Graduação em Saúde Coletiva: conquistas e passos para além do sanitarismo

Jairnilson Silva Silva Paim, Isabela C.M. Pinto

Resumo


A graduação em Saúde Coletiva surge de um campo de saber e práticas, distinto da saúde pública institucionalizada, e coloca em debate várias questões. Atualmente, o debate tem girado em torno da carreira do sanitarista, da regulamentação da profissão e da sua inserção no mercado de trabalho. Com o objetivo promover uma discussão sobre tais questões, incluindo a identidade profissional, a formação de sujeitos e os campos de estágio, o presente artigo analisa, criticamente, a construção desse campo científico e âmbito de práticas e suas relações com a constituição de sujeitos transformadores, comprometidos com a Reforma Sanitária Brasileira e com a consolidação do SUS. Argumenta que a identidade p ofissional é construída em processos contraditórios, não lineares, e que o mercado de trabalho não é dado a priori, mas é o resultado de lutas e da correlação de forças políticas e ideológicas que disputam o poder no âmbito da saúde. Reconhece que a Saúde Coletiva já dispõe de um acúmulo científico, histórico, conceitual, teórico, epistemológico, metodológico, técnico e operacional para sustentar um processo de profissionalização, mas problematiza a criação de um conselho específico. Ressalta que o trabalho do profissional de Saúde Coletiva apresenta dimensões técnica, econômica, política e ideológica radicadas em valores de solidariedade, emancipação, igualdade, justiça e democracia, distintos da Saúde Pública subalterna aos centros hegemônicos. Assumindo a centralidade da crítica, conclui que a Saúde Coletiva pode reorientar a sua práxis para além do sanitarismo, como resultado da radicalidade do próprio campo.

Palavras-chave


Graduação em Saúde Pública; Saúde Coletiva; Sanitarismo; Profissional da Saúde; Identidade Profissional.

Texto completo:

PDF

Referências


Paim JS. Recursos humanos em saúde no Brasil: problemas crônicos e desafios agudos. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP; 1994.

Paim JS, Travassos, C, Almeida, C, Bahia, L, Macinko, J. The brazilian health system: history, advances, and challenges; Lancet 2011; 377(9779):1778-1797, 2011.

Health conditions and health-policy innovations in Brazil: the way forward Victoria CG, et. al. The Lancet 2011; 377( 9782): 2042-2053.

Paim J S. Desafios para a saúde coletiva no século XXI. Salvador: Ed. UFBA; 2006.

Bosi MLM, Paim JS. Graduação em saúde coletiva: subsídios para um debate necessário. Cad.Saúde Pública 2009; 25(2):236-237.

Chauí MH. Boas-vindas à Filosofia. São Paulo: Martins Fontes; 2010. p. 35-36.

Waitzkin H, Iriart C, Estrada A, Lamadrid S. Social Medicine, then and now: lessons from Latin American. American Journal of Public Health, 2001; 91(10):1592-1601.

Garcia JC. Apresentação: Juan César Garcia entrevista Juan César Garcia. In: Nunes, ED. As ciências sociais em saúde na América Latina. Tendências e perspectivas, Brasília, OPAS, 1985.

Paim JS. Do “dilema preventivista” à saúde coletiva. In: Arouca, AS. O dilema preventivista. Contribuição para a compreensão e crítica da Medicina Preventiva. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p. 151-156.

Paim JS. Contribuições do marxismo para a reforma sanitária brasileira.

In: Pereira, MC, Silva, MDF. Recortes do pensamento marxista em saúde. Brasília: Dreams; 2006. p. 29-41.

Escorel S. Reviravolta na saúde: origem e articulação do movimento Sanitário. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1998.

Arouca AS. O dilema preventivista: contribuição para a

compreensão e crítica da medicina preventiva. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003.

Paim JS. Reforma sanitária brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Salvador: Ed.UFBA; Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008.

Ribeiro PT. A instituição do campo científico da saúde coletiva no Brasil. Dissertação. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, 1991. 132 f.

Paim JS, Almeida-Filho N. A crise da saúde pública e a utopia da saúde coletiva. Salvador: Casa da Qualidade; 2000.

Lima NT, Santana JP. Org. Saúde coletiva como compromisso: A trajetória da ABRASCO. Rio de Janeiro: Fiocruz/Abrasco; 2006.

Donnangello MCF. A Pesquisa na área de saúde coletiva no Brasil: a década de 70. Ensino da saúde pública, medicina preventiva e social no Brasil, Rio de Janeiro, 1983; 2: 17-35.

Bosi MLM, Paim JS. Graduação em saúde coletiva: limites

e possibilidades como estratégia de formação profissional. Revista ciência

e saúde coletiva; 2010; 15(4):2029-2038.

Noronha J, Santos I, Pereira T. Relações entre o SUS e a saúde suplementar: problemas e alternativas para o futuro do sistema universal.

In: Santos, NR, Amarante, PDC. Orgs. Gestão pública e relação público-privado na saúde. Rio de Janeiro: Cebes; 2011. p. 152-79.

Paim J. S. Reforma Sanitária Brasileira: uma promessa não cumprida? In: Sousa MF, Fernandes WR, Mendonça AVM, Cabral JC, Rocha GC. A saúde em construção: das imagens às palavras. Encontro de gerações. Campinas,SP: Saberes, 2011. p. 69-79.

Ocké-Reis CO. SUS: o desafio de ser único. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

Donnangelo MCF. Medicina e sociedade: o médico e seu mercado de trabalho. São Paulo: Pioneira, 1975.

Elias PE. Graduação em saúde coletiva: notas para reflexões. Interface - Comunicação, saúde, educação, 2003; 7(13):167-70.

Machado MH. et. al. Os médicos no Brasil: um retrato da realidade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 1997.

Starr P. La transformación social de la medicina en los Estados Unidos de América. Tradução de Agustín Bárcena. México: Fondo de Cultura Económica, 1991.

Machado MH. org. Profissões de saúde: uma abordagem

sociológica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1995. p.11-33.

Girardi SN, Fernandes Jr.H, Carvalho CL. A regulamentação das profissões de saúde no Brasil. Espaço Saúde [Portal]. Disponível em: < http://www.ccs.uel.br/espacoparasaude/v2n1/

RPSB.htm>. Acesso em: 10 jun. 2013.

Althusser L. El capital: a la filosofia de Marx. In: Althusser, L.,

Balibar, E. Para leer El capital. 15.ed. México: SigloVeintiuno, 1977.

Donnangelo MCF. Saúde e sociedade. São Paulo: Duas Cidades, 1976. p.24.

Paim JS. Collective health and the challenges of practice.

In: PAHO. The Crisis of Public Health: Reflections for the Debate.

Washington D.C., PAHO, 1992. p.136-150.

Mendes-Gonçalves RB. Práticas de saúde: processos de trabalho e necessidades.São Paulo, CEFOR, 1992. (Cadernos CEFOR. Textos, 1).

Mendes-Gonçalves RB. Tecnologia e organização das práticas de saúde: características tecnológicas do processo de trabalho da rede estadual de Centros de Saúde de São Paulo: Hucitec-Abrasco; 1994.

Teixeira SF. org. Reforma Sanitária em busca de uma teoria.

São Paulo: Cortez; Rio de Janeiro: Abrasco; 1989.

Bensaïd D. Marx ha vuelto. Buenos Aires: Edhasa; 2011.

Renault E, Duménil G, Löwy M. Ler Marx. São Paulo:

Editora UNES; 2011.

Coutinho CN. org. O leitor de Gramsci: escritos escolhidos 1916-1935. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2011.

Vázquez AS. Filosofia da práxis. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciências Sociales – CLACSO; São Paulo: Expressão Popular; 2007.

Coelho MFP, BANDEIRA L, Menezes M. L. Org. Política, ciência e cultura em Max Weber. Brasília: Edunb; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado; 2000.

Habermas J. Teoria e práxis: estudios de filosofa social. Madrid: Tecnos; 1990.

Bourdieu P. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus Editora; 1997.

Testa M. Pensamento Estratégico e Lógica de Programação (o caso da saúde). São Paulo: Abrasco, 1995.

Testa M. Pensar em saúde. Porto Alegre: Artes médicas/ABRASCO; 1992.

Held D. Desigualdades de poder, problemas da democracia. In: Miliband, D. Reinventando a esquerda. São Paulo: Fundação Editora UNESP; 1997. p. 67-82.

Santos BS. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência.São Paulo: Cortez; 2000. p. 266.

CDC/CLAISS/OPS. La salud pública en las Américas. Instrumento para la medición de las funciones esenciales de salud pública. Versión preliminar (documento de trabajo); 2000.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. A gestão da saúde nos estados: avaliação e fortalecimento das funções essenciais. Brasília: CONASS; 2007.

Paim JS. O futuro do SUS. Caderno de Saúde Pública, 2012; 28:612-613.

Borges FT, Moimaz SAS, Siqueira, CE, Garbin, CAS. Anatomia da privatização neoliberal do Sistema Único de Saúde. O Papel

das Organizações Sociais de Saúde. São Paulo: Cultura Acadêmica; 2012.

Costa AM, Bahia L, SCHEFFER M. Onde foi parar o sonho do SUS?.Brasil: Le Monde Diplomatique, 2013; 69: 30-31.

Ayres JRCM. Conceptos y prácticas em salud pública: algunas reflexiones. Revista Facultad Nacional de Salud Pública, 2002; 20(2):67-82.

Testa M. Decidir en Salud: ¿Quén?, ¿Cómo? Y ¿Porqué?.Salud Colectiva, 2007; 3(3):247-257

TESTA M. Vida. Señas de identidade (miradas al espejo).

Salud Colectiva, 2005; 1(1):33-58.

Dallmayr F. Para além da democracia fugidia: algumas reflexões modernas e pósmodernas. In: Souza, J. org. Democracia hoje. Novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Ed. UnB; 2001. p. 11-38.

Marx K. Teses sobre Feuerbach. In: Marx, K, Engels, F. Textos.

São Paulo: Edições Sociais, 1977. v. 1, p. 118-120.

Paim JS. Transición paradigmática y desarrollo curricular em salud pública. In: OPS/OMS/ALAESP. Educación em salud pública: Nuevas perspectivas para las Américas. Washington D.C.; 2001. p.85-112.

Nogueira MA. As possibilidades da política: idéias para a reforma democrática do estado. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

Fleury S. Democracia e socialismo: o lugar do sujeito. In: Fleury, S, Lobato, LVC. org. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: Cebes, 2009. p. 24-46. (Pensar em saúde).

Laclau E, Mouffe C. Hegemonia y estrategia socialista: Hacia uma radicalización de la democracia.3. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica; 2010.

Loureiro S, Paim JS. The Social Production of Counter-Hegemonic Health Policies. In: Anais do 10. International Conference of Association Health Policy ; 1998; Perugia: IAPH;. p.101-106.

Saltarelli EC. Estudos sobre a força de trabalho em saúde no Brasil: história e perspectivas. Belo Horizonte: UFMG; 1992.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática

educativa. 29. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004. (Leitura).

Schraibe RLB. Saúde Coletiva: um campo vivo. In: Paim, JS. Reforma sanitária brasileira: contribuição para a compreensão e crítica. Salvador: Ed. UFBA; Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v7i3.1390



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________