Percurso das ações de promoção da saúde na residência multiprofissional: Análise à luz de um referencial europeu.

Solange Castro Evangelista, Lucas Dias Soares Machado, Ana Carolina Ribeiro Tamboril, Maria Rosilene Cândido Moreira, Maria Corina Amaral Viana, Maria de Fátima Antero Sousa Machado

Resumo


Este estudo objetivou descrever o percurso das ações de Promoção da Saúde na Residência Multiprofissional em Saúde a partir do referencial teórico do CompHP. Trata-se de um estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado em Brejo Santo, Ceará, no contexto da Residência Multiprofissional, com participação de 16 profissionais residentes. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e os dados foram organizados conforme Análise de Conteúdo e analisados com base na literatura e referencial teórico do CompHP. Foram construídas quatro categorias que representam os domínios de competências em promoção da saúde que caracterizam um processo sequencial e organizacional das ações de promoção da saúde: a) Diagnóstico; b) Planejamento; c) Implementação; e d) Avaliação e Pesquisa. As ações de promoção da saúde na Residência Multiprofissionais demonstraram seguir uma sequência lógica e estruturada condizente com os domínios de competências e etapas processuais de Diagnóstico, Planejamento, Implementação e Avaliação e Pesquisa.

Palavras-chave


Internato não médico; Promoção da Saúde; Educação.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Silva KL, Sena RK, Belga SMMF, Silva, PM, Rodrigues AT. Promoção da saúde: desafios revelados em práticas exitosas. Rev Saúde Pública. 2014;48 (1):76-85.

Heidemann ITSB, Costa MFBNA, Hermida PMV, Marçal CCB, Cypriano CC. Sistema de informação da atenção básica: potencialidades para a promoção da saúde. Acta Paul Enferm. 2015; 28(2):152-9.

Chiesa AM, Nascimento DDG, Braccialli LAD, Oliveira MAC, Ciampone MHT. A formação de profissionais da saúde: aprendizagem significativa à luz da promoção da saúde. Cogitare Enferm. 2007; 12(2):236-40.

Silva KL, Araujo FL, Santos FBO, Andrade AM, Basílio NC, Sena RR. O que vem se falando por aí em competências no ensino da promoção da saúde na formação do enfermeiro? ABCS Health Sci. 2015; 40(3):286-293.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Teixeira MB, Sasonova A, Oliveira CCM, Ensgtrom EM, Bodstein RCA. Avaliação das práticas de promoção da saúde: um olhar das equipes participantes do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Saúde Debate, Rio de Janeiro. 2014; 38(especial):52-68.

Dempsey C, Battel-Kirk B, Barry MM. Competências Principais em Promoção da Saúde – CompHP. Versão resumida. Paris: IUHPE, 2011.

Siqueira-Batista R, Gomes AP, Albuquerque VS, Cavalcanti FOL, Cotta RMM. Educação e competências para o SUS: é possível pensar alternativas à(s) lógica(s) do capitalismo tardio? Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18(1):159-170.

Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enferm. 2013;18(3):592-5.

Nascimento DDG, Oliveira MAC. Competências profissionais e o processo de formação na residência multiprofissional em saúde da família. Saúde Soc. 2010; 19(4):814-827.

Amaral IM. Competência do enfermeiro para a promoção e educação em saúde da família [dissertação]. Itajaí / SC: Universidade do Vale do Itajaí. 2005.

Miguel JAM, Sanchez IL, Fonsexa RP, Fernandez RHL. Proceso formativo extensionista para el desarollo de destrezas en la promoción de salud. MEDISAN. 2015; 19(12).

Oliveira MM. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

Ceará. Edital nº 63/2014. Governo do Estado do Ceará. Escola de Saúde Pública do Ceará. 2014.

Minayo MCS. O desafio do Conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

Severino AJ. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo. Cortez Editora, 2007.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012, aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, 2012.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução 510, de 07 de abril de 2016, dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília, 2016.

Freitass JD, Porto MF. Por uma epistemologia emancipatória da promoção da saúde. Trab. Educ. Saúde. 2011; 9(2):179-200.

Araújo Filho PAA, Maia IBC, Aragão JMN. Residência integrada em saúde: estratégia de educação permanente para o fortalecimento do SUS no Ceará. In: Lustosa AP, Candido JAB, Almeida MI. Residência integrada em saúde: experiências de ressignificação na formação e prática profissionais. Editora UECE, 2016.

Lustosa AP, et al. Reunião de equipe na atenção primária à saúde: experiência da residência integrada em saúde. In: Lustosa AP, Candido JAB, Almeida MI (ORG.) Residência integrada em saúde: experiências de ressignificação na formação e prática profissionais. Editora UECE, 2016.

Osorio AG, Alvarez CV. La Atencion Primaria de Salud: desafios para su implementacion en America Latina. Aten Primaria. 2013; 45(7):348-92.

Matuda CG, Aguiar DML, Frazão P. Cooperação interprofissional e a reforma sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Saúde. Soc. 2013; 22(1):173-186.

Morosoni MVGC, Corbo AD. Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007.

Magalhães R.Constrangimentos e oportunidades para a implementação de iniciativas intersetoriais de promoção da saúde: um estudo de caso. Cad. Saúde Pública. 2015; 32 (7): 1427-1436.

Souza FPP, Machado LDS, Santana KFS, Rocha RMGS, Lopes MSV, Machado MFAS. Health promotion in multidisciplinar residency: contribuitions to the training process. Journal of Nursing Education and Practice. 2017; 7(6).

Leonello VM, Oliveira MAC. Construindo o diálogo entre saberes para ressignificar a ação educativa em saúde. Acta Paul Enferm. 2009;22(especial):916-20.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2291



Direitos autorais 2017 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________