Implantação e implementação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: residência multiprofissional em Saúde da Família como estratégia de efetivação das políticas públicas do SUS

Autores

  • Antônio Wilker Bezerra Lima
  • Gisele Maria Melo Soares Arruda
  • Amanda Cavalcante Frota
  • Raimunda Hermelinda Maia Macena
  • Ricardo José Soares Pontes

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2529

Resumo

A Estratégia Saúde da Família (ESF) foi ampliada com os Núcleos de apoio à Saúde da Família (NASF). Devido ao ineditismo dos NASF, sua implantação representa um desafio. Diante disso, objetivou-se relatar a experiência de implantação e implementação do NASF, no município de Arneiroz/CE, a partir da experiência da Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade da Escola de Saúde Pública do Ceará (RMSFC-ESP-CE). Trata-se de relato de experiência oriundo da prática gerencial e assistencial, entre julho/2013 e maio/2016, em Arneiroz/CE. As informações emergentes da prática profissional foram registradas em diário de campo e analisadas na perspectiva hermenêutico dialética com base no referencial teórico e nos dados dos sistemas de informação. A implantação dos NASF exige reformulações no processo de trabalho da ESF capazes de promover a interprofissionalidade e intersetorialidade na perspectiva do apoio matricial. Em Arneiroz/CE, esse desafiador processo aconteceu concomitantemente à implantação da RMSFC-ESP-CE, cujas atividades foram essenciais no suporte técnico-pedagógico aos gestores e profissionais do município, facilitando a incorporação e efetivação do preconizado pelo Ministério da Saúde. Quanto às ações educativas em saúde e aos atendimentos de profissionais de nível superior na ESF, houve um aumento importante depois da implantação do NASF, indicando melhoria no acesso e nos indicadores de saúde. Aponta-se ainda o impacto das Residências Multiprofissional em Saúde enquanto estratégia de Educação Permanente em Saúde e subsídio aos processos de gestão municipal em saúde, especialmente em municípios de pequeno porte, de modo a também subsidiar a implementação das políticas públicas de saúde.

Referências

- Guedes JS, Santos MB, Lorenzo RVD. A implantação do Programa Saúde da Família (PSF) no estado de São Paulo (1995-2002). Saude soc. 2011;20(4):875-883.

– Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS, TABNET: Informações em Saúde. [Online].; 2017 [acesso em: 2017 janeiro 07. Disponível em: http://www.datasus.gov.br/tabnet.

- Andrade LOM, Barreto ICHC, Bezerra RC. Atenção Primária à Saúde e Estratégia Saúde da Família. In: Campos GWS. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo:Fiocruz;2009:783-836.

- Cotta RMM. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do programa saúde da família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2006;15(3): 7-18.

- Andrade L, Quandt F, Campos D, Delziovo C, Coelho E, Moretti-Pires R. Analise da implantação dos núcleos de apoio a saúde da família no interior de Santa Catarina. Sau & Transf. Soc. 2012;3(1): 18-31.

- Brasil. Portaria Nº 1444 de 28 de dezembro de 2000, estabelece incentivo financeiro para a reorganização da atenção a saúde bucal prestada nos municipios por meio do programa saúde da família. [Online].; 2000 [acesso em: 2017 janeiro 05. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/142359.pdf.

- Brasil. Portaria Nº 399 de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto Pela Saúde - consolidação do SUS e aprova diretrizes operacionais do referido pacto. [Online]; 2006 [acesso em: 2016 dezembro 27. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0399_22_02_2006.html.

- Brasil. Portaria Nº 154, de 24 de janeiro de 2008 que cria os núcleos de apoio a saúde da família - NASF. [Online]; 2008 [acesso em: 2016 dezembro 20. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/portaria154_24_01_08.pdf.

– Ministério da Saúde. Politica Nacional de Atenção Básica. 1 ed. Brasília: Ministerio da Saúde; 2012.

- Brasil. Portaria Nº 3124 de 20 de novembro de 2012 que redefine os parametros de vinculação dos Núcleos de Apoio a Saúde da Família - NASF modalidade 1 e 2 às equipes de saúde da familia, cria a modalidade NASF 3 e dá outras providências. [Online]; 2012 [acesso em: 2017 janeiro 05. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt3124_28_12_2012.html.

- Campos GWS, Domitti AC. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública.2007:23(2);399-407.

- Campos GWS. Saúde Paideia. In Campos GWS. Coleção Saúde e Debate. São Paulo: HUCITEC; 2003;9-48.

- Matuda C, Aguiar D, Frazão P. Cooperação interprofissional e a Reforma Sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Saude Soc.2013:22(1);173-186.

- Brasil. Caderno de Atenção Básica nº 39: Núcleo de Apoio a Saúde da Família, Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. 1 ed. Brasília: Ministério da saúde; 2014.

- Pinto DM, Jorge MSB, Pinto AGA, Vasconcelos MGF, Cavalcante CM, Flores AZT et al. Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto Contexto Enferm.2011:20(3);493-302.

- Martiniano CS, Sampaio J, Magalhães FC, Souza FF, Marcolino EC, Rocha AMO. Avaliação do processo de implantação das equipes dos núcleos de apoio à saúde da família. Rev enferm UFPE on line.2013:7(1);53-61.

– Escola de Saúde Pública do Ceará. Regimento Interno da Residencia integrada em Saúde. [Online].; 2014 [acesso em: 2017 janeiro 01. Disponível em: http://www.esp.ce.gov.br.

- Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR, Ribeiro EEN. Experiência da Fisioterapia no Núcleo de Apoio à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter. Mov.2010;23(2);323-330.

- Holliday OJ. Para Sistematizar Experiências. 2 ed. Brasilia: Ministerio do Meio Ambiente; 2006.

- Minayo C. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. 9 ed. São Paulo: HUCITEC; 2010.

- Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Consolidado de informações dos municípios. [Online].; 2017 [acesso em: 2017 janeiro 10. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

- Conselho Nacional de Saúde. Resolulção 510 de 07 de Abril de 2016. Brasil, Ministério da Saúde:2016.

- Secretaria Municipal de Saúde de Arneiroz. Relatorio Anual de Gestão. Arneiroz: Secretaria de Saúde de Arneiroz, Coordenação de Atenção Básica; 2016.

- Brasil. Sistema de Informações Para a Atenção Básica - SISAB: Ministério da Saúde. [Online].; 2017 [acesso em: 2017 dezembro 05. Disponível em: http://sisab.saude.gov.br/.

- Brasil. Portaria 2355, de 10 de Outubro de 2013, Altera a fórmula de cálculo do teto máximo das Equipes de Saúde da Família. [Online].; 2013 [acesso em: 2017 janeiro 10. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2355_10_10_2013.html.

- Brasil. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. 1 ed. Brasilia: Ministerio da Saúde; 2010.

- Mendes EV. As redes de atenção a saúde Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde; 2011.

- Soares GMM, Bezerra MIC. Estratégias, Possibilidades e Conquistas da Fisioterapia na Atenção Primária à Saúde: Estudo de Caso. Rev. Fisioter. S Fun.2014;3(1):45-52.

– Arruda GMMS, Barreto ICHC, Pontes RJS, Loiola FA. Educação interprofissional na pós-graduação em saúde: dimensões pedagógicas interprofissionais em uma Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Tempus, actas de saúde colet, 2016, 10(4),187-214.

- Escola de Saúde Pública do Ceará. Regimento interno da residência integrada em saúde. Fortaleza, 2014. 40 p.

- Mamede S, Penaforte J, Schmidt H, Caprara A, Tomaz JB, Sá H. Aprendizagem baseada em problemas: Anatomia de uma nova abordagem educacional. 1 ed. Fortaleza: HUCITEC; 2001.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Lima, A. W. B., Arruda, G. M. M. S., Frota, A. C., Macena, R. H. M., & Pontes, R. J. S. (2021). Implantação e implementação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: residência multiprofissional em Saúde da Família como estratégia de efetivação das políticas públicas do SUS. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2529

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA