Representações sociais de "MINHA CASA" para idosas

Autores

  • Amanda Castro Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Marieli Mezari Vitali Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC
  • Camila Maffioleti Cavaler Universidade do Extremo Sul Catarinense -UNESC
  • Luiz Felipe Andrade Quadros Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Jacks Soratto Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2508

Palavras-chave:

Psicologia Ambiental, Representações Sociais, Idosos

Resumo

Este estudo objetivou investigar as representações sociais do termo indutivo “minha casa”, provenientes de teste de evocações online, enviado a idosas por meio de uma página em uma rede social que divulga informações sobre envelhecimento. Ocorreram 233 evocações, das quais foram selecionadas as de 114 idosas com idades entre 60 e 69 anos por terem atendido à proposta de evocação. Os resultados foram submetidos a uma análise lexicográfica e de similitude por meio dos softwares Evocation 2000 e Similitude 2000. O ambiente físico da casa mostrou-se como importante para a vida das idosas, seja quando estão experimentando afeto positivo ou afeto negativo. A associação de partes físicas da casa com elementos relacionados a restabelecer-se e bem-estar indicam que o meio está agindo como ambiente restaurador. O fato de algumas idosas residirem na mesma casa há mais de 20 anos aliado aos afetos por ela sentidos dão indícios de vínculo de apego ao lugar. Conclui-se que a teoria das representações sociais foi adequada para os estudos do campo pessoa-ambiente, possibilitando atingir o objetivo da pesquisa.

Biografia do Autor

Amanda Castro, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Professora vinculada ao Departamento de Psicologia da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Marieli Mezari Vitali, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Psicologia da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Camila Maffioleti Cavaler, Universidade do Extremo Sul Catarinense -UNESC

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Graduada em Psicologia da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Luiz Felipe Andrade Quadros, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Básico da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Graduado em Psicologia da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Jacks Soratto, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Professor do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Doutor em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Referências

UN Population Division. World Population Prospects: The 2017 Revision [internet]. UN Population Division; 2017. [cited 2018 may 15]. Available from: https://esa.un.org/unpd/wpp/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira [internet]. Rio de Janeiro, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2012 [cited 2015 may 28]. Available from: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira [internet]. Rio de Janeiro, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2015 [cited 2018 may 15]. Available from: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf.

Calvacanti S, Elali GAi. Psicologia Ambiental: conceitos para a leitura da relação pessoa-ambiente. Petrópolis, RJ: Vozes; 2018.

Calvacanti S, Elali GA. Temas básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes; 2017.

Rivlin LG. Olhando o passado e o futuro: revendo pressupostos sobre as inter-relações pessoa-ambiente. Estudos de Psicologia (Natal) 2003 mai-ago; 8(2):215-220.

Lima, AT de, Reigota MAS, Pelicioni AF, Nogueira EJ. Frans Krajcberg e sua contribuição à educação ambiental pautada na teoria das representações sociais. Cadernos Cedes 2018; 29(77):117-131.

Moscovici S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2015.

Jodelet D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ; 2001. p. 17-41.

Magnabosco-Martins CR., Camargo BV, Biasus F. (2009). Representações sociais do idoso e da velhice de diferentes faixas etárias. UniversitasPsychologica 2009 set-dez; 8(3):831-847.

Polli GM, Kuhnen A. Possibilidades de uso da teoria das representações sociais para os estudos pessoa-ambiente. Estudos de Psicologia (Natal) 2011 jan-abr; 16(1): 57-64.

Macedo DS de, Oliveira CV, Günther IA, Alves SM, Nóbrega TS. O lugar do Afeto, o afeto pelo lugar: o que dizem os idosos? Psicologia: Teoria e Pesquisa 2008 out-dez; 24(4):441-49.

Giuliani MV. O lugar do apego nas relações pessoa-ambiente. In: Tassara ETO, Rabinovish EP, Guedes MC. (Eds.). Psicologia e Ambiente. São Paulo: Educ; 2004. p. 86-106.

Santoro MAG. Análise da Relação apego ao lugar, satisfação e fidelidade dos visitantes em destinos turísticos ambientais: um estudo de Fernando de Noronha. Rio Grande do Norte. Dissertação [pós graduação em Turismo] - Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2014.

Rioux L. The well-being of aging people living in their own homes. Journal of Environmental Psychology 2005 jun; 25(2):231-243.

Sá CP. Núcleo Central das Representações Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes; 1996.

Abric JC. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: Campos PHF, Loureiro MCS (Eds). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: Ed. Da UCG; 2003. p. 37-57.

Alves-Silva JD, Scorsolini-Comim F, Santos MA. Idosos em instituições de longa permanência: desenvolvimento, condições de vida e saúde. Psicologia: Reflexão e Crítica 2013; 26(4):820-30.

Duarte YAO. Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São Paulo: Atheneu; 2000.

Pereira RJ, Cotta RMM, Franceschini SCC, Ribeiro RCL, Sampaio RF, Priore SE, Cecon PR. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida global de idosos. Rev Psiquiat Rio Gd Sul 2006; 28(1):27-38.

Elali GA, Medeiros STF. Apego ao lugar. In Cavalcanti S, Elali GA. (Orgs.), Temas básicos em psicologia ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes; 2011.

Reifschneider E. Ambientes Restauradores: uma retomada do urbano. Brasília. Tese [Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações] – Universidade de Brasília; 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Castro, A., Vitali, M. M., Cavaler, C. M., Quadros, L. F. A., & Soratto, J. (2021). Representações sociais de "MINHA CASA" para idosas. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2508

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)