Qualidade de vida do trabalhador portuário no Sul do Brasil: influência de agravos à saúde oriundos do meio laboral

Autores

  • Maitê Peres de Carvalho Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Maria Cristina Flores Soares Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2456

Palavras-chave:

Saúde do Trabalhador, Qualidade de Vida, Dor Lombar, Prevalência, Sobrepeso.

Resumo

Objetivo: Avaliar a qualidade de vida de trabalhadores portuários identificando os fatores associados a esse desfecho. Métodos: Trata-se de um estudo transversal desenvolvido com 226 trabalhadores de estiva e de capatazia de um porto no sul do Brasil. A coleta ocorreu em 2014, abrangendo dados sobre qualidade de vida no trabalho (QVT), atividade física, estresse e sintomas osteomusculares relacionados ao trabalho; utilizando-se, respectivamente, o Questionário de Qualidade de Vida no Trabalho, o Questionário Internacional de Atividade Física, a Job Stress Scale e o Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares. Resultados: Dos trabalhadores analisados, identificou-se 73% (n=165) com nível de estresse médio ou alto, 68,2% (n=154) com sobrepeso e/ou obesidade e 50% (n=113) com sintomas osteomusculares, sendo a região lombar a mais prevalente (31,9% - n=72). Este estudo mostrou associação do desfecho QVT com as variáveis independentes: idade, renda e sintomas osteomusculares relacionados ao trabalho. Encontrou-se a prevalência de 46% (n=104) para QVT desfavorável. O risco para o desfecho aumentou na presença de sintomas osteomusculares relacionados ao trabalho (RP=1,37) e, diminuiu gradativamente nas maiores faixas etárias: 45-59 anos (RP=0,70) e 60 anos ou mais (RP=0,53). Conclusão: Identificou-se a necessidade de uma intervenção no ambiente laboral portuário, sobretudo no que se refere aos sintomas osteomusculares que comprometem a qualidade de vida dos trabalhadores e no estímulo à adoção de hábitos de vida mais saudáveis.

Biografia do Autor

Maitê Peres de Carvalho, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Pós-doutoranda em Epidemiologia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Especialista em Fisioterapia em Geriatria e Gerontologia pelo Colégio Brasileiro de Estudos Sistêmicos (CBES) Fisioterapeuta graduada pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel)

Maria Cristina Flores Soares, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Doutora em Fisiologia da Reprodução pelo Université Pierre et Marie Curie, França Fisioterapeuta graduada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Professora Titular da Universidade Federal do Rio Grande (FURG)

Referências

REFERÊNCIAS

Buss, PM. Uma introdução ao conceito de promoção da saúde. In: Czeresnia, D; Freitas, CM (org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003, p.15-38.

Paz, AA. Vigilância na Saúde do Trabalhador: fatores associados aos acidentes, alterações musculoesqueléticas e doenças do trabalho [Tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2014.

Antunes R, Praun L. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serv. Soc. Soc. 2015; 123:407-27.

Carvalho MP, Schmidt LG, Soares MCF. Musculoskeletal Disorders and their Influence on the Quality of Life of the Dockworker: a cross-sectional study. Work. 2016; 53:805-12.

Sousa-Uva A, Serranheira F. Trabalho e Saúde/(Doença): o desafio sistemático da prevenção dos riscos profissionais e o esquecimento reiterado da promoção da saúde. Rev. Bras. Med. Trab. 2013; 11(1):43-9.

World Health Organization – The WHOQOL Group. Quality of Life Instruments Programme on Mental Health. Measuring quality of life [internet]. Genéve: WHO, 1997. [acesso em 2017 mar 13]. Disponível em: http://www.who.int/mental_health/media/68.pdf

Aquino AS, Fernandes ACP. Qualidade de Vida no Trabalho. J Health Sci Inst. 2013; 31(1):53-8.

Hunter D, Silverstein B. Perceptions of risk from workers in high risk industries with work related musculoskeletal disorders. Work. 2014; 49(4):689-703.

Saldanha JHS, Pereira APM, Neves RF, Lima MAG. Facilitadores e barreiras de retorno ao trabalho de trabalhadores acometidos por LER/DORT. Rev. Bras. Saúde Ocup. 2013; 38(127):122-38.

Lemos LC, Marqueze EC, Moreno CRC. Prevalência de dores musculoesqueléticas em motoristas de caminhão e fatores associados. Rev. Bras. Saúde Ocup. 2014; 39(129):26-34.

Pucci GCMF, Rech CR, Fermino RC, Reis RS. Associação entre atividade física e qualidade de vida em adultos. Rev. Saúde Pública. 2012; 46(1):166-79.

Frange C, Queiroz SS, Prado JMS, Tufik S, Mello MT. The impact of sleep duration on self-rated health. Sleep Science. 2014; 7:107-13.

Brasil. Lei 12.815 de 5 de junho de 2013. Dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários. Diário Oficial da União 2013; 5 jun. [acesso em 2017 nov 16]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12815.htm

Bicalho PG, Hallal PC, Gazzinelli A, Knuth AG, Velásquez-Meléndez G. Atividade física e fatores associados em adultos de área rural em Minas Gerais, Brasil. Rev. Saúde Pública. 2010; 44(5):884-93.

Agência Nacional de transportes aquaviários - ANTAQ [internet]. Porto do Rio Grande, 2012 [acesso em 2017 out 08]. Disponível em: http://web.antaq.gov.br/Portal/pdf/Portos/2012/RioGrande.pdf

Cheremeta M, Pedroso B, PIlatti LA, Kovaleski JL. Construção da versão abreviada do QWLQ-78: um instrumento de avaliação da qualidade de vida no trabalho. Rev. Bras. Qualidade de Vida. 2011; 3(1):01-15.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): Estudo de Validade e Reprodutibilidade no Brasil. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde. 2001; 6(2):05-18.

Haskell WL, Lee IM, Pate RR, Powell KE, Blair SN, Franklin BA, et al. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Med Sci Sports Exerc. 2007; 39(8):1423-34.

Alves MGM, Chor D, Faerstein E, Lopes CS, Werneck GL. Versão resumida da “Job stress scale”: adaptação para o português. Rev. Saúde Pública. 2004; 38(2):164.

Urbanetto JS, Silva PC, Hoffmeister E, Negri BS, Costa BEP, Figueiredo CEP. Estresse no trabalho da enfermagem em hospital de pronto-socorro: análise usando a Job Stress Scale. Rev. Latino-Am. Enfermagem; 2011; 19(5):01-10.

Pinheiro FA, Tróccoli BT, Carvalho CV. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como Medida de Morbidade. Rev. Saúde Pública. 2002; 36(3):307-12.

World Health Organization. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry – Report of a WHO Expert Committee [internet]. Geneva: Switzerland, 1995 [acesso em 2017 mar. 27]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/37003

Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012 [internet]. Brasília; 2012 [acesso em 2017 mar 13]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Soares JFS, Cezar-Vaz MR, Mendoza-Sassi RA, Almeida TL, Muccillo-Baisch AL, Soares MCF et al. Percepção dos trabalhadores avulsos sobre os riscos ocupacionais no porto do Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Públ. 2008; 24(6):1251-9.

Moreira MMS. Trabalho, qualidade de vida e envelhecimento. [Dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2000.

Maciel RH, Gonçalves RC, Matos TGR, Fontenelle MF, Santos JBF. Análise da dinâmica do trabalho portuário: estudo comparativo entre os portos do Mucuripe e do Pecém, no Ceará. Rev. Bras. Saúde Ocup. 2015; 40(132):170-82.

Nigatu YT, van de Ven HA, van de Klink JJL, Brouwer S, Reijneveld SA, Bültmann U. Overweight, obesity and work functioning: the role of working-time arrangements. Applied Ergnomics. 2016; 52:128-34.

Sprung J, Jex S. Work locus of control as a moderator of the relationship between work stressors and counterproductive work behavior. Int J Stress Manag. 2012; 19(4):272-91.

Dextras-Gauthier J, Marchand A, Haines V. Organizational culture, work organization conditions, and mental health: A proposed integration. Int J Stress management. 2012; 19(2):81-104.

Cardoso PQ, Padovani RC, Tucci AM. Análise dos agentes estressores e a expressão do estresse entre trabalhadores portuários avulsos. Estudos de Psicologia. 2014; 31(4):507-16.

Walton RE. Criteria for Quality Life. In: Davis LE, Cherns AB, editors. The quality of working life: problems, prospects and state of art. New York: The Free Press; 1975, p. 91-104.

Silva A, Mattiello SM, Oliveira e Silva L, Walsh IAP. O trabalho e as LER/DORT. In: Melo MT. Trabalhador em turno – fadiga. São Paulo: Atheneu; 2013, p. 41-50.

Hoy D, March L, Brooks P, Blyth F, Woolf A, Bain C, et al. The global burden of low back pain: estimates from the Global Burden of Disease 2010 study. Ann Rheum Dis. 2014; 73(6):968-74.

Driscoll T, Jacklyn G, Orchard J, Passmore E, Vos T, Freedman G, et al. The global burden of occupationally related low back pain: estimates from the Global Burden of Disease 2010 study. Ann Rheum Dis. 2014; 73(6):975-81.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Carvalho, M. P. de, & Soares, M. C. F. (2021). Qualidade de vida do trabalhador portuário no Sul do Brasil: influência de agravos à saúde oriundos do meio laboral. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2456

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS