Importância do planejamento em ações intersetoriais da Secretaria Municipal de Saúde de Moreno-PE

Autores

  • Ricardo Luiz de Carvalho Barbosa Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil
  • Dirley Ramos Cavalcante Prefeitura Municipal de Camaragibe, Camaragibe, Pernambuco, Brasil
  • Livia Teixeira de Souza Maia Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil
  • Paulo Roberto de Santana Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil
  • Pedro Manoel Araújo de Santana UNICAP, Recife, Pernambuco, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2762

Palavras-chave:

Ações Integradas de Saúde, Planejamento em Saúde e Intersetorialidade.

Resumo

Introdução: O setor de planejamento em saúde é um dos mais estratégicos para as ações de saúde municipais, pois a ele estão destinado as operações de coordenação, avaliação, controle, administração, organização e gerenciamento das práticas que serão executadas pelos diversos setores. Objetivo: Este estudo tem por objetivo analisar as potencialidades e limites da articulação intersetorial tendo como exemplaridade as ações de Planejamento em Saúde do município de Moreno-PE 2018/2019, visando a superação da fragmentação das políticas públicas. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, abordado por métodos de abordagem quali-quantitativa. Para análise dos dados foram utilizados a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo e o método da Hermenêutica Dialética. Resultados: Todos os sete sujeitos entrevistados reconhecem a importância do planejamento na saúde no intuito de atingir suas respectivas metas. O SisPlan também demonstrou ser de grande importância nesta direção, ainda que as secretarias do município não utilizem esta ferramenta em sua total plenitude, fato que tem sido um elemento impeditivo para o sucesso da integração das ações de Saúde. Discussão: Recomenda-se aos gestores qualificar o diálogo entre as secretarias, intensificar a alimentação de informações no SisPlan e programar e sistematizar os colegiados internos da Secretaria de Saúde, na perspectiva de contribuir em ações de governo que busquem superar a fragmentação das políticas públicas.

Biografia do Autor

Ricardo Luiz de Carvalho Barbosa, Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil

Sanitarista

Dirley Ramos Cavalcante, Prefeitura Municipal de Camaragibe, Camaragibe, Pernambuco, Brasil

Especialista em Saúde Pública

Livia Teixeira de Souza Maia, Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil

Doutora em Saúde Pública

Paulo Roberto de Santana, Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico de Vitória, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil

Doutor em Nutrição

Pedro Manoel Araújo de Santana, UNICAP, Recife, Pernambuco, Brasil

Mestre em Desenvolvimento de Processos Ambientais

Referências

GUIMARÃES R (2016) A Proposta de Emenda Constitucional 241/2016 e o Sistema Único de Saúde: impactos na pesquisa e na indústria. Cadernos de Saúde Pública [online]. v. 32, n. 12.

ALMEIDA FILHO N (1997) Transdisciplinaridade e Saúde Coletiva. Ciênc. saúde coletiva, [online] Rio de Janeiro , v. 2, n. 1-2, p. 5-20.

ANDRADE LOM (2004) A saúde e o dilema da intersetorialidade. 365 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Medicas, Campinas, SP [online].

SANTANA PR (2008) As ações intersetorais e a estratégia saúde da família na ótica de gestores, profissionais e usuários da saúde no município de João Pessoa, Paraíba. Tempus – Actas de Saúde Coletiva, vol. 3, nº2. p. 76-87.

GARCIA LMT et al (2014) . Intersetorialidade na saúde no Brasil no início do século XXI: um retrato das experiências. Saúde debate, [online] Rio de Janeiro , v. 38, n. 103, p. 966-980.

BRASIL (2016) Ministério da Saúde. Manual de planejamento no SUS / Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. – 1. ed., rev. – Brasília : Ministério da Saúde, 2016. 138 p. : il. – (Série Articulação Interfederativa ; v. 4).

SCHRAIBER LB et al (1999) Planejamento, gestão e avaliação em saúde: identificando problemas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 4, n. 2, p. 221-242.

MORIN E (2004) A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CARDOSO AJC, SCHIERHOLT SR (2014) Planejamento em Saúde. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, [online] Brasília, 8(2), 133-140.

PEROVANO DG (2014) Manual de Metodologia Científica: Para Segurança Pública e Defesa Social. São Paulo: Jurua Editora.

MINAYO MCS (2013) Desafio do Conhecimento. São Paulo: Hucitec.

GIL AC (2010) Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

LÈFEVRE F, LÈFEVRE AMC (2005) Depoimentos e Discursos. Brasília: Liber livro.

MINAYO MCS (2006) O desafio do conhecimento, pesquisa qualitativa em saúde. 9 ed. São Paulo: Hucitec.

MIRANDA GMD, MENDES ACG, SILVA ALA (2017) O desafio da organização do Sistema Único de Saúde universal e resolutivo no pacto federativo brasileiro. Saude soc., São Paulo , v. 26, n. 2, p. 329-335.

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

Barbosa, R. L. de C., Cavalcante, D. R., Maia, L. T. de S., de Santana, P. R., & de Santana, P. M. A. (2021). Importância do planejamento em ações intersetoriais da Secretaria Municipal de Saúde de Moreno-PE. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 12(2). https://doi.org/10.18569/tempus.v12i2.2762

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS