PET-Saúde Indígena UnB: construindo redes interculturais em saúde.

Autores

  • Maria da Graça Luderitz Hoefel Universidade de Brasília.
  • Denise Osório Severo
  • Ximena Pamela Bermudez Universidade de Brasília.
  • Edgar Merchan Hamann Universidade de Brasília.
  • Hervaldo Sampaio Carvalho Médico. Doutor em Ciências da Computação. Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília. Diretor do Hospital Universitário de Brasília (HUB).
  • Coletivo de Estudantes Indígenas e Não Indígenas
  • Coletivo de Preceptores PET-Saúde Indígena

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1691

Resumo

Este artigo busca compartilhar a experiência do PET-Saúde Indígena, desenvolvido pela Universidade de Brasília no contexto do Ambulatório de Saúde Indígena do Hospital Universitário de Brasília, e refletir sobre as potencialidades e fragilidades presentes no processo de construção de redes interculturais em saúde. As experiências foram analisadas com base em documentos, tais como relatórios, atas de reuniões e demais registros de avaliações e planejamentos realizados durante a implantação, entre agosto de 2013 e maio de 2015. Os resultados indicam que o ambulatório conduziu à construção de novas práticas interculturais de formação e atenção à saúde, pautadas na educação popular, no diálogo de saberes e na gestão compartilhada dos processos, favorecendo a qualificação do acolhimento, atendimento e acompanhamento dos pacientes indígenas encaminhados, bem como a organização de fluxos dentro do HUB e a produção de conhecimentos científicos orientados a partir da perspectiva da interculturalidade.

Biografia do Autor

Maria da Graça Luderitz Hoefel, Universidade de Brasília.

Médica. Doutora em Sociologia. Professora do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília. Coordenadora do Laboratório de Saúde do Trabalhador e Saúde Indígena UnB

Denise Osório Severo

Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Saúde UnB/Área Saúde Coletiva. Pesquisadora do Laboratório de Saúde do Trabalhador e Saúde Indígena da Universidade de Brasília

Ximena Pamela Bermudez, Universidade de Brasília.

Antropóloga. Doutora em Antropologia. Professora do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília.

Edgar Merchan Hamann, Universidade de Brasília.

Médico. Doutor em Saúde Pública. Professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde e Ministério da Educação Portaria Interministerial n. 1.802, de

de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET-Saúde.

Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri1802_26_08_2008.html

Brasil. Ministério da Saúde. Pró-Saúde e PET-Saúde. 2013. Disponível em: http://bvsms.

saude.gov.br/bvs/folder/pro_saude_pet_saude.pdf

Turato ER. Métodos qualitativos e quantitativos na área da saúde: definições, diferenças e

seus objetos de pesquisa. Rev. Saúde Pública, 2005; 39(3): 507-14.

Minayo MCS. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva, 2012;

(3): 621-6.

Funasa. Departamento de Saúde Indígena. Vigilância em saúde indígena: dados e indicadores

selecionados 2010. Brasília: Funasa; 2010.

Santos JG, Nery E, Ashley FSSS, Hoefel MGL. Análise da rede de atenção à saúde do Distrito

Federal: perfil epidemiológico dos pacientes indígenas no HUB. Relatório De Pesquisa PIBIC

Ações Afirmativas UnB, 2013-2014. Brasília; 2014.

Langdon, EJ, Diehl EE. Participação e autonomia nos espaços interculturais de Saúde

Indígena: reflexões a partir do sul do Brasil. Saúde & Sociedade, 2007; 16(2): 19-36.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1987.

Freire P. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP;

Freire P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1999.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Popular em Saúde. Brasília,

Brasil. Fundação Nacional de Saúde. Política nacional de atenção à saúde dos povos

indígenas. 2. ed. Brasília; 2002.

Wiik FB. Contato, epidemias e corpo como agentes de transformação: um estudo sobre a

AIDS entre os Índios Xokléng de Santa Catarina, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2001; 17(2): 397-406.

Perez-Gil L. O sistema médico Yawanáwa e seus especialistas: cura, poder e iniciação

xamânica. Cad. Saúde Pública, 2001; 17(2): 333-44.

Garnelo L, Wright R. Doença, cura e serviços de saúde. Representações, práticas e demandas

Baníwa. Cad. Saúde Pública, 2001; 17(2): 273-84.

Oriá MOB, Ximenes LB, Alves MDS. Madeleine Leininger and the Theory of the Cultural

Care Diversity and Universality: an Historical Overview. Online Braz J Nurs [online] 2005 August;

(2) Disponível em: www.uff.br/nepae/objn402oriaetal.htm

Aparicio-Mena AJ. La antropología aplicada, la medicina tradicional y los sistemas de

cuidado natural de la salud. Una ayuda intercultural para los padecimientos crónicos. Gazeta de

Antropología, 2007: 23: artículo 14. Disponível em: http://hdl.handle.net/10481/6988

Poutignat P, Streiff-Fenart J. Teorias da Etnicidade seguido de Grupos étnicos e suas

Fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: UNESP; 1998.

Japiassu H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago; 1976.

Minayo, MCS. Disciplinaridade, interdisciplinaridade e complexidade. Revista

Emancipação, 2010; 10(2): 435-42.

Paim JS. Modelos assistenciais: reformulando o pensamento e incorporando a proteção e

a promoção da saúde. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/6168/1/Paim%20

JS.%20Texto%20Modelos%20Assistenciais.pdf

Laurell A. La salud-enfermedad como proceso social. Revista Latinoamericana de Salud

México, 1982 (2):7-25.

Breilh J. Precisamos ter um novo viver, com taxas de crescimento menos agressivas,

mas com mais qualidade: entrevista.[03-11-2011]. Radis Comunicação e saúde: Radis na Rede.

Entrevista concedida a Célia Guimarães e Raquel Junia. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.

br/index.php?Area=Entrevista&Num=34

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface,

; 9(16): 1618.

Ceccim RB, Feuerwerker LC. Macruz. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o

eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública 2004; 20(5): 1400-10.

Meyer DE, Felix J, Vasconcelos MFF. Por uma educação que se movimente como maré e inunde

os cotidianos de serviços de saúde. Interface, 2013; 17(47): 859-71.

Mattos RA. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad. Saúde Pública,

; 20(5): 1.411-16.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde

para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências.

Brasília, 2004. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/legislacao/

index.php?p=6333

Mendonca FF; Nunes EFPA. Necessidades e dificuldades de tutores e facilitadores para

implementar a política de educação permanente em saúde em um município de grande porte no

estado do Paraná, Brasil. Interface, 2011; 15(38): 871-82.

Brasil. Política Nacional de Gestão Estratégica e Participativa no SUS. 2009. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_estrategica_participasus_2ed.pdf

Severo DO. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e o Controle Social do SUS:

concepção do Coletivo Nacional de Saúde. [dissertação]. Programa de Pós-Graduação em Saúde

Pública, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis; 2008.

Pedrosa, JIS. Educação Popular em Saúde: que bicho é esse? Revista Artículos;1(1):13.

Artigo

Downloads

Publicado

2015-08-29

Como Citar

Hoefel, M. da G. L., Severo, D. O., Bermudez, X. P., Hamann, E. M., Carvalho, H. S., Não Indígenas, C. de E. I. e, & PET-Saúde Indígena, C. de P. (2015). PET-Saúde Indígena UnB: construindo redes interculturais em saúde. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(1), Pág. 43-63. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1691

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>