O olhar de cada um: elementos sobre a construção cotidiana do Programa Saúde na Escola no DF.

Autores

  • Luciana Sepúlveda Köptcke Universidade de Brasília - Núcleo de Estudos de Saúde Pública
  • Izabela Amaral Caixeta
  • Fernando Gomes da Rocha

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1798

Resumo

O artigo apresenta os achados referentes à institucionalidade e aos processos de implementação do Programa Saúde na Escola, em duas regiões do DF: Gama e Candangolândia. Tratou-se de pesquisa analítica de abordagem qualitativa que visou compreender as relações intersetoriais a partir da percepção dos atores envolvidos. Utilizou a análise de conteúdo de 15 entrevistas realizadas, em 2014, junto a gestores e profissionais dos setores saúde e educação, nas esferas federal distrital e local. Foram apresentados quatro temas estruturantes das falas dos entrevistados: a percepção do programa e de seus componentes; a percepção do papel que (seu setor) desempenha no PSE; a percepção sobre o papel ou atribuições do “Outro” e sobre a importância do Grupo de Trabalho Intersetorial. Revelou que a compreensão sobre o programa e seus componentes varia segundo o setor e a esfera de origem do entrevistado. O programa é percebido de forma positiva por potencializar articulação intrasetorial, embora enfrente desafios comunicacionais e na distribuição de poder entre os setores e esferas. A relação de afinidade entre o programa e a ação finalística de um setor é fator facilitador para a implementação do programa. Ratificou, ainda, a importância do reconhecimento de novos espaços de interlocução como os Grupos de Trabalho Intersetoriais para apoiar o trabalho intersetorial.

Referências

BUSS, P., M., Promoção da Saúde da Família, Promoção da Saúde, Programa saúde da Família, dezembro de 2002. p. 50-63.

Ferreira IRC, Ramos V D S, Jorge, M S, Tetu, M S. Diplomas Normativos do Programa Saúde na Escola: análise de conteúdo associada à ferramenta. Ciênc. saúde coletiva 2012, Dez.

[Acesso em 13.oct.2015]

Figueiredo T A M, Machado V L T, Abreu M Mi S. A saúde na escola: um breve resgate histórico. Ciênc. saúde coletiva, 2010 15( 2 ): 397-402.

Silva, C., S., Promoção da saúde na escola: Modelos Teóricos e desafios da Intersetorialidade no município do Rio de janeiro, Tese de Doutorado, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de janeiro, sn., 2010, 198f.

Silva Junior, A J. Programa saúde na escola: limites e possibilidades intersetoriais. Interface (Botucatu), 2014, 18( 51 ): 799-799.

Lourau, R., L´analyse institutionnelle, Paris: Les èditions de Minuit, 1970: 102.

Potvin, L. On the nature of programs: health promotion programs as action. Ciência e Saúde Coletiva, Sept 2004, 9 (3): 731-738

Bodstein, R. O debate sobre avaliação das práticas e estratégicas em Promoção da saúde. B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, 2009, 35 (2): 7-15.

Minayo, (organizadora), Deslandes , Neto, Gomes, Pesquisa social, teoria, método e criatividade. 18ª edição, Petrópolis: RJ: Vozes, 2001: 22-23.

Gil, A.C., Métodos e Técnicas de Pesquisa Social, São Paulo: Atlas, 2014: 94

World Health Association. Division of Mental Health. Qualitative Research for Health Programmes. Geneva: WHA, 1994.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1995.

Ferreira, I.R.C.; Vosgerau, D.S.A.R; Moysés, S.J; Moysés, S.T.; Diplomas Normativos do Programa Saúde na escola: análise de conteúdo associada à ferramenta ATLAS TI, Ciência e

Saúde Coletiva, 17 (12):3385-3398, 2012,

Araújo Dias, M S; Feijão Parente, J R; Osawa Vasconcelos, M I; Cavalcante Dias, F A. Intersetorialidade e estratégia Saúde da Família: tudo ou quase nada a ver? Ciência & Saúde

Coletiva, 2014,19 (11): 4371-4382

Mendonça, C S. [Entrevistas]. Revista Brasileira Saúde da Família, Brasília, DF. 2008,

: 6-7

Santiago L M, Rodrigues M T P, Oliveira Junior A D, Moreira TMM. Implantação do Programa Saúde na escola em Fortaleza-CE: atuação de equipe da Estratégia Saúde da Família.

Rev. bras. enferm. 2012,65( 6 ): 1026-1029

Canesqui, A. M. Trajetória da educação popular nas instituições estaduais de saúde. In: Paiva, V. (Org.). Perspectivas e dilemas da educação popular. Rio de Janeiro: Graal, 1984:315-24.

Mohr, A. e Schall, V. T. Rumos da educação e saúde no Brasil e sua relação com a educação ambiental. In: Cadernos de Saúde Pública, 1992, 8 (2): 199-203.

Collares, C A L; Moysés, M A A. Educação ou Saúde? Educação X Saúde? Educação e Saúde! Cadernos Cedes, 1985, 15: 7-16.

Downloads

Publicado

2015-12-28

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)