O PET-Saúde no contexto do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: contribuições para a reorientação das práticas de saúde.
PDF

Como Citar

Arce, V. A. R., & Oliveira, E. C. de. (2015). O PET-Saúde no contexto do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: contribuições para a reorientação das práticas de saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(1), Pág. 65-77. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1692

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir as repercussões do PET-Saúde nas práticas de saúde dos profissionais que atuam em um Núcleo de Apoio à Saúde da Família da cidade de Salvador e que participaram como preceptores do projeto. A experiência construída pela Universidade Federal da Bahia foi estruturada a partir de oficinas de qualificação do grupo, encontros de planejamento e execução de ações de educação em saúde. O projeto, que estabeleceu como eixo central o enfrentamento da violência no âmbito escolar por meio de ações educativas orientadas pela Promoção da Saúde, permitiu a inserção de novas práticas na realidade do trabalho dos profissionais, como a análise da situação de saúde e a adoção de uma perspectiva dialógica e participativa de educação em saúde. Tais práticas potencializam a construção de uma identidade transformadora para o NASF e são fundamentais para o fortalecimento da Estratégia Saúde da Família e consequente consolidação de um modelo de atenção integral à saúde, orientado, sobretudo, pela perspectiva da Promoção da Saúde.
https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1692
PDF

Referências

Ministério da Saúde (BR). Portaria interministerial nº 421, de 3 de março de 2010. Institui

o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) e dá outras providências

[internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 mar. 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.

gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/pri0421_03_03_2010.html. Acessado em: 17/10/2014.

Freitas PH, Colomé JS, Carpes AD, Backes DS, Beck CLC. Repercussões do pet-saúde na

formação de estudantes da área da saúde. Esc. Anna Nery. 2013; 17(3): p. 496-504.

Caldas JB, Lopes ACS, Mendonça RD, Figueiredo A, Lonts JGA, Ferreira EF, et al. A

percepção de alunos quanto ao programa de educação pelo trabalho para a saúde - PETSaúde.

Rev. bras. educ. med. 2012; 36(1): p. 33-4.

Starfield B. Atenção Primária, equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia.

a ed. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde; 2004.

Aquino R, Medina MG, Nunes CA, Sousa MF. Estratégia Saúde da Família e

reordenamento do sistema de serviços de saúde. In: Paim JS, Almeida-Filho N. Saúde Coletiva:

Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Med Book; 2014. p. 353-72.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política

Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização

da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família e o Programa de Agentes Comunitários de

Saúde [internet]. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 21 out. 2011. Disponível em: http://bvsms.

saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html. Acessado em: 20/07/2014.

Araújo EMD, Galimbertti PA. A colaboração interprofissional na estratégia saúde da família.

Psicol. Soc. 2013; 25(2): p.461-68.

Costa LS, Alcântara LM, Alves RS, Lopes AMC, Silva AO, Sá LD, et al. A prática do

fonoaudiólogo nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família em municípios paraibanos. CoDAS.

; 25(4): p. 381-7.

Leite DC, Andrade AB, Bosi MLM. A inserção da Psicologia nos Núcleos de Apoio à

Saúde da Família. Physis. 2013; 23(4): p. 1167-87.

Barbosa EG, Ferreira DLS, Furbino SAR. Experiência da fisioterapia no Núcleo de Apoio

à Saúde da Família em Governador Valadares, MG. Fisioter. mov. 2010; 23(2): p. 323-30.

Teixeira CF, Vilasbôas ALQ. Modelos de Atenção à Saúde no SUS: transformação,

mudança ou conservação? In: Paim JS, Ameida-Filho, N. Saúde Coletiva: Teoria e Prática. Rio

de Janeiro: Medbook; 2014. p. 287-301.

Salvador. Secretaria Municipal de Saúde. Plano Municipal de Saúde 2014-2017.

Disponível em: http://www.saude.salvador.ba.gov.br/arquivos/astec/pms_2014_2017_versao_

preliminar.pdf. Acesso em Abr. 2015.

Giovanella L. Atenção Primária à Saúde seletiva ou abrangente? Cad. Saúde Pública.

; 24(1): p. 21-3.

Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & saúde coletiva. 2000; 5(1): p.

-77.

Alves VS. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela

integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface. 2005; 9(16): p. 39-52.

Acurcio FA, Santos MA, Ferreira SM. A aplicação da técnica da estimativa rápida no

processo de planejamento local. In: Mendes EV, organizador. A organização da saúde no nível

local. São Paulo: Hucitec; 1998. p. 87–110.

Paim JS. Planejamento de saúde para não especialistas. In: Campos GWS, Minayo MCS,

Akerman M, Drumond MJ, Carvalho YM, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo,

Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco; 2006. p.767-82.

Gomes LC. O desafio da intersetorialidade: a experiência do Programa Saúde na Escola

(PSE) em Manguinhos, no Município do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola

Nacional e Saúde Pública Sergio Arouca, 2012.

Ferreira I, Moysés SJ, França BHS, Carvalho ML, Moysés ST. Percepções de gestores

locais sobre a intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Revista Brasileira de Educação.

; 19(56), 61-76.

Minayo MCS. Violência, um problema para a saúde dos brasileiros: introdução. In: Souza

ER, Minayo MCS, organizadores. Impacto da Violência na saúde dos brasileiros. Brasília:

Ministério da Saúde; 2005. p. 9-33.

Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editores. Relatório mundial sobre

violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2002.

Melo EM, Faria HP, Melo MAM, Chaves AB, Machado P. Projeto Meninos do Rio.

Mundo da vida, adolescência e riscos de saúde. Cad. Saúde Pública. 2005; 21(1), p. 39-48.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n. 2446 de 11 de novembro de 2014. atualizar

a Política Nacional de Promoção da Saúde e incrementar as ações de promoção da saúde no

território, bem como garantir sua consonância com os princípios e diretrizes do SUS. Brasil,

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.

html. Acesso em Abr. 2015.