O QUE PENSAM OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE (ACS) E AGENTES DE COMBATE ÀS ENDEMIAS (ACE) DE JOÃO PESSOA/PB SOBRE OS CARTAZES DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA VEICULADOS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE (2013-2017)?

Autores

  • Priscila Torres Brito Universidade de Brasília Endereço: UnB Faculdade de Medicina Faculdade de Ciências de Saúde - Asa Norte, Brasília - DF, 70910-900 Telefone: (61) 3107-1702

Palavras-chave:

Comunicação, Cartaz, Agentes Comunitários de Saúde, Dengue, Zika vírus, Vírus Chikungunya

Resumo

A dengue, zika e chikungunya são arboviroses recorrentes no contexto urbano brasileiro. O ano de 2016 foi epidêmico para as três doenças. Os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE) exercem papel fundamental para prevenção e controle destas doenças, a comunicação em saúde faz parte do trabalho destes profissionais subsidia a tomada de decisão da comunidade. A pesquisa teve como objetivo conhecer a percepção dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE) sobre os cartazes veiculados pelo Ministério da Saúde em relação às arboviroses pesquisadas. A pesquisa foi realizada no município de João Pessoa/PB, os dados qualitativos foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, a pergunta norteadora sobre os cartazes selecionados foi analisada por meio do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC). Entre os sete Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e quatro Agentes de Combate às Endemias (ACE) entrevistados foram identificadas cinquenta expressões-chave, que foram distribuídas nas quatro ideias centrais, geradoras dos discursos-síntese: 1) O trabalho informativo; 2) Adequação dos Conteúdos; 3) Dificuldades e 4) A comunicação e a mobilização. Este trabalho evidenciou uma breve avaliação dos ACS e ACE sobre uma amostra de cartazes sobre dengue, zika e chikungunya no município de João Pessoa/PB. Quanto ao trabalho dos agentes com os materiais impressos pode-se observar pontos positivos e negativos em relação a comunicação para a promoção da saúde por meio dos materiais apresentados.

Referências

Silva LJd, Angerami RN. Viroses Emergentes no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2008. 136 p.

Donalisio MR, Freitas ARR, Zuben APBV. Arboviruses emerging in Brazil: challenges for clinic and implications for public health. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2017;51:30. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102017000100606&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006889.

Luz K.G., Santos GIVd, Vieira RdM. Febre pelo vírus Zika. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2015; 24(4):785-788. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000400785&lng=en. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000400021.

Fantinato F, Fontana ST, Araújo ELL, Ribeiro IG, Andrade MRd, Dantas ALdM, Rios JMT et al. Descrição dos primeiros casos de febre pelo vírus Zika investigados em municípios da região Nordeste do Brasil, 2015. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2016; 25(4):683-690. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222016000400683&lng=en. Epub Sep 26, 2016. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000400002.

Brasil. Ministério da Saúde. Preparação e Resposta à Introdução do Vírus Chikungunya no Brasil [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. 100 p. Disponível no endereço: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/preparacao_resposta_virus_chikungunya_brasil.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Monitoramento dos casos de dengue, febre de chikungunya e doença aguda pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 25 de 2018 [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018. 14p. Disponível no endereço: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/julho/12/Monitoramento-dos-casos-ate-a-Semana-Epidemiologica-25-de-2018.pdf

Cardoso JM. Práticas e modelos de comunicação na saúde: alguns elementos para pensar uma política de comunicação para a vigilância sanitária. In: Costa EA, Rangel ML (Org.). Comunicação em vigilância sanitária: princípios e diretrizes para uma política. Salvador: Edufba, 2007. 180 p.

Teixeira JAC. Comunicação e cuidados de saúde: Desafios para a psicologia da saúde. Análise Psicológica, 1996, 135-139p. Disponível no endereço: http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/3541/1/AP_1996_1_135.pdf

Freire P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa [internet]. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra; 2002. 54 p. Disponível no endereço: http://forumeja.org.br/files/Autonomia.pdf

Corcoran N. (org.) Comunicação em Saúde: estratégias para a comunicação em saúde. [tradução de Lívia Lopes]. São Paulo: Roca, 2010.

Brasil. Portaria nº 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível no endereço: http://www.foa.unesp.br/home/pos/ppgops/portaria-n-2436.pdf

Cruz Neto O. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: Minayo MCdS (org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001. Cap. 3. p. 51-66.

Ministério da Saúde. Comunicação e Imprensa. Campanhas Vigentes. Disponível no endereço: http://portalms.saude.gov.br/campanhas/

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso o sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). 2. Ed. Caxias do Sul, RS: Educs, 2005, 256 p.

Wolton D. Informar não é comunicar. [tradução de Juremir Machado Silva]. Porto Alegre. Sulina, 2010. 96p.

Freitas FVd, Rezende Filho LA. Modelos de comunicação e uso de impressos na educação em saúde: uma pesquisa bibliográfica. Interface (Botucatu) [Internet]. 2011; 15(36):243-256. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832011000100019&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832010005000044.

Oliveira VLB, Landim FLP, Collares PM, Mesquita RBd, Santos ZMdSA. Modelo explicativo popular e profissional das mensagens de cartazes utilizados nas campanhas de saúde. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2007; 16(2):287-293. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072007000200011&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072007000200011

Souza KR, Santos MLR, Guimarães ICS, Ribeiro GdS, Silva LK. Saberes e práticas sobre controle do Aedes aegypti por diferentes sujeitos sociais na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2018; 34(5): e00078017. Disponível no endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000505015&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00078017.

Downloads

Publicado

2021-04-07

Como Citar

Brito, P. T. (2021). O QUE PENSAM OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE (ACS) E AGENTES DE COMBATE ÀS ENDEMIAS (ACE) DE JOÃO PESSOA/PB SOBRE OS CARTAZES DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA VEICULADOS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE (2013-2017)?. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 14(2). Recuperado de //tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/2520

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS