Saúde ocupacional e riscos psicossociais em trabalhadores da limpeza de instituição de ensino superior: Um estudo qualitativo em Brasília, DF.

Autores

  • Matheus de Oliveira Andrade
  • Vinícius Santos da Cunha
  • Wallisson de Medeiros Sales Lins
  • Felipe Rodrigues Yung
  • José Alberto Souza Abdon
  • Elza Maria de Souza

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1859

Palavras-chave:

Saúde ocupacional, Risco psicossocial, Universidade.

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a percepção dos funcionários da limpeza em uma instituição pública de ensino superior sobre condições de trabalho e saúde no meio universitário, comênfase para os aspectos físico-ambientais e psicossociais que determinam a saúde deste grupo no ambiente onde estão inseridos. Foi conduzida uma pesquisa qualitativa, utilizando-se a técnica de entrevista em profundidade junto a 16 funcionários da limpeza de ambos os sexos. Os trabalhadores têm a percepção de que não são devidamente valorizados. A maioria afirmou que o trabalho influencia negativamente a saúde, principalmente devido a dores osteomusculares, alergia aos produtos químicos de limpeza, exaustão e estresse pela sobrecarga de trabalho e falta de colaboração da comunidade universitária. Além disso, todos possuem percepção negativa da terceirização, em decorrência da alta rotatividade de empresas que inviabiliza o cumprimento de direitos trabalhistas, como férias regulares e décimo terceiro salário. Conclui-se que os trabalhadores da limpeza estão submetidos a condições desfavoráveis de trabalho, de modo que a consolidação de um ambiente universitário promotor de saúde para o trabalhador pressupõe uma construção conjunta que envolva o trabalhador, o âmbito comunitário e o administrativo. Faz-se necessário o desenvolvimento de modelos de promoção de saúde para os trabalhadores terceirizados no ambiente estudado.

Referências

Carayon P, Smith MJ, Haims MC. Work organization, job stress, and work-related musculoskeletal disorders. Hum Factors. 1999; 41(4):644-63.

Glina DMR, Rocha LE, Batista ML, Mendonça MGV. Saúde mental e trabalho: uma reflexão sobre o nexo com o trabalho e o diagnóstico, com base na prática. Cad Saude Pública. 2001; 17(3): 607-616.

Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais no trabalho que podem levar ao estresse: uma análise da literatura. Cienc Cuid e Saúde. 2008; 7(2): 232-240.

Costa LS, Santos M. Fatores psicossociais de risco no trabalho: lições aprendidas e novos caminhos. Int J Working Conditions. 2013; 5: 39-58.

Alamgir H, Yu S. Epidemiology of occupational injury among cleaners in the healthcare sector. Occup Med (Lond). 2008; 58(6): 393-399.

Martarello, NA, Benatti MCC. Qualidade de vida e sintomas osteomusculares em trabalhadores de higiene e limpeza hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2009, 43(2): 422-428.

Monteiro MI, Chillida MSP, Bargas EB. Educação continuada em um serviço terceirizado de limpeza de um hospital universitário. Rev Lat Am Enfermagem. 2004; 12(3): 541-548.

Chillida MSP, Cocco, MIM. Saúde do trabalhador & terceirização: perfil de trabalhadores de serviço de limpeza hospitalar. Rev Lat Am Enfermagem. 2004; 12(2): 271-276.

Vizcaya D, Mirabelli MC, Orriols R, Antó JM, Barreiro E, Burgos F, Arjona L, Gomez F, Zock JP. Functional and biological characteristics of asthma in cleaning workers. Respir Med. 2013; 107(5): 673-83.

Bauer A. Contact dermatitis in the cleaning industry Curr Opin Allergy Clin Immunol. 2013; 13(5): 521-4.

Chang JH, Wu JD, Liu CY, Hsu DJ. Prevalence of musculoskeletal disorders and ergonomic assessments of cleaners. Am J Ind Med. 2012; 55(7): 593-604.

Abbas RA, Hammam RA, El-Gohary SS, Sabik LM, Hunter MS. Screening for common mental disorders and substance abuse among temporary hired cleaners in Egyptian Governmental Hospitals, Zagazig City, Sharqia Governorate. Int J Occup Environ Med. 2013; 4(1): 13-26.

Charles LE, Loomis D, Demissie Z. Occupational hazards experienced by cleaning workers and janitors: A review of the epidemiologic literature. Work. 2009; 34(1) 105-16.

Barbosa SC, Melo RLP, Medeiros MUF, Vasconcelos TM. Perfil de Bem-Estar Psicológico em Profissionais de Limpeza Urbana. Rev Psi: Org e Trab. 2010; 10(2): 54-66.

Dantas JAB, Dantas TMTA. Percepção das condições de trabalho dos funcionários responsáveis pela higiene e limpeza das instalações sanitárias: estudo de caso de uma instituição de ensino superior do nordeste – IES/NE, período março-abril /1997. Sitientibus. 1998; 18: 99-116.

Sarriá A, Guardiã J, Freixa M. Introducción a la estadística en Psicología. 1ª Edição. Barcelona: Ediciones de la Universitat de Barcelona; 1999.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª Edição. São Paulo, Rio de Janeiro: Hucitec, Abrasco; 2004.

Repullo Jr, R. Os sindicatos, a terceirização e a saúde dos trabalhadores. Rev Bras Saúde Ocup. 1997; 23(85/86): 79-82.

Mayhew C, Quinlan M, Ferris R. The effects of subcontracting/outsourcing on occupational health and safety: survey evidence from four Australian industries. Safety Science. 1997; 1(3): 163-78.

Mayhew C, Quinlan M. The effects of outsourcing on occupational health and safety: a comparative study of factory-based workers and outworkers in the Australian clothing industry. Int J Health Serv. 1999; 29(1) 83-107.

Reis ALPP, Fernandes SRP, Gomes AF. Estresse e fatores psicossociais. Psicol Cien Prof. 2010; 30(4): 712-725.

Gonzales BBA, Carvalho MDB. Saúde mental de trabalhadores do serviço de limpeza de um hospital universitário. Acta Scientiarum. 2003; 25(1): 55-62.

Mello ALSF, Moysés ST, Moysés SJ. A universidade promotora de saúde e as mudanças na formação profissional. Interface (Botucatu). 2010; 14(34): 683-92.

Dias EC, Silveira AM, Chiavegatto CV, Resende NP. O ensino das relações trabalho-saúde-doença na escola médica: percepçãoo dos alunos e proposta de aperfeiçoamento na UFMG. Rev Bras Educação Médica. 2006; 30(1): 20-26.

Goldman RH, Rosenwasser S, Armstrong E. Incorporating environmental/occupational medicine theme into the medical school curriculum. J Occup Med. 1999; 41(1): 47-52.

Levy B. The teaching of occupational health in American schools: five-year follow-up of an initial survey. Am J Public Health. 1985; 75(1): 79-80.

Downloads

Publicado

2016-05-20

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS