Hipertensão arterial controlada em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família

Autores

  • Elaine Cristina Tôrres Oliveira Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas
  • Tarciana Nobre de Menezes Universidade Estadual da Paraíba
  • Ricardo Alves de Olinda Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2357

Palavras-chave:

Idoso, Hipertensão, Fatores de Risco, Estudos Transversais

Resumo

Objetivo: Analisar a prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS) controlada e os fatores associados em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família (ESF). Métodos: Trata-se de um estudo transversal, feito com 278 idosos (60 anos ou mais de idade) cadastrados na ESF do município de Campina Grande/PB. A subamostra foi constituída de idosos que estavam usando medicamentos anti-hipertensivos. Foram verificadas prevalências de HAS controlada e investigada associação com variáveis demográficas e socioeconômicas, hábitos de vida e morbidade referida por meio de regressão de Poisson. Resultados: Verificou-se baixa prevalência de HAS controlada (34,5%; IC95%: 28,9-40,1), e não foi encontrada associação estatisticamente significativa ao nível de 5% com as variáveis independentes investigadas na análise multivariável. Conclusão: A HAS controlada apresentou baixa prevalência entre os idosos deste estudo, porém sem fatores associados. A identificação do baixo controle de HAS é importante para direcionar um cuidado específico em saúde, e a investigação de fatores associados contribui para garantir um tratamento efetivo.

Referências

World Health Organization. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization, 2014.

World Health Organization. A global brief on hypertension. Silent killer, global public health crisis. Geneva: World Health Organization, 2013.

Kearney PM, Whelton M, Reynolds K, Muntner P, Whelton PK, He J. Global burden of hypertension: analysis of worldwide data. Lancet 2005; 365:217-23.

Andrade SSA, Stopa SR, Brito AS, Chueri PS, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde 2015; 24(2): 297-304.

Paulucci TD Velasquez-Mendelez G, Bernal RIT, Lana FF, Malta DC. Análise do cuidado dispensado a portadores de hipertensão arterial em Belo Horizonte, segundo inquérito telefônico. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(supl. 1):227-40.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz brasileira de Hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol 2016; 107(3): 1-104.

Zanchetti A, Thomopoulos C, Parati G. Randomized controlled trials of blood pressure lowering in hypertension. Circulation Research 2015; 116(6): 1058-1073.

Picon RV, Fuchs FD, Moreira LB, Riegel G, Fuchs SC. Trends in prevalence of hypertension in Brazil: a systematic review with meta-analysis. PLoS OnE 2012; 7(10):1-10.

Moroz MB, Kluthcovsky ACGC, Schafrranski MD. Controle da pressão arterial em idosas hipertensas em uma Unidade de Saúde da Família e fatores associados. Cad Saúde Colet 2016; 24(1): 111-117.

Melo JD, Trevisol DJ, Fernandes NB, Pereira MR. Hipertensão arterial sistêmica e fatores associados na Estratégia Saúde da Família em Imbituba/SC. Revista da AMRIGS 2016; 60(2): 108-114.

Associação Nacional de Empresas de Pesquisa. Critério de Classificação Econômica Brasil. São Paulo. 1999.

Lessa I, Magalhães L, Araújo MJ, Almeida Filho N, Estela A, Oliveira MMC. Hipertensão Arterial na População Adulta de Salvador (BA) – Brasil. Arq Bras Cardiol 2006; 87(6):747-756.

Souza ARA, Costa A, Nakamura D, Mocheti LN, Stevanato Filho PR, Ovando LA. Um Estudo sobre Hipertensão Arterial Sistêmica na Cidade de Campo Grande, MS. Arq Bras Cardiol 2007; 88(4):441-446.

Pate RR, Pratt M, Blair SN, Haskell WL, Macera CA, Bouchard C, et al. Physical activity and public health: a recommendation from the Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. JAMA 1995; 273:402-7.

Boomsma, A. Confidence Intervals for a Binomial Proportion. Department of Statistics & Measurement Theory - University of Groningen, 2005.

Victora CG, Huttly SR, Fuchs SC, Olinto MTA. The role of conceptual frameworks in epidemiological analysis: a hierarchical approach. Int J Epidemiol 1997; 26:224-227.

Pierin AMG, Marroni SN, Taveira LAF, Benseñor IJM. Controle da hipertensão arterial e fatores associados na atenção primária em Unidades Básicas de Saúde localizadas na Região Oeste da cidade de São Paulo. Cien Saude Colet 2011; 16(Supl. 1):1389-1400.

Pereira MR, Coutinho MSSA, Freitas PF, D’Orsi E, Bernardi A, Hass R. Prevalência, conhecimento, tratamento e controle de hipertensão arterial sistêmica na população adulta urbana de Tubarão, Santa Catarina, Brasil, em 2003. Cad Saude Publica 2007; 23(10):2363-2374.

Minelli C, Borin LA, Trovo MC, Reis GC. Hypertension prevalence, awareness and blood pressure control in Matao, Brazil: a pilot study in partnership with the brazilian Family Health Strategy Program. J Clin Med Res. 2016; 8(7): 524-530.

Jaddou HY, Batieha AM, Khader YS, Kanaan AH, El-Khateeb MS, Ajlouni KM. Hypertension Prevalence, Awareness, Treatment and Control, and Associated Factors: Results from a National Survey, Jordan. Int J Hypertens 2011; 1-8.

Hammami S, Mehri S, Hajem S, Koubaa N, Frih MA, Kammoun S, et al. Awareness, treatment and control of hypertension among the elderly living in their home in Tunisia. BMC Cardiovascular Disorders 2011; 11(65):1-7.

Figueiredo NN, Asakura L. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo: dificuldades relatadas por indivíduos hipertensos*. Acta Paul Enferm 2010; 23(6):782-787.

Mendes TAB, Goldbaum M, Segri NJ, Barros MBA, César CLG, Carandina L. Factors associated with the prevalence of hypertension and control practices among elderly residentes of São Paulo city, Brazil. Cad Saude Publica 2013; 29(11):2275-2286.

Souza CS, Stein AT, Bastos GAN, Pellanda LC. Controle da Pressão Arterial em Hipertensos do Programa Hiperdia: Estudo de Base Territorial. Arq Bras Cardiol 2014 102(6): 571-578.

Coelho JS, Giacomin KC, Firmo JOA. O cuidado em saúde na velhice: a visão do homem. Saúde Soc 2016; 25(2): 408-421.

Kramer H, Han C, Post W, Goff D, Diez-Roux A, Cooper R, et al. Racial/ethnic differences in hypertension and hypertension treatment and control in the multi-ethnic study of atherosclerosis (MESA). Am J Hypertens. 2004;17:963–70.

U.S. Department of Health & Human Services. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Racial/ethnic disparities in prevalence, treatment, and control of hypertension: United States, 1999-2002. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2005;54:7–9.

Hoepfner C, Franco SC. Inércia clínica e controle da hipertensão arterial nas unidades de atenção primária à saúde. Arq Bras Cardiol 2010; 95(2):223-229.

Mancia G, Fagard R, Narkiewicz K, Redón J, Zanchetti A, Böhm M, et al. ESH/ESC Guidelines for the management of arterial hypertension: the Task Force for the management of arterial hypertension of the European Society of Hypertension (ESH) and of the European Society of Cardiology (ESC). J Hypertens 2013; 31(7):1281-357.

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Oliveira, E. C. T., Menezes, T. N. de, & Olinda, R. A. de. (2021). Hipertensão arterial controlada em idosos cadastrados na Estratégia Saúde da Família. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2357

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS