Caminhos e vivências de investigação acerca da saúde da população LGBT em uma capital do nordeste brasileiro

Breno de Oliveira Ferreira, Fábio Solon Tajra, Zaira Arthemisa Mesquita Araújo, Edson Oliveira Pereira, Flávia Rachel Nogueira de Negreiros Freitas, José Ivo dos Santos Pedrosa

Resumo


O preconceito por motivos de orientação sexual e por identidade de gênero incide na determinação social da saúde ao desenvolver processos de adoecimento e sofrimento decorrentes do estigma social reservado à população de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Travestis (LGBT) na Saúde Coletiva. Diante disso, esse trabalho trata-se de um relato de experiência que buscou analisar a condução de uma pesquisa nacional que investigou o acesso e a qualidade da atenção integral à saúde da população de LGBT no Sistema Único de Saúde (SUS). O recorte abrange vivências e reflexões dessa produção em Teresina, Piauí. Aliado a isso, foi ressaltada a necessidade de possibilitar a reflexão sobre as atividades desenvolvidas a fim de compreender as fortalezas, fraquezas, oportunidades e ameaças na execução da pesquisa, e os resultados obtidos por meio desta análise possibilitaram uma visão detalhada da percepção dos pesquisadores sobre o processo de investigação.

Palavras-chave


Sistema Único de Saúde, Sexualidade, Equidade em saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Foucault M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 1988; 13.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e População LGBT: Demandas e Especificidades em Questão. Psicologia: ciência e profissão; 2012; 32 (3): 552-563.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra LGBT e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

Lionço T. Que Direito à Saúde para a População GLBT? Consi¬derando Direitos Humanos, Sexuais e Reprodutivos em Busca da Integralidade e da Equidade. Saúde e Sociedade; 2008; 17 (2):11-21.

Valadão RC, Gomes R. A homossexualidade feminina no campo da saúde: da invisibilidade à violência. PHYSIS – Revista de Saúde Coletiva, 2011; 21 (4): 1451-1467.

Cerqueira-Santos et al. Percepção de Usuários Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, Transexuais e Travestis do Sistema Único de Saúde. Revista Interamericana de Psicologia, 2010; 44 (2):235-245.

Brasil. Política nacional de saúde integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

Soares S, Ferraz AF. Grupos operativos de aprendizagem nos serviços de saúde: sistematização de fundamentos e metodologias, Escola Anna Nery; 2007; v.11(1): 52-57.

Barboza R, Rocha ATS. O direito e o acesso à saúde de gays e homens que fazem sexo com homens: um olhar sobre o VIII Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e Aids e I Congresso Brasileiro das Hepatites Virais. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.), 2011; 13(2):100-110.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.1855



Direitos autorais 2017 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________