Determinantes socioambientais e saúde: O Brasil rural versus o Brasil urbano.

Rackynelly Alves Sarmento, Ronei Marcos Moraes, Rodrigo Toledo Pinheiro de Viana, Vanira Matos Pessoa, Fernando Ferreira Carneiro

Resumo


A população rural vive em condições de desigualdade socioeconômica, motivadas por vários problemas entre eles a insuficiência de sistemas de esgoto e abastecimento de água. Por vezes os maiores responsáveis pelo surgimento de doenças de veiculação hídrica, que contribuem para a elevação da mortalidade infantil além de outros problemas. As áreas rurais do Brasil são definidas por oposição e exclusão às áreas urbanas. Essa definição é arbitrária e físico-geográfica, não considerando os processos sociais e econômicos que envolvem os territórios. Esse estudo objetivou verificar por meio de aspectos sociodemográficos, saneamento ambiental e principais agravos/doenças de importância para saúde pública da população do campo da floresta e das águas se os municípios mais rurais (MMR) são mais precários que os mais urbanos (MMU). Para tanto realizou-se um estudo descritivo baseado em fontes secundárias (Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, censos do IBGE, PNAD e do Sinan). Entre os resultados tem-se que a população rural identificada pelo IBGE resume-se a 15,6% da população do Brasil. Em 29% dos municípios a população residente em área rural supera o urbano. As maiores frequências de IDMH muito baixo estão para os MMR, enquanto as maiores frequências de IDMH muito alto e alto estão para os MMU. Na área da saúde os MMR também apresentam deficiência. Observou-se altas taxas de incidência doenças relacionadas às condições deficitárias de saneamento básico. A partir destes resultados identificou-se um perfil de saúde mais precário nos MMR quando comparadas aos MMU.

Palavras-chave


População rural; Fatores Socioeconômicos; Epidemiologia; Saúde Coletiva.

Texto completo:

PDF

Referências


FAO. Food and agriculture organization of the United Nations. Rural poverty in Brazil. Disponível em: www.ruralpovertyportal.org/country/home/tags/brazil Acesso em 22 de set 2013.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. 1 ed.; Brasília: Editora do

Ministério da Saúde, 2013.

Miranda C, Silva H. (Org) Concepções da Ruralidade Contemporâneas: singularidades brasileiras. Brasília IICA, 2013. 476p.

Triola MF. Introdução à estatística. 10.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 696 p.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. SPRING. Tutorial de geoprocessamento. Análise e consulta espacial. Disponível em:

Acesso em: 15 mar. 2014.

IBGE. Censo Demográfico 2010 - Resultados do universo. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 20 ago. 2013.

Stropasolas VL. Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17 2012;27:249-286.

Rioja LA, et al. La población rural de España: de los desequilibrios a la sostenibilidad social. Barcelona: Fundación La Caixa, 2009. (Colección Estudios Sociales n. 27). Disponível

em: . Acesso em: 15 set. 2013.

Froehlich JM, Rauber CC, Carpes RH, Toebe M. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.9,

p.1674-1680, set. 2011.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2010. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/download/ Acesso em: 15 set. 2013.

FGV. Fundação Getúlio Vargas. Panorama de Decomposição da Renda em Diferentes Fontes - PNAD 1992 – 2009. Disponível em: http://www.cps.fgv.br/cps/campo/ Acesso em:

fev. 2014

PNAD. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2011/ Acesso em: 09

de set. de 2013

IDB. Indicadores e dados básicos de 2012. Indicador de Morbidade. Índice parasitário anual (IPA) de malária [Acessado em 07 de jan. 2014]. Disponível em: http://

tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm#cober

FIOCRUZ. Fundação Osvaldo Cruz. Doenças Negligenciadas. Disponível em: Acesso em: 06 fev. 2014




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1718



Direitos autorais 2015 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________