O Direito à saúde de imigrantes haitianos na perspectiva de profissionais de saúde

Versões

Palavras-chave

Imigração
direito humano à saúde
profissionais de saúde
Brasil.

Como Citar

Martins, M. angela C., & Gugelmin, S. A. (2021). O Direito à saúde de imigrantes haitianos na perspectiva de profissionais de saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 14(3). https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2614

Resumo

A imigração haitiana no Brasil e em Mato Grosso trouxe para o sistema de saúde público questões pertinentes à sua natureza de política pública e no âmbito do direito a saúde se relacionando ao acolhimento e as práticas dos profissionais nos serviços destinados a população. Buscando compreender as concepções e práticas dos profissionais no tocante ao direito à saúde foram entrevistados 16 profissionais entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistente social. Por meio de um roteiro semiestruturado em três unidades de saúde na capital de Mato-Grosso esta pesquisa de caráter qualitativo versa sobre estas concepções. A categoria central de análise foi o direito à saúde e os núcleos de sentido foram barreiras do sistema de saúde e a comunicação e seus desafios. O reconhecimento da população imigrante como grupo detentor de direitos e a necessidade de maior compreensão referente à sua cultura, suas necessidades em saúde e seu meio social, podem ser incorporadas por meio de políticas de Estado que propiciem o protagonismo e o estabelecimento de vínculos solidários entre usuários e trabalhadores de saúde e re-situe o significado do direito à saúde entre os profissionais.
https://doi.org/10.18569/tempus.v14i3.2614

Referências

Martin D; Goldberg A, Silveira, C. Imigração, refúgio e saúde: perspectivas de análise sociocultural. Saúde Soc. São Paulo. 2018; 27 (1): 26-36.

Ventura, M. Imigração, saúde global e direitos humanos. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2018; 34 (4): 1-3.

Nogueira VMR, Pires DEP. Direito à saúde: um convite à reflexão. Caderno Saúde Pública. 2004; 20 (3): 753-760.

Arendt, H. Origens do totalitarismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

Louidor WE. Uma História Paradoxal. In: Santiago A, organizador. Haiti por si: a reconquista da independência roubada. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2013. p. 12-32.

Cavalcanti L, Oliveira ATR, Tonhati T, organizadores. A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2014.

Cavalcanti L, Oliveira T, Tonhati T, organizadores. A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro. Brasília: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais, 2017.

Muraro AP, Borges FT, Palos CC, Martins MA, Lima M, Siqueira E. Health Conditions of Haitian Immigrants in Mato Grosso, Brazil: Is Their Right to Health Care at Stake? In: Health in all Policies – APHA 143rd Annual Meeting & Expo; 2015 out-nov. 31-4; Chicago (Illinois – EUA). Chicago – American Public Health Association (APHA), 2015.

Leao LHC, Muraro AP, Palos CC, Martins MAC, Borges FT. Migração internacional, saúde e trabalho: uma análise sobre os haitianos em Mato Grosso, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2017; 33 (7): e00181816.

Gonçalves A, Dias S, Luck M, Fernandes J. E, Cabral, J. Acesso aos Cuidados de Saúde de Comunidades Imigrantes. Revista Portuguesa de Saúde Pública. 2003; 21 (1): 55-64.

Goldberg A, Silveira C. Social inequality, access conditions to public health care and processes of care in bolivian immigrants in Buenos Aires and São Paulo: a comparative inquiry. Saúde e Sociedade, 2013; 22 (2), 283-297.

Granada, D, Carreno I, Ramos N, Ramos MCP. Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface. Comunicação, Saúde e Educação. 2017; 21 (61): 285-296.

Martes ACB, Faleiros SM. Acesso dos imigrantes bolivianos aos serviços públicos de saúde na cidade de São Paulo. Saúde Soc. 2013; 22(2): 351-64.

Silveira C, Ribeiro MCSA, Carneiro Junior N, Simões O, Barata RB. Processos migratórios e Saúde: uma breve discussão sobre abordagens teóricas nas análises em saúde dos imigrantes no espaço urbano. In: Mota A, Marinho MGSMC, Silveira C, organizadores. Saúde e história de Imigrantes e imigrantes: direitos, instituições e circularidades. 5 ed. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo/Universidade Federal do ABC / Casa de Soluções e Editora; 2014. 93-108.

Rodrigues R, Dias, S. Encontro com a Diferença: a Perspectiva dos profissionais de saúde no contexto da prestação de cuidados aos imigrantes. Fórum Sociológico. 2012; 22 (1): 63-72.

Fontanella BJB, Ricas J. Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2008; 24 (1): 17-27.

BARDIN L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

Ayres JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. 1. ed. Rio de Janeiro: CEPESC, 2009.

Cuiabá. Prefeitura. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Urbano – SDU. Diretoria de Urbanismo e Pesquisa - DUP. Perfil Socioeconômico de Cuiabá, Volume V. Cuiabá: Central de Texto; 2012, 1-530.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [internet]. [Acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mt/cuiaba.html.

CUIABÃ. Secretaria Municipal de Saúde/Relatório Anual de Gestão/Assessoria de Planejamento e Gestão – ASPLAN. Cuiabá, 2016.

Jesus WLA, Assis MMA. Revisão sistemática sobre o conceito de acesso nos serviços de saúde: contribuições do planejamento. Ciênc. saúde coletiva. 2010; 15(1): 161-170.

Agier, M. Gérer les Indéserables: des camps de rèfugiés au gouvernement humanitaire, Paris: Flammarion, 2008. p. 1-22.

Damasceno J, Silva IOP, Fazzioni NH, Aderaldo GA, Jr HF. As cidades da antropologia: Entrevista com Michel Agier. Revista de Antropologia. 2010; 53 (2): 811-842.

Bauman Z. Estranhos à nossa porta. Rio de Janeiro: Zahar, 2017. p. 1-76.

Declaração Universal dos Direitos Humanos. Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris. 10 dez. 1948 [internet]. [acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: http://www.dudh.org.br/wp-content/uploads/2014/12/dudh.pdf.

Brasil. Artigos 196 da Constituição da República Federativa do Brasil de 5 de outubro de 1988. Brasília: Diário Oficial da União, 1988.

Guizardi FL, Pinheiro R. Novas práticas sociais na constituição do direito à saúde: a experiência de um movimento fitoterápico comunitário. Interface (Botucatu). 2008; 12 (24): 109-122.

Peretti C. Dignidade, direitos humanos e cidadania na perspectiva da doutrina social e de Hannah Arendt. Revista Pistis e Praxis: Teologia e Pastoral. 2014; 6 (3): 795-816.

Carta Educação [internet]. Entenda o Pacto Global de Migrações da Onu que o Brasil deixou [acesso em 10 jan 2019]. Disponível em: http://www.cartaeducacao.com.br/carta-explica/entenda-o-pacto-global-de-migracoes-da-onu-que-o-brasil-deixou/.

Giovanella L et al. Sistema universal de saúde e cobertura universal: desvendando pressupostos e estratégias. Ciênc. Saúde coletiva. 2018; 23 (6): 1763-1776.

Bordin R, Misoczky, MC; Sistema Nacional de Saúde do Haiti – Uma introdução. In: Misoczky MC, Bordin R; Barcelos R, organizadores. Fortalecimento da rede de serviços de saúde – um relato da cooperação Brasil/Cuba/Haiti. Porto Alegre: Pubblicato Editora Ltda; 2015. 27-42.

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc. saúde coletiva. 2012, 17 (11): 2865-2875.

Muraro AP et al. Projeto de extensão saúde do imigrante haitiano em Mato Grosso: experiência do primeiro triênio. Revista Corixo. 2016; 5 (2): 1-12.

Granada D, Detoni, PP. Corpos fora do lugar: Saúde e Migração no caso de haitianos no sul do Brasil. Temáticas, Campinas. 2017; 25 (49/50): 115-138.

Marques MCC, Afonso FC, Silveira C. A atenção à saúde do imigrante no contexto histórico da Saúde Pública em São Paulo. In: Mota A, Marinho GSMC, organizadores. Saúde e História de Migrantes e imigrantes. Direitos, Instituições e Circularidades. São Paulo: Casa de Soluções e Editora, 2014.

Zimmerman C, Kiss L, Hossain M. Migration and Health: A Framework for 21st Century Policy-Making. PLoS Med. 2011; 8(5): e1001034.

Santana, MA, Dancy, BL. The stigma of being named “AIDS carriers†on Haitian-American women. Health Care Women Int 2000; 21: 161-171.

CRI. Articulação para o Combate ao Racismo Institucional. Identificação e abordagem do racismo institucional. Brasília: CRI, 2006.

Risson AP, Matsue RY, Lima ACC. Atenção em Saúde aos Imigrantes Haitianos em Chapecó e suas Dimensões Étnico-Raciais. O social em questão. 2018; 21 (41): 111-130.

Zanella VG. As condições de vida e trabalho de costureiras em São Paulo; uma aproximação com imigrantes bolivianas. In: Anais II Simpósio Gênero e Políticas Públicas; 18 e 19 ago 2011; Londrina. Londrina (PR): Universidade Federal de Londrina; 2011. p.18-19.

Mello, FMRVBD. Saúde e Processo migratório. Estudo exploratório sobre acesso à saúde e tuberculose na comunidade boliviana do MSP [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo; 2014.

Van Ryn M, Burke J. The effect of patient race and socio-economic status on physicians’ perceptions of patients. Social Science e Medicine. 2000; 50 (6): 813-828.

Waldan TC. Movimentos migratórios sob a perspectiva do direito à saúde: imigrantes bolivianas em São Paulo. Revista De Direito Sanitário. 2011; 12 (1): 90-114.

Priebe S, et al. Good practice in health care for migrants: views and experiences of care professionals in 16 European countries. BMC Public Helth. 2011; 11 (187): 1-12.

Santana CLA, Carvalho LA, Silva RT, Neto FL. Redes de Serviço de saúde e apoio social aos refugiados e imigrantes. In: Mota A, Marinho MGSMC, Silveira C, organizadores. Saúde e história de imigrantes e imigrantes: direitos, instituições e circularidades. v.5. São Paulo: Casa de Soluções e Editora, 2014. p. 175-190.

Ramos, N. Saúde, migração e direitos humanos. Mudanças – Psicologia da Saúde. 2009; 17(1): 1-11.