A contra-reforma do Estado Brasileiro e seus efeitos no trabalho em saúde nos serviços públicos

Claudia March

Resumo


O presente ensaio objetiva contribuir para a
análise da relação entre o Estado brasileiro e
os trabalhadores de saúde em uma conjuntura
de contra-reforma do Estado a partir de uma
análise das proposições dos governos Fernando
Henrique Cardoso e Luis Inácio Lula da Silva.
Parto do pressuposto de que está em curso
desde o primeiro governo Fernando Henrique
Cardoso um processo de contra-reforma no setor
saúde sutil, gradual e informal. Particularmente
no que diz respeito à relação entre o Estado e
os trabalhadores do setor público de saúde,
durante os governos de Fernando Henrique
Cardoso a proposição de Organizações Sociais
(OS) e a proposta de Emprego Público, dentre
outras atingiram direitos dos trabalhadores.
Durante o período, a precarização das relações
de trabalho se generalizou na administração
pública. Na seqüência, o governo Luiz Inácio
Lula da Silva, ainda que sob a retórica de combate à precarização do trabalho em saúde
no setor público, apresenta ao Congresso
Nacional a projeto de criação das Fundações
Estatais de Direito Privado (FEDP) para as
políticas sociais, as quais possuem extrema
semelhança com as OS, com destaque para a
flexibilização dos direitos dos trabalhadores do
serviço público.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v5i1.925



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________