Internação em Unidade de Terapia Intensiva: percepções de familiares de pessoas gravemente enfermas.
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Unidades de Terapia Intensiva
Enfermagem
Família.

Como Citar

Tomás, S. M. C., Santiago, L. M. M., Andrade, A. de P., Moraes, K. M., Cavalcante, A. S. P., & Maciel, G. P. (2018). Internação em Unidade de Terapia Intensiva: percepções de familiares de pessoas gravemente enfermas. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 11(2), Pág. 239-251. https://doi.org/10.18569/tempus.v11i2.2397

Resumo

O estudo tem como objetivo descrever a percepção dos familiares sobre a situação de ter um familiar hospitalizado em uma Unidade de Terapia Intensiva. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo de abordagem qualitativa, desenvolvido na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital referência da zona Norte do Ceará. Os sujeitos do estudo foram quatorze familiares de pacientes internados na UTI. Os dados foram coletados durante os meses de novembro e dezembro de 2015. A análise das informações permitiu traçar o perfil dos pacientes internados e seus familiares e revelar os efeitos da internação em UTI no cotidiano das famílias. Os familiares expressaram diversos sentimentos como, tristeza, angústia, desespero, medo e dor, e os relacionava as incertezas do processo hospitalização e a possibilidade de perda do seu ente querido. Além de considerarem a situação de ter um membro em desvio de saúde numa UTI como uma experiência dolorosa e de grande sofrimento. Assim, conhecer a percepção dos familiares que enfrentam situação de hospitalização de um dos seus membros em UTI permitiu a identificação dos efeitos da internação sobre a família, constituindo um importante passo para a reflexão da necessidade de uma elaboração de um plano de assistência à família, considerando as necessidades e expectativas do binômio paciente-família.
https://doi.org/10.18569/tempus.v11i2.2397
PDF
PDF (English)

Referências

Alves EF. O cuidador de enfermagem e o cuidar em uma unidade de terapia intensiva. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde,2013;15(2):115-22.

Sell CT, Sell BT, Nascimento ERP, Padilha MI, Carvalho JB. Alterações na dinâmica familiar com a hospitalização em unidade de terapia intensiva.Rev enferm UERJ [Internet]. 2013 [Citado 2015 dez 29];20(4):488-92. Disponível em: http://docplayer.com.br/1315113-Alteracoes-na-dinamica-familiar-com-a.html

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed.São Paulo: Atlas; 2010.

Moura EL, Kimura AF, Praca NS. Ser gestante soropositivo para o Vírus da Imunodeficiência Humana: uma leitura à luz do Interacionismo Simbólico. Acta paul enferm [Internet]. 2010 [Citado 2016 jan 03];23:206-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n2/09.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, 2012.

Frizon G, Nascimento ERP, Bertoncello KCG, Martins JJ. Familiares na sala de espera de uma unidade de terapia intensiva: sentimentos revelados. Rev Gaúcha Enferm, 2011;32(1):72-8.

Freitas KS, Mussi FC, Menezes IG. Desconforto vividos no cotidiano de familiares de pessoas internadas na UTIa. Texto contexto – enferm [Internet]. 2012 [Citado 2016 Jan 03];21(4):896-904. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/21.pdf

Schleder LP, Parejo LS, Puggina AC, Silva MJP. Espiritualidade dos familiares de paciente internados em unidade de terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2013;26(1):71-8.

Silva LWS, Santos FF, Souza DM. Sentimentos da família diante do enfrentamento do viver-morrer do membro familiar na UTI. Ver. Enferm. UFSM. 2011;1(3):420-430.

Saiote E, Mendes F. A partilha de informação com familiares em unidade de tratamento intensivo: importância atribuída por enfermeiros. Cogitare Enferm. 2011;16(2):219-25.

Martins JJ, Nascimento ERP, Geremias CK, Schneider DG, SChweitzer G,Mattioli Neto H. O acolhimento à família na Unidade de Terapia Intensiva: conhecimento de uma equipe multiprofissional. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2008 [Citado 2016 Jan 03];10(4);1091-101. Disponível: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n4/v10n4a22.htm