Programas de prevenção de doenças e promoção de saúde em serviços de saúde privados: uma análise bibliométrica sobre o tema

Tatieli Dagostim Paim, Simone Meister Sommer Bilessimo, Patricia de Sá Freire, Silvio Serafim da Luz Filho

Resumo


A complexidade inerente ao contexto de saúde entre a dicotomia da saúde púbica versus a privada promoveu através do órgão fiscalizador da saúde suplementar privada brasileira, a orientação para implantação de estratégias de programas para o controle e prevenção de riscos e patologias e para promoção da saúde. Assim passou-se a exigir pesquisas interdisciplinares para melhor compreensão e efetividade de seus programas de prevenção para minimizar custos as operadoras de planos de saúde privados, a redução da morbi-mortalidade e o engaje a qualidade de vida de seus beneficiários. Para responder à questão de como se processa a evolução dos estudos teóricos e empíricos interdisciplinares relacionados ao tema foi realizada uma pesquisa com o objetivo de compreender a evolução, a interdisciplinaridade e as variáveis teórico- empíricas relacionadas aos programas de prevenção de doenças e promoção de saúde em serviços de saúde privados, identificando as escolas invisíveis, as possíveis lacunas e oportunidades de futuras pesquisas. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa exploratória realizada com procedimentos de busca sistemática da literatura com a base de dado eletrônica – Scopus, seguida de análise bibliométrica. Foram identificados cinco artigos que contemplavam o objetivo geral do estudo e distribuídos em duas grandes áreas do conhecimento, saúde e tecnologia. A limitação dos artigos encontrados pode ser justificada ao contexto temporal do assunto analisado, pois a sugestão da implantação destes programas para realidade brasileira aconteceu no final do ano de 2011, pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), e muitos planos de saúde privados ainda não contemplarem esta realidade. Ao final, o artigo analisou as implicações para a pesquisa interdisciplinar na área da Saúde Suplementar Privada e as novas Tecnologias de Informação e Comunicação como mídias para a disseminação e o compartilhamento de conhecimento.

Palavras-chave


Interdisciplinaridade; prevenção; promoção; saúde; serviços de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ABELHA, M. C.; GONÇALVES, A. A.; PITASSI, C. Estratégia de Operações de Serviços de Saúde: Estudo de Caso das Operadoras de Planos de Saúde Suplementar. XVI Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais (SIMPOI). Unidade Berrini da FGV. São Paulo-SP: 28, 29 e 30 de Agosto de 2013;

AERTS, Denise et al. Promoção de saúde: a convergência entre as propostas da vigilância da saúde e da escola cidadã. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(4):1020-1028, jul-ago, 2004. Disponível em: www.scielo.br/pdf/csp/v20n4/17.pdf. Acesso 22 de junho de 2015.

Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Cartilha para modelagem de programas de promoção de saúde e prevenção de riscos e doenças/ Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil) – Rio de Janeiro: ANS, 2011.

Agência Nacional de Saúde Suplementar (Brasil). Manual técnico para promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na saúde suplementar. 4° Ed. Re. e atual. Rio de Janeiro: ANS, 2011).

AÑEZ, Ciro Romélio Rodriguez, REIS, Rodrigo Siqueira, PETROSKI. Edio Luiz. Versão Brasileira do Questionário “Estilo de Vida Fantástico”: Tradução e Validação para Adultos Jovens. Arq Bras Cardiol 2008;91(2):102-109. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v91n2/v91n2a06.pdf Acesso 22 de junho de 2015.

BUSS, Paulo Marchiori. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciências saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000. Disponível em:

. Acesso 22 de junho de 2015.

CARVALHO, Sérgio Rezende. As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social. Ciência & Saúde Coletiva, 9(3):669-678, 2004. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232004000300018 Acesso 22 de junho de 2015.

CHOR, Dóra; FAERSTEIN, Eduardo. Um enfoque epidemiológico da promoção

da saúde: as idéias de Geoffrey Rose. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 16(1):241-244, jan-mar, 2000. Disponível em:

www.scielo.br/pdf/csp/v16n1/1583.pdf Acesso 22 de junho de 2015.

COSTA, Arlindo. Metodologia Científica/ Prof. Arlindo Costa. Mafra-SC, edição 2006.

CURCI, Kátia Audi et al.Promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças na Saúde Suplementar: um breve histórico. O Mundo da Saúde, São Paulo - 2013;37(2):230-240.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. tradução Magda Lopes ; consultoria, supervisão e revisão técnica desta edição Dirceu da Silva. - 3. ed. - Porto Alegre : Artmed, 2010. 296 p. : il. ; 23 cm.

CZERESNIA, Dina. O conceito de saúde e a diferença entre prevenção e promoção. Cad.Saúde Pública , Rio de Janeiro, v.15, n. 4, outubro de 1999. Disponível em:

. Acesso em 22 de junho de 2015.

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000400004.

FARIAS, Luís Otávio; MELAMED, Clarice. Segmentação de mercados da assistência à saúde no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, 2003. Disponível em:

. Acesso em 22 de junho de 2015.http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000200019.

FBH – Federação Brasileira de Hospitais. O que é Saúde Suplementar? Disponível em . Acesso em Outubro de 2013.

FREITAS, Paula de Souza Silva et al. A percepção dos usuários sobre a oferta de

programas de promoção da saúde e prevenção de doenças: o caso de uma operadora de autogestão. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 21 [ 2 ]: 449-469, 2011.

GIORDANI, Luciana Brandt. Ginástica labora e sua influência no estilo de vida: um estudo, acerca de sua contribuição no relacionamento interpessoal, na alimentação e na prática da atividade física. Trabalho de Conclusão de Curso para Bacharel em Educação Física. Porto Alegre – RS, 2011. Disponível em:

http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/32420/000786540.pdf?sequence=1. Acesso 22 de maio de 2015.

GOMES, R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciência saúde coletiva, 8(3): p. 825-829, 2003.

GOMES, Romeu; REBELLO, Lúcia Emilia Figueiredo de Sousa Rebello; ARAÚJO, Fábio Carvalho de; NASCIMENTO, Elaine Ferreira do. A prevenção do câncer de próstata: uma revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1):235-246, 2008.

GREENHALGH, T. Papers that summarise other papers (systematic review and metaanalyses). BMJ. Sep; 13(315):672-5, 1997.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Cientifica. 3ºed. Editora Atlas S. A São Paulo –SP 1991.

LEAL, Andréa Fachel; FIGUEIREDO, Wagner dos Santos; NOGUEIRA-DA-SILVA, Geórgia Sibele. O percurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Homens (PNAISH), desde a sua formulação até sua implementação nos serviços públicos locais de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10):2607-2616, 2012.

MARCONDES, Willer Baumgarten. A convergência de referências na Promoção da Saúde. Saúde e Sociedade v.13, n.1, p.5-13, jan-abr 2004.

MENICUCCI, Telma Maria Gonçalves. Público e Privado na Política de Assistência à saúde no Brasil: Atores, Processos e Trajetória. Tese apresentada ao Curso de Doutorado em Ciências Humanas - Sociologia e Política da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais como requisito parcial à obtenção do título de Doutor em Sociologia e Política. Belo Horizonte; Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas/ UFMG, 2003. Disponível em:

Acesso 28 de junho de 2015.

MACEDO, M; BOTELHO, L. L. R; DUARTE, M. A. T. Revisão bibliométrica sobre a produção científica em aprendizagem gerencial. GES – Revista Gestão e Sociedade CEPEAD/UFMG, v. 4, n. 8, p. 619-639, 2010.

MALTA, Deborah Carvalho et. al. A Política Nacional de Promoção da Saúde e a agenda da atividade física no contexto do SUS. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 18(1):79-86, jan-mar 2009.

MORAES, José Rodrigo de. et al Relação entre plano de saúde e a realização do exame Papanicolaou: uma aplicação de escore de propensão usando um inquérito amostral complexo. Rev Bras Epidemiol 2011; 14(4): 589-97.

NÄSLINDH-YLISPANGAR, Anita et al. Has brief counselling an impact on the risk factors for cardiovascular disease in 40-year-old men. A three-year follow-up study. Cent. Eur. J. Med. 3(3) 2008 300–307. DOI: 10.2478/s11536-008-0034-x

NADOL, P. et al. Electronic tuberculosis surveillance systems: a tool formanaging today’s TB programs. INT J TUBERC LUNG DIS 12(3):S8–S16, 2008. TB-HIV SUPPLEMENT.

PINTO, Luiz Felipe Pinto; SORANZ, Daniel Ricardo. Planos privados de assistência à saúde: cobertura populacional no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 9(1):85-98, 2004. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v9n1/19826.pdf Acesso 22 de junho de 2015.

RODRIGUES, Martius Vicente Rodrigues Y; ALVES, Joemar Braga. Qualidade de vida dos professores: um bem pra todos. IV Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Responsabilidade Socioambiental das Organizações Brasileiras. Niterói, 31 de julho, 01 e 02 de agosto de 2008. Disponível em: http://www.latec.uff.br/cneg/documentos/anais_cneg4/T7_0049_0018.pdf Acesso 28 de junho de 2015.

ROCHA, Vera Maria da; FERNANDES, Marcos Henrique. Qualidade de vida de professores do ensino fundamental: uma perspectiva para a promoção da saúde do trabalhador. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, volume 57, número 1, págs 23 a 27. 2008. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v57n1/v57n1a5.pdf Acesso 28 de junho de 2015.

SALVATORI, Rachel Torres; VENTURA, Carla A. Arena. A Agência Nacional de Saúde e a Política de Saúde Mental no Contexto do Sistema Suplementar de Assistência à Saúde: avanços e desafios. Saúde Soc. São Paulo, v.21, n.1, p.115-128, 2012.

SAMPAIO, RF; MANCINI, MC. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., São Carlos , v. 11, n. 1, p. 83-89, Feb. 2007. Disponível em: . Acesso 22 de junho de 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-35552007000100013.

SANTOS, Ana Cristina; ABREU-LIMA, Cassiano. Hipertensão de difícil controle: impacto do estilo de vida. Rev Bras Hipertens vol.16 (Suppl 1): S5-S6, 2009. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/16-supl1/03-hipertensao.pdf Acesso 28 de junho de 2015.

SANTOS, Fausto Pereira dos; MALTA, Deborah Carvalho, MERHY, Emerson Elias Merhy. A regulação na saúde suplementar: uma análise dos principais resultados alcançados. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5):1463-1475, 2008.

SCLIAR, Moacir. História do Conceito de Saúde. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17 (1): 29-41, 2007. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/%0D/physis/v17n1/v17n1a03.pdf Acesso 22 de junho de 2015.

SEGRI, Neuber José; FRANCISCO, Priscila Maria S. Bergamo; ALVES, Maria Cecília Goi Porto; BARROS, Marilisa Berti de Azevedo; CESAR, Chester Luiz Galvão; GOLGBAUM, Moises; MALTA, Deborah Carvalho. Práticas preventivas de detecção de câncer em mulheres: comparação das estimativas dos inquéritos de saúde (ISA – Capital) e vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (VIGITEL – São Paulo). Rev Bras Epidemiol, 14(1) Supl.: 31-43, 2011.

SÍCOLI, Juliana Lordello; NASCIMENTO, Paulo Roberto do. Promoção de saúde: concepções, princípios e operacionalização. Revista Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v7, n12, p.101-22, fev 2003.

SILVA, Sergio Gomes da. A crise da Masculinidade: Uma Crítica à Identidade de Gênero e à Literatura Masculinista. PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, 26 (1), 118-131, 2006.

TRIVINÕS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

VERDI, Marta, CAPONI, Sandra. REFLEXÕES SOBRE A PROMOÇÃO DA SAÚDE NUMA PERSPECTIVA BIOÉTICA. Texto Contexto Enferm 2005 Jan-Mar; 14(1):82-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14n1/a11v14n1 Acesso 22 de junho de 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v11i2.1714



Direitos autorais 2018 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________