A Caracterização da cultura do crack, acessibilidade e formas de uso nos Centros de Atenção Psicossocial de álcool e drogas do Distrito Federal.

Autores

  • Aurélio Matos Andrade Universidade de Brasília(UnB)
  • Ronald Lamas Côrrea Professor do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB)

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2409

Palavras-chave:

Cocaína Crack, Drogas ilícitas, Comportamentos de Riscos, Saúde Pública

Resumo

Este trabalho caracteriza a situação do uso do crack no Centro de Atenção Psicossocial de álcool e drogas (CAPSad) do Distrito Federal, assim como acesso, formas de uso, perfil sociodemográfico, socioeconômico e sociocultural sob perspectiva do próprio usuário. Foram entrevistados 100 indivíduos, cada participante submeteu-se a responder um questionário durante os meses de fevereiro a maio de 2011. O perfil predominante do usuário de crack foi homem, jovem, solteiro, médio nível de escolaridade e média classe socioeconômica dentre os que apresentam vínculo empregatício. O acesso a crack é simples e fácil, condicionado a estratégias de mercado (crack delivery). A forma de uso mais utilizada é lata de alumínio. Foram identificadas técnicas de consumo shotgun, mesclado (crack e maconha) entre os indivíduos estudados. No entanto, é necessária maior conscientização das autoridades públicas competentes na atualização de programas de intervenção e controle do crack no Distrito Federal.

Biografia do Autor

Aurélio Matos Andrade, Universidade de Brasília(UnB)

Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília(UnB). Bolsista Colaborador de Projetos do Núcleo de Estudos em Saúde Pública(NESP) do Observatório das Políticas de Atenção à Saúde Mental no Distrito Federal(Obsam).

Ronald Lamas Côrrea, Professor do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB)

MBA em Política em Gestão e Sistemas de Saúde pela Fundação Getúlio Vargas-FGV

Referências

Dackis CA, O’Brien CP. Cocaine dependence: a disease of the brain’s reward centers. J Subst Abuse Treat. 2001;21:111-7.

Zeni TC; Araújo RB. O relaxamento respiratório no manejo do craving e dos sintomas de ansiedade em dependents de crack. Revista Psiquiatria Rio Grande Sul. 2008, 31(2): 116-119; 2009.

Leite MC, Andrade AG. Cocaína e Crack dos Fundamentos ao Tratamento. Porto Alegre: Artemed; 1999.

Uchôa M A. Crack o Caminho das Pedras. São Paulo: Ática; 1996.

Ribeiro JM, Moreira, MR, Bastos FI, Inglez-Dias, A, Fernandes FMB. Access to treatment for those with alcohol, crack or other drug dependency problems – a case in the municipality of Rio de Janeiro, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva , 2016 Jan; 21(1): 71-81.

Serrano IA, Secchi JZ. Condições para a busca de reconhecimento legal dos programas de redução de danos e distribuição de cachimbos para dependentes de crack. Novos Estudos Jurídicos. 2007 Jul.- Dez.; 12(2): 267-275.

Nappo SA, Galduróz JC, Noto AR. Crack use in São Paulo. Substance Use Misuse. 1996; 31(4): 565-579.

United Nations Office On Drugs and Crime. World Drug Report. New York: Nações Unidas; 2016.

Lima MZ, Rodrigues Neto EM, Coelho MO, Marques LARV, Lotif MAL. Percepção do cuidado em saúde no CAPSad: uma visão do paciente. Saúde Santa Maria. 2015; 41(1): 239-248.

Ferreira Filho OF, Turchi MD, Laranjeira R, Castelo A. Perfil Sociodemográfico e de Padrões de Uso entre Dependentes de Cocaína Hospitalizados. Rev. Saúde Pública. 2003 Jul; 37(6): 751-759.

Guimarães CF, Santos DVV, Freitas RC, Araujo RB. Perfil do usuário de crack e fatores relacionados à criminalidade em unidade de internação para desintoxicação no Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre (RS). Rev. Psiquiatr do RS. 2008 Set; 30(2): 101-108.

Minayo MCS, Sanches O. Quantitativo-Qualitativo: Oposição ou complementaridade? Caderno Saúde Pública. 1993; 9(3): 239-262.

Sanders P. Phenomenology: a new way of viewing organizational research. Academy of management review. 1982; 7(3): 353-360.

Costa JPM, Barros MF, Bongiolo AM, Perry IDS, Silva MA. Estudo Nutricional e Consumo Alimentar de usuários de crack de um município do litoral norte do estado do Rio Grande do Sul. Revista Inova Saúde, 2016 Jul; 5(1):100-116.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

Oliveira LG, Nappo SA. Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado e formas de uso. Revista de Psiquiatria Clínica. 2008a; 35(6): 212-218.

Nappo SA, Sanchez ZVDM, Oliveira LG, Santos AS, Junior Coradete J, Pacca JCB, Lacks V. Comportamento de Risco de Mulheres Usuárias de Crack em relação ás DST/AIDS. São Paulo: CEBRID; 2004.

Sanchez ZM, Nappo SA. Sequência de drogas consumidas por usuários de crack e fatores interferentes. Revista Saúde Pública. 2002; 36 (4): 420-430.

Parry CDH, Pluddemann A, Myers BJ. Cocaine treatment admissions at three sentinel sites in South Africa (1997-2006): findings and implications for policy practice and research. Substance Abuse Treatment Prevention and Policy. 2007; 2(37).

Carvalho MRS, Silva JRS, Gomes NP, Andrade MS, Oliveira JF, Souza MRR. Motivações e repercussões do consumo de crack: o discurso coletivo de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial. Esc Anna Nery. 2017;21(3):e20160178

Oliveira LG, Nappo SA. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Revista Saúde Pública. 2008b; 42 (4): 664-671.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil [acesso em 29 out 2017]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/pt/noticias-censo?busca=1&id=1&idnoticia=2759&view=noticia

Distrito Federal. Secretária de Estado de Saúde do Distrito Federal [homepage na internet]. Diretoria de Saúde Mental-DISAM [acesso em 3 jun 2017]. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/images/Programas/2017/Listaservicos_abrangencia_contato_17042017.pdf.

Dunn J, Ferri CP. The price of crack in São Paulo, Brazil. Addiction.1998; 93(2): 287-288.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage na internet]. Análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional no Brasil [acesso em 29 out 2017]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?id=3&idnoticia=2170&view=noticia

Kandel D, Yamaguchi K. From beer to crack: Developmental patterns of drug involvement. American Journal of Public Health. 1993;83:851–855.

Lai S, Lai H, Page JB, McCoy CB. The association between cigarette smoking and drug abuse in the United States. J Addict Dis. 2000;19(4):11–24.

Seibel SD. Dependência de Drogas. São Paulo: Atheneu; 2010.1191p.

Strathdee SA, Sherman SG. The role of sexual transmission of HIV infection among injection and non-injection drug users. Journal of Urban Health. 2003;80:7–14.

Inciardi JA, Surratt HL. Drug use, street crime, and sex-trading among cocaine-dependent women: implications for public health and criminal justice policy. Journal of psychoactive drugs. 2001;33(4):379–389.

Maranda MJ, Han C, Rainone GA. Crack cocaine and sex. Journal of Psychoactive Drugs. 2004;36:315–322.

Carlini EA, Galduróz JC, Noto AR, Carlini CM, Oliveira LG, Nappo SA. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país – 2005. São Paulo: Páginas & Letras; 2007.

Pechansky F, Kessler FHP, Diemen LV, Bumaguin B, Surrat HL, Inciarti JA. Brazilian female crack users show elevated serum aluminum levels. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2007; 29(1): 39-42.

Feeney CM, Briggs S. Crack hands: a dermatologic effect of smoking crack cocaine. Cutis. 1992; 50:193-4.

Chaves TV, Sanchez ZM, Ribeiro LA, Nappo SA. Fissura por crack: comportamentos e estratégias de controle de usuários e ex-usuários. Rev de Saúde Pública, 2011 Dec; 45(6):1168-75.

Perlman DC, Henman AR, Kochems L, Paone D, Salomon N, Jarlais DC. Doing a shotgun: a drug practice and its relationship to sexual behaviors and infection risk. Soc Sci Med. 1999;48:1441-8.

Publicado

2018-04-13

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS