Imagem para capa

A formação da Agenda da Estratégia de Saúde da Família: Uma reflexão histórica em múltiplos fluxos.

Juliana Mota Loureiro, Ana Valéria Machado Mendonça, Maria Paula do Amaral Zaitune, Maria Fátima de Sousa

Resumo


A Estratégia Saúde da Família é considerada uma das respostas à chamada crise do modelo assistencial enfrentada pelo Sistema Único de Saúde. Foi protagonizada por gestores, trabalhadores de saúde, pesquisadores e militantes deste sistema e implantada no Brasil em 1994. Este artigo teve por objetivo identificar os principais fluxos (problemas, político e soluções) que compõem o processo de formação da agenda da Estratégia Saúde da Família, no período de 1994 a 2011, a partir dos principais momentos estruturantes da Atenção Básica no Brasil. Utilizou-se o Modelo de Múltiplos Fluxos (Multiple Streams) de John Kingdon para analisar o processo de formação da agenda governamental e observou–se que os problemas prioritários da atenção básica, a exemplo do acesso e da integralidade, geram soluções que são definidas a partir da confluência de interesses de diversos atores e grupos políticos.

Texto completo:

PDF

Referências


Kingdon JW. Agendas Alternatives and Public Policies. New York: HarperCollins; 1995.

Cohen MD; March JG; Olsen JP. A garbage can model of organizational choice. Adm sci q 1972; 17(1): 1-25.

Pedroso M. Racionalidade limitada e uso de informações técnicas em modelos de análise de políticas públicas: proposições sobre a perspectiva integradora da Análise Multicritério de Decisão Espacial Construtivista. Rev Pesq Pol Pub 2013; 2: 59-83.

Triviños ANS. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1992.

Minayo MCS; Sanches O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade. Cad Saude Publica 1993; 9(3): 239-262.

Bobbio N. Estado governo e sociedade: para uma teoria geral da política. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Paz e Terra; 2000.

Bobbio N; Matteusci N; Pasquino G. Dicionário de política. Brasília: Ed. UnB; 1991.

Lasswell H. Politics: Who gets what when how? Cleveland, OH: Meridian Books; 1936.

Laurell AC; Noriega M. Para o Estudo de Saúde na sua Relação com o Processo de Produção.In: Processo de Produção e Saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec; 1989.

Viana AL. Abordagens metodológicas em políticas públicas. Rev Adm Pública 2013; 30(2):5-43.

Elazar DJ. Exploring Federalism. The University of Alabama Press, 1987.

Abrucio FL. Descentralização e pacto federativo. Cad ENAP 1993;1(1): 17-33.

Arretche MTS. Políticas sociais no Brasil: descentralização em um estado federativo. Rev Bras Cienc Soc. 1999; 14(40): 111-41.

Viana AA.; Lima LD.; Oliveira RG. Descentralizaçã o e federalismo: a política de saúde em novo contexto-liçõ es do caso brasileiro. Ciência Saúde Coletiva, 2002; 7(3), 493-507.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.886, de 22 de dezembro de 1997. Aprova as normas e diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa Saúde da Família. Diário Oficial da União 1997 dez 22; Seção 1. p. 11-13.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Reunião dos Coordenadores dos pólos de capacitação formação e educação permanente em saúde da família: relatório final. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

_____. Ministério da Saúde. Projeto de Expansão e Consolidação do Saúde da Família – Proesf; 2003. [acesso em 2015 jul 30]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PROESF.pdf

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Avaliação para melhoria da qualidade da estratégia saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. [acesso em 2015 jul 30]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/10001019925.pdf

_____. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos NOB/RH. Brasília; 2006.

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.489, de 21 de outubro de 2008. Define valores de financiamento do Piso da Atenção Básica Variável para a estratégia de Saúde da Família e de Saúde Bucal, instituídos pela Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. 2008 out. 21; Seção 1. p. 61.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

_____. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Diário Oficial da União. 2011 jul. 19; Seção 1. p. 79.

Halstead SB; Walsh JA; Warren KS. Good Health at Low Cost: Proceedings of a Conference held at the Ballagio Conference Center Bellagio, Italy, from 29 April to 3 May 1985. New York: Rockefeller Foundation; 1985.

Caldwell JC. Routes to Low Mortality in Poor Countries. Popul Dev Rev 1986; 12 (2): 171-220.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.882, de 18 de dezembro de 1997. Estabelece o Piso da Atenção Básica - PAB e sua composição. Diário Oficial da União. 1997 dez. 18; Seção 1. p. 10.

Levcovitz E; Lima L; Machado C. Política de saúde nos anos 90: relações intergovernamentais e o papel das Normas Operacionais Básicas. Cienc saude colet 2001; 6(2): 269-293.

Bueno WS.; Merhy EE. Norma Operacional Básica e o modelo tecnoassistencial em saúde, mimeo, Campinas, 1997.

Elias PE.; Marques RM.; Mendes A. O financiamento e a política de saúde. Revista USP, São Paulo. n.51, p. 16-27, setembro/novembro, 2001.

Paim JS. Saúde Política e Reforma Sanitária. Salvador: CEPS-ISC; 2002.

Souza HM. O PSF como indutor da institucionalizaçã o da avaliaçã o na atençã o básica. Rev Bras Saúde Fam, [S.l.], v. 2, n. 6, p. 10-15, 2002.

Merhy E.; Feuerweker LCM.; Ceccim R. Educación Permanente en Salud: una estratégia para intervenir en la micropolítica del trabajo en salud. Salud coletiva, v.2, n.2,p.147-60, 2006.

Goulart FDA. Experiências em saúde da família: cada caso é um caso. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundaçã o Oswaldo Cruz, 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atençã o à Saúde. Departamento de Atençã o Básica. Avaliação para Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família: documento técnico. Brasília; 2005.

_____. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 650, de 28 de março de 2006. Define valores de financiamento do PAB fixo e variável mediante a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a estratégia de Saúde da Família e para o Programa de Agentes Comunitários de Saúde, instituídos pela Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. 2006 mar. 29; Seção 1.

_____. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União. 2011 out. 21; Seção 1. p. 48-55.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atençã o à Saúde. Departamento de Atencao o Basica. Documento Síntese para Avaliação Externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ). Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em dez. 2015.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Monitoramento e Avaliaçã o o SUS. Programa de Avaliaçã o para Qualificaçã o do Sistema Único de Saúde. Brasília, 2011.Artigo




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1803



Direitos autorais 2015 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________