinâmica social dificilmente será capaz de apoiar a conformação de sistemas de governança capazes de enfrentar os novos desafios. Buscando analisar experiências e resgatar aprendizados em torno da implementação de ações públicas intersetoriais, este trabalho apresenta os pressupostos metodológicos do enfoque sistêmico na análise da implementação de Sistemas Locais de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) e sua relação com o debate sobre modelos de desenvolvimento sustentável. Na definição desses pressupostos, leva-se em consideração o contexto (bioma, densidade sócio-organizacional, reprodução socioeconômica das famílias e institucionalidade), as condições de SAN das famílias e o sistema alimentar, tendo em conta quatro dimensões de análise: intersetorialidade, descentralização, participação e equidade. São exploradas as interfaces e correlações existentes entre a promoção de sistemas descentralizados de SAN e modelos sustentáveis de desenvolvimento. Por último, é proposto um modelo de referência para o acompanhamento de processos de tomada de decisão e conformação de desenhos organizacionais capazes de promover diálogo e contornar conflitos de interesses.
https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1786
PDF

Referências

. Anjos, L. A., Burlandy, L Construção do conhecimento e formulação de políticas públicas no Brasil na área de Segurança Alimentar e Nutricional. C S Col 2010; 15 (1): 19-30.

. Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei N0 11.346 de 15 de setembro de 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – SISAN com vista a assegurar o direito humano á alimentação adequada e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2006.

. Pinheiro, A.R. O. Análise histórica do processo de formulação da política nacional de segurança alimentar e nutricional (2003-2006): atores, idéias, interesses e instituições na construção do consenso político. Tese defendida no Programa de Pós- graduação em política social. Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Doutor em política social; 2009.

. Pessanha, L. Santos, C.V. Mitchell, P.V. Indicadores para avaliar a Segurança Alimentar e Nutricional e a garantia do Direito Humano à Alimentação: metodologia e fontes de dados. Trabalho apresentado no XVI Encontro Nacional de Estudos populacionais. Caxambu, 2008.Disponível em www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/.../ABEP2008_1489.pdf

. Santos, S, M.C. e Santos, L.M.P. Avaliação de políticas públicas de segurança alimentar e combate à fome no período de 1995-2002. Abordagem metodológica. Cad. Saúde Pública, 23 (5):1029-1040, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n5/05.pdf

. Correa, A.M.S. Leon, L.M; Sampaio, M.F.A. Panigassi, G; Escamilla, R.P. Insegurança Alimentar no Brasil; do desenvolvimento de instrumentos de medida aos primeiros resultados nacionais. IN Paes-Sousa, R & Vaitsman, J. Avaliação de políticas e programas do MDSResultados. Vol 1 Segurança Alimentar e Nutricional. Brasília: SAGI/MDS, 2007.

. Burlandy, L; Magalhães, R & Maluf, R (coords). Construção e promoção de sistemas locais de segurança alimentar e nutricional: aspectos produtivos, de consumo, nutricional e de políticas públicas. Série Relatórios Técnicos 3. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ, 2006. Disponível em http://www.ufrrj.br/cpda/ceresan/docs/relatoriotecnico3.pdf.

. Hartz Z.M.A., organizador. Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2000. p. 49-88.

. Viacava, F. et al. Uma metodologia de avaliação do desempenho do sistema de saúde brasileiro. Ciênc. saúde coletiva, Set 2004, vol.9, no.3, p.711-724. Disponível em http://www.scielosp.org/pdf/csc/v9n3/a16v09n3.pdf.

. Viacava, F. et al. Uma metodologia de avaliação do desempenho do sistema de saúde brasileiro. Ciênc. saúde coletiva, Set 2004, vol.9, no.3, p.711-724. Disponível em http://www.scielosp.org/pdf/csc/v9n3/a16v09n3.pdf.

. Vasconcellos, M. J. E. Pensamento sistêmico – o novo paradigma da ciência. Campinas, Papirus, 2003.

. Capra, F. A teia da vida, uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Editora Cultrix, 2003.

. Santos, B. S. Crítica à Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. S. Paulo: Cortez, 2001.

. Hirschman, A. O. Desenvolvimento por efeitos em cadeia: uma abordagem generalizada.Estudos CEBRAP, N. 18, Outubro-Dezembro/1976.

. Maluf, R. S. Atribuindo sentido(s) ao desenvolvimento econômico. Estudos Sociedade e Agricultura, R. Janeiro, n. 15, 2000, p. 53-86.

. Sen, A. The Concept of Development. In: Chenery, H. and Srinivasan, T.N. (eds.).Handbook of Development - Vol. I. Amsterdan, North Holland, 9-26, 1988.

. Santoro, P. e Pinheiro, E. (orgs). O município e o solo rural. São Paulo: Instituto Polis, 2004.

. Barraclough, S. L. And end to hunger? The social origins of food strategies. London, Zed Books, 1991.

. Hirschman, A. O. Rival views of market society and other recent essays. N. York, Viking Press, 1986.

. Flick, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

. Minayo MCS, Assis SG, Souza ER, organizadoras. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2005. 244 pp.