Práticas coletivas da Psicologia na Atenção Primária à Saúde

Catheline Rubim Brandolt, Pâmela Kurtz Cezar

Resumo


Este artigo é um relato de experiência e objetiva descrever as práticas coletivas da Psicologia na Atenção Primária à Saúde, por meio de vivências de uma psicóloga, vinculada a um Programa de Residência Multiprofissional Integrada, numa equipe de Saúde da Família. Destaca-se que as possibilidades de intervenção da psicologia no campo da Saúde Pública, em especial na Atenção Primária à Saúde, se ampliaram nos últimos anos. Para além das ações clínicas de cunho individual, a psicologia se inseriu no contexto do trabalho em equipe, por meio de práticas coletivas/interdisciplinares, que englobam atividades de grupos, visitas domiciliares, interconsultas, acolhimento multiprofissional, entre outras ações e articulações intersetoriais. Conclui-se, portanto, que o espaço de formação proporcionado pelo Programa de Residência Multiprossional Integrada possibilita que o psicólogo possa ampliar e qualificar suas possibilidades de atuação no campo da saúde, em conformidade com os princípios do Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave


Psicologia; Atuação do psicólogo; Atenção Primária à Saúde; Saúde da Família.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde(BR). Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Polejack L, Totugui ML, Gomes PMH, Conceição MIG. Atuação do psicólogo nas políticas públicas de saúde: caminhos, desafios e possibilidades. In.: Polejack L [et al] (Orgs.) Psicologia e políticas públicas na Saúde: experiências, reflexões, interfaces e desafios. 1ªed. Porto Alegre: Rede Unida; 2015, p.29-48.

Merhy EE, Onocko R. Agir em Saúde: um desafio para o público. Ed Hucitec; 1997.

Merhy EE, Franco TB B. Por uma composição técnica do trabalho centrada nas tecnologias leves e no campo relacional. Rev Saúde em debate. 2003 Set/Dez; 27(65):1- 13.

Ministério da Saúde (BR). Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 160 p (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica ; n. 27)

Dallegrave D, Kruse MHL. A invenção da residência multiprofissional em saúde.In: Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde; organização de Ananyr Porto Fajardo, Cristianne Maria Famer Rocha, Vera Lúcia Pasini. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010, p.35-59..

Ferreira SR, Olschowsky A. Residência: Uma modalidade de ensino.In.:Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde; organização de Ananyr Porto Fajardo, Cristianne Maria Famer Rocha, Vera Lúcia Pasini. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010, p.23-34.

Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde (BR). Resolução nº 2 de 13 de abril de 2012. Dispõe sobre Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 abr. 2012. Seção I, p.24-25

Cezar PK, Rodrigues PM, Arpini DM. A Psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Vivências da Residência Multiprofissional. Rev. Ciência e Profissão. 2015;1(35,): 211-224.

Cruz MM, Bourget MMM. A visita domiciliária na Estratégia Saúde da Família: conhecendo as percepções das famílias. Rev Saúde Soc. São Paulo. 2010;19 (3): 605-6013.

Abrahão AL. Atenção e cuidado em saúde no ambiente familiar: aspectos da visita domiciliar. Rev APS, 2011 Out./Dez; 14 (4): 472-480

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Referências técnicas para Prática de Psicólogas(os) no Centro de Referência Especializado da Assistência Social - CREAS. Brasília, 2012.

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Práticas profissionais de psicólogos e psicólogas a atenção básica à saúde, 1ª Ed. 2010.

Ministério da Saúde (BR). HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS); 2015.

Ministério da Saúde (BR). CN-DST/Aids. Aconselhamento em DST/Aids: diretrizes e procedimentos básicos.Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

Ministério da Saúde (BR). Caderno do gestor do PSE. Brasília : Ministério da Saúde; 2015.

Cruz MLS, Franco L,Carvalho JW, Silva FB da, Betele VC, Lima MF de, et al. Reunião de equipe: uma reflexão sobre sua importância enquanto estratégia diferencial na gestão coletiva no Programa de Saúde da Família (PSF). Psic. Rev. São Paulo. 2008; 17 (1e.2):161-183.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). SUS 20 anos. Brasília; 2009.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). Planificação da Atenção Primária à Saúde nos Estados. Brasília; 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2051



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________