Desafios e perspectivas de uma equipe multiprofissional em um ambulatório de atenção à saúde da mulher

Autores

  • Silvia Nogueira Cordeiro Universidade Estadual de Londrina
  • Jessica Vertuan Rufino Universidade Estadual de Londrina
  • Clísia Mara Carreira Universidade Estadual de Londrina
  • Renata Cristina Alves Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2521

Palavras-chave:

Equipe Multiprofissional, Saúde da Mulher, Atenção Secundária à Saúde

Resumo

Trata-se de uma reflexão teórico-prática com objetivo de relatar a experiência de uma equipe multiprofissional na assistência à saúde da mulher na atenção secundária. O presente trabalho aponta que a atenção à saúde da mulher tem se tornado uma área prioritária no contexto das políticas de saúde com foco na atenção integral, humanizada e de qualidade, visando garantir o bem-estar da mulher no seu ciclo vital e melhorar os coeficientes de morbimortalidade. Tendo em vista a construção de uma visão multidisciplinar da assistência à saúde da mulher, surge a Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher, que tem como objetivo formar profissionais aptos a realizar ações de caráter multidisciplinar e interdisciplinar para a promoção, prevenção e recuperação da saúde da mulher em idade reprodutiva nos diferentes níveis de atenção, propiciar intervenções críticas no trabalho em equipe e melhorar a qualidade de vida da mulher com base nos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

Silvia Nogueira Cordeiro, Universidade Estadual de Londrina

Docente adjunta do Departamento de Psicologia e Psicanálise

Jessica Vertuan Rufino, Universidade Estadual de Londrina

Residente do Programa de Residencia Multiprofissional da Saúde da Mulher

Clísia Mara Carreira, Universidade Estadual de Londrina

Docente Adjunta do Departamento de Ciências Farmacêuticas

Renata Cristina Alves, Universidade Estadual de Londrina

Residente do Programa de Residencia Multiprofissional da Saúde da Mulher

Referências

Scherer MDA, Marino SRA, Ramos FRS. Rupturas e resoluções no modelo de atenção à saúde: reflexões sobre a estratégia saúde da família com base nas categorias kuhnianas. Interface – Comunic., Saúde, Educ. 2004;9(16):53-66.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciência & Saúde Coletiva. 2015;20(6):1869-1878.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ferreira RC, Varga CRR, Silva RF. Trabalho em equipe multiprofissional: a perspectiva dos residentes médicos em saúde da família. Ciênc. Saúde Coletiva. 2009;14(1):1421-1428.

Fernandes ACUR, Costa DDO, Costa JM, Duarte KMM, Silva MP, Garcia PT, et al. Saúde da mulher. Cadernos de Saúde da Família. São Luís: Edufma; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Justo LP, Calil HM. Depressão: o mesmo acometimento para homens e mulheres? Rev. Psiquiatr. Clín. 2006;33(2):74-79.

Jr-Rennó J, Soares CN. Transtornos mentais associados ao ciclo reprodutor feminino. In: Neto-Louza MR, Elkis E. Psiquiatria básica. 2ª ed, Porto Alegre: Artmed; p. 418-428. 2012.

Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: conceito e tipologia. Rev. Saúde Pública [online]. 2001[acesso: 31/03/2018];35(1): 103 -109. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/rsp/v35n1/4144.pdf

Costa MJC. Atuação do enfermeiro na equipe multiprofissional. Rev. Bras. Enferm. [online]. 1976;31(3):321-339 [acesso: 31/03/2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71671978000300321

Nunes JPS, Zanetti SAS. Limites e alcances do trabalho de um psicólogo em um hospital geral. Revista Psicologia e Saúde. 2015 jul./dez.;7(2):186-192.

Maia DB. Atuação interdisciplinar na Atenção Básica de Saúde: a inserção da Residência Multiprofissional. Sau. & Transf. Soc. 2013;04(1):103-110.

Luz AR, Vianna MS, Silqueira SMF, Silva PC, Chagas HÁ, Figueiredo JO, et al. Consulta compartilhada: uma perspectiva da clínica ampliada na visão da residência multiprofissional. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2016;07(01):267-281.

Rodrigues JD, Ferreira DKS, Silva PA, Caminha IO, Junior JCF. Inserção e atuação do profissional de educação física na atenção básica à saúde: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fis e Saúde. 2013;18(1):5-15.

Florindo AA, Hallal PC. Epidemiologia da atividade física. São Paulo: Atheneu; 2011.

Higa R, Lopes MHBM, Reis MJ. Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Rev. Esc. Enferm. USP. 2008;42(1):187-92.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares PMNPC: resumo executivo. Brasília, DF; 2005.

Laurindo MC, Recco DC, Roberti DB, Rodrigues CDS. Conhecimento das pessoas diabéticas acerca dos cuidados com os pés. Arq. Ciênc. Saúde. 2005;12(2):80-84.

Araújo ALA, Pereira LRL, Ueta JK, Freitas O. Perfil da assistência farmacêutica na atenção primária do Sistema Único e Saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2008;13(S):611-617.

Folha informativa farmacoterapêutica. CINFARMA – Centro de Informação Farmacêutica do Departamento de Farmacovigilância, DNME/MINSA. 2015 abr./set.:0(6/7).

Associação Brasileira de Nutrição. Fidelix MSP, organizadora. Manual orientativo: sistematização do cuidado de nutrição São Paulo: 2014.

Fisberg RM, Marchioni DML, Colucci ACA. Avaliação do consumo alimentar e da ingestão de nutrientes na prática clínica. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009; 53/5.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Umpierre RN, Gonçalves MR, Gadenz SD, Molina-Bastos CG, organizadores. Alimentação e nutrição na atenção primária à saúde. Porto Alegre: 2017. 197 p. il. ISBN: 978-85-9489-084-9.

Xavier LP, Reis PPF, Frassão MCGO. O trabalho do psicólogo junto à equipe de saúde. Rev. Ciências em Saúde. 2016;6(1).

Borges SMN. Propostas para uma relação: profissionais de saúde e mulheres. Cad. Saúde Pública. 1991; 7 (2): 284-289.

Cordeiro SN, Reis MEBT, Spagiari NTB, Adamowski WD. Contribuições da psicologia à residência multiprofissional em saúde da mulher: relato de experiência. Rev. Polis e Psique. 2017;7(3):100–115.

Lima M, Santos L. Formação de psicólogos em residência multiprofissional: transdisciplinaridade, núcleo profissional e saúde mental. Psicol. Ciênc. e Prof. 2012;32(1):126-141.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Cordeiro, S. N., Rufino, J. V., Carreira, C. M., & Alves, R. C. (2021). Desafios e perspectivas de uma equipe multiprofissional em um ambulatório de atenção à saúde da mulher. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2521

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA