Amamentação e prática de benzimentos: revisão integrativa

Autores

  • Suzelaine Taize Stadler Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO Departamento de Fonoaudiologia Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário.
  • Cristina Ide Fujinaga Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO Departamento de Fonoaudiologia Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário.

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1820

Palavras-chave:

amamentação, cultura, medicina popular

Resumo

Objetivo: investigar a influência da práticas de benzimentos relacionadas com o processo de amamentação apresentadas na literatura científica. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa, com publicações coletadas no banco de dados: Scientific Electronic Library Online (SciELO); Google Scholar e ResearchGate, resultando em duas publicações para a amostra. Resultados: Os estudos abordam a prática de benzedeiras como uma forma alternativa de tratamento eficaz para ser utilizado durante a lactação; a busca pela prática de benzedeiras ocorre pelas próprias mulheres geralmente logo após o nascimento do bebê, por influências familiares, pelos amigos e também pelo ambiente social. Conclusão: Observou-se que a utilização da prática de benzimentos são eficazes frente as dificuldades que podem surgir durante o processo de amamentação. Além disso, percebe-se que a postura das benzedeiras é de acolhimento e as mesmas fazem parte da rede social das mulheres. Diante disso, torna-se relevante que os profissionais de saúde reconheçam a importância das relações da rede social das mulheres que amamentam e valorizem os aspectos culturais e saberes populares constituintes do processo de amamentação.

Referências

Almeida JAG, Novak FR. Amamentação: um híbrido natureza-cultura. Journal de Pediatria. 2004; 80 (5):119-25.

Marques ES, Cotta RMM, Priori SE. Mitos e crenças sobre o aleitamento materno. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16 (5): 2461-68.

Andrade CAM. O universo das benzedeiras: uma análise ontológica e semiológica da prática ritual e das narrativas de benzedeiras de Rebouças – PR. In V Congresso da ANPTECRE “Religião, Direitos Humanos e Laicidade”, 5, 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: PUC-PR, 2015.

Marques RFSV, Cotta RMM, Magalhães KA; Sant’Ana LFR, Gomes AP, Siqueira-Batista R. A influência da rede social da nutriz no aleitamento materno: o papel estratégico dos familiares e dos profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15: 1391-400.

Medeiros REG, Nascimento EGC, Diniz GMD, Alchieri JC. Na simplicidade a complexidade de um cuidar: a atuação da benzedeira na atenção à saúde da criança. Physis. 2013; 23 (4): 1339-57.

Praça NS, Gualda DMR. Cuidar da saúde da família: responsabilidade da mulher moradora em uma favela. Família Saúde Desenvolvimento. 2000; 2(1): 13-20.

Lana APB. O livro de estímulo a amamentação: uma visão biológica, fisiológica e psicológica comportamental da amamentação. São Paulo: Atheneu, 2001, 423 p.

Fortes JAMS, Santos LS, Moraes SDS. Percepção de mães sobre o uso de práticas integrativas e complementares em seus filhos. Enfermagem em Foco. 2014; 5 (2): 37-40.

Elias MC, Alves A, Tubino P. Uso de medicina não convencional em crianças com câncer. Revista Brasileira de Cancerologia 2006; 52 (3): 237- 43.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enfermagem. 2008; 17(4): 758-64.

Roman AR, Friedlander MR. Revisão integrativa de pesquisa aplicada à enfermagem. Cogitare Enfermagem.1998; 3(2): 109-12.

Tomeleri KR, Marcon SS. Práticas populares de mães adolescentes no cuidado aos filhos. Acta Paulista Enfermagem. 2009; 22(3): 272-80.

Zorzi NT, Bonilha ALL. Práticas utilizadas pelas puérperas nos problemas mamários, Revista Brasileira de Enfermagem. 2006; 59(4): 521-26.

Monteiro JCS, Gomes FA, Stefanello J, Nakano AMS. Leite produzido e saciedade da criança na percepção da nutriz durante o aleitamento materno exclusivo. Texto contexto Enfermagem. 2011; 20 (2): 359-67.

Jaldin MGM, Santana RB. Anatomia da mama e fisiologia da lactação. In: REGO, J. D. (Org.) Aleitamento materno. São Paulo: Atheneu, 2001, p. 35-46.

Azevedo ARR, Alves VH, Souza RMP de, Rodrigues DP, Branco MBLR, Cruz AFN. O manejo clínico da amamentação: saberes dos enfermeiros. Escola Anna Nery. 2015; 19(3): 439-45.

Teruya K, Serva VB. Manejo da lactação. In: In: REGO, JD. (Org.) Aleitamento materno. São Paulo: Atheneu, 2001, p. 35-46.

Lopes ARC. Reflexões sobre currículo: as relações entre senso comum, saber popular e saber escolar. Em Aberto. 1993; 12(58): 16.

Junges JR, Barbiani R, Soares NA, Fernandes RBP, Lima MS de. Saberes populares e cientificismo na estratégia saúde da família: complementares ou excludentes? Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(11): 4327-35.

Santos ACB, Silva AF, Sampaio DL, Sena LX de, Gomes VR, Lima VLA. Antropologia da saúde e da doença: contribuições para a construção de novas práticas em saúde. Revista NUFEN. 2012; 4(2): 11-21.

Carvalhaes MABL, Correa CRH. Identificação de dificuldades no início do aleitamento materno mediante aplicação de protocolo. Journal of Pediatria. 2003; 79(1): 13-20.

Marques RFSV, Cunha ICC, Aragon MG, Peixoto VC. Fatores relacionados às dificuldades no aleitamento materno entre mães adolescentes da Fundação Santa Casa de Misericórdia do 57-Pará. Revista. Paraense de Medicina. 2008; 22 (1): 57-62.

Escarce AG, Araújo NG, Friche AAL, Motta AR. Influência da orientação sobre aleitamento materno no comportamento das usuárias de um hospital universitário. Revista CEFAC. 2013; 15 (6):1570-82.

Giuglini ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. Journal of Pediatria. 2000; 21: 238-52.

Soares AVN, Gaidzinski RR, Cirico MOV. Identificação das intervenções de enfermagem no Sistema de Alojamento Conjunto. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2010; 44(2): 308-17.

BRASIL. Ministério da Saúde. Iniciativa hospital amigo da criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado. Módulo I - Histórico e implementação. Brasília, DF, 2008, p.77.

Giugliani ERJ. Problemas comuns na lactação e seu manejo. Journal of Pediatria. 2004; 80(5): 147-54.

Silva YF. Família e redes sociais: o uso das práticas populares no processo saúde e doença. In: SILVA YF, FROENÇO MC. Saúde e doença: uma abordagem cultural da enfermagem. Florianópolis (SC): Papa Livro; 1996. p.75-93.

Luz AMH, Berni NIO, Selli L. Mitos e tabus da maternidade: um enfoque sobre o processo saúde-doença. Revista Brasileira Enfermagem. 2007; 60(1): 42-8.

Turnbull-Plaza B, Escalante-Izeta E, Klunderklunder M. The role of social networks in exclusive breastfeeding. Revista Médica del Instituto Mexicano del Seguro Social. 2006; 44(2): 97-104.

Sousa AM, Fracolli LA, Zoboli ELCP. Práticas familiares relacionadas à manutenção da amamentação: revisão da literatura e metassíntese. Revista Panamericana de Salud Publica, 2013; 34(2): 127-34.

Brito RS, Oliveira EM. Aleitamento materno: mudanças ocorridas na vida conjugal do pai. Revista Gaucha Enfermagem.2006; 27 (2):193-202.

Barreira SMC, Machado MFAS. Amamentação: compreendendo a influência do familiar. Acta Scientiarum, Health Sciences.2004; 26(1):11-20.

Nery VC. Rezas, Crenças, Simpatias e Benzeções: costumes e tradições do ritual de cura pela fé. In: Encontro dos Núcleos de Pesquisas da Intercom, 6., 2006, Brasília. Anais... Brasília: UnB, 2006, p. 1-15.

Downloads

Publicado

2016-05-20

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS